Ocorreu um erro neste dispositivo

Brandus dream list

Mensagens populares

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Palavra da semana ( 49 )

zímase

(grego zúme, -es, levedura + -ase)
s. f.
[Bioquímica]  Enzima da levedura da cerveja que provoca a decomposição da glicose em álcool e gás carbónico na fermentação alcoólica.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Escassez de proteínas — como remediá-la?




CALCULA-SE que um terço da população da terra, mais de um bilião de pessoas, não obtenha suficientes proteínas em sua dieta. Em resultado, incontáveis milhões de criancinhas nos países em desenvolvimento morrem antes da idade escolar. As que sobrevivem amiúde sofrem danos permanentes — mental e fisicamente.
Os peritos que estudam o problema alimentar mundial concordam: “A menos que a situação mude perceptivelmente, a escassez de víveres e a fome real ocorrerão, e, junto com elas, a contenda civil e a insurreição política de proporções sem precedentes varrerão as nações em desenvolvimento.”

Importância das Proteínas

As proteínas são essenciais a todos os humanos. São blocos de construção primários do tecido muscular, dos ossos, das cartilagens e da pele de nosso corpo. Os processos químicos vitais do corpo dependem das enzimas, algumas das mais importantes substâncias proteínicas. O crescimento e a substituição dos tecidos do corpo, portanto, exigem proteínas.
O corpo fabrica suas próprias proteínas por combinar os aminoácidos — pequenas unidades que contêm carbono, hidrogénio, oxigénio e nitrogénio — em compridas cadeias tridimensionais. A maioria dos mais de vinte aminoácidos são fabricados pelo corpo, mas oito deles precisam ser supridos por proteínas encontradas nos alimentos que ingerimos. O corpo transforma a proteína alimentar em unidades de aminoácidos; estes então são recombinados em novas proteínas, feitas sob medida para necessidades específicas.
Quando é baixa a quantidade de proteína alimentar, ou quaisquer dos oito aminoácidos essenciais forem escassos, o corpo sofre de deficiência de proteínas. Esta doença induz a apatia nos adultos e impede a recuperação de ferimentos e doenças. Nas crianças, os resultados são similares, porém mais graves. A deficiência branda ou moderada as torna especialmente susceptíveis a infecções respiratórias e a afecções gastrintestinais. Os casos mais adiantados de deficiência proteínica produzem o retardamento mental e físico irreversível ou até mesmo a morte.
A carência de proteínas, segundo se diz, põe em perigo o futuro de muitos milhões de pessoas do mundo. Isto já é bastante ruim, mas, visto que a falta de proteínas está aumentando, devido à demanda ser superior à oferta, teme-se impendente e ainda pior crise de proteínas.

A Terra Pode Fornecer

Será que a terra não consegue produzir suficiente alimento nutritivo para seus habitantes actuais? As autoridades, tais como a Organização das Nações Unidas Para a Alimentação e a Agricultura, sustentam que o potencial agrícola do mundo é bastante grande para alimentar outros biliões de pessoas. Assim, a terra seguramente pode prover bastante alimento para todas as pessoas que vivem hoje. Então, o que está errado?
Um relatório do Conselho Económico e Social das Nações Unidas observou que o problema das reservas de proteínas é complicado por padrões sociais e económicos. Reconhece-se que a actual produção de proteínas é suficiente para satisfazer as necessidades da população da terra. Mas, os suprimentos não chegam às pessoas que precisam deles. Conforme declarou a bem-conhecida antropóloga. Dra. Margaret Mead: “O problema básico é um problema ético.”
Os resultados da má ética incluem excessos em uma parte do mundo, quando as pessoas têm fome em outra parte; alimento demais em uma parte do mundo, enquanto as crianças passam fome em outra. A agricultura se tornou grande negócio. Faz-se distinção entre o alimento que nutre as pessoas e o alimento do qual algumas pessoas, alguns países, derivam sua renda. O alimento não serve mais apenas para alimentar as pessoas. É um item comercializável.
É claro que o principal problema é o actual sistema de coisas mundial injusto. A terra pode produzir alimento saudável em grande abundância, mas, sob um sistema de coisas egoísta, dilacerado por divisões políticas, o alimento não chega às pessoas que precisam dele.

Tenta-se Remediar Uma Situação Ruim

Incapaz de solucionar o problema básico, isto é, a substituição do sistema egoísta, o homem tenta fazer ‘o melhor logo a seguir’ — isto é, tenta compensar esta situação ruim de vários modos. Por exemplo, frotas pesqueiras se expandem. A pesca mundial média aumentou em cerca de 6 por cento a cada ano.
Outro esforço de remediar a situação ruim diz respeito a aprimorar os métodos de processar o peixe. O alvo é a utilização mais completa desta valiosa fonte de proteínas. Partes dos peixes não consumidas, usualmente, podem ser transformadas em farinha estável rica em proteínas, com ou sem sabor ou cheiro de peixe.
Advogam-se vários produtos comerciais para tentar ajudar a amainar o problema da escassez proteínica. Os processadores tentam aprimorar métodos de obter concentrados de carne e de proteínas do amendoim, da soja, da semente de algodão e de outras oleaginosas após a extracção do óleo. O êxito já alcançado com a soja é exemplo da proteína vegetal de baixo custo.
O concentrado de proteínas de soja é um pó branco e leve que pode ser usado para enriquecer confeitos, sopas, bebidas e pudins. Uma mistura de fubá de milho, leite em pó, vitaminas, minerais e soja em pó fornece uma mistura rica em proteínas que pode ser usada para tais fins.
Os concentrados de proteína vegetal são usados em bebidas saudáveis, quentes ou geladas. Em Hong Kong, tal bebida é vendida em concorrência com os refrigerantes. Visto que a proteína de soja pode ser combinada com cerca de cem diferentes sabores para fabricar tal bebida, pode ser modificada para agradar aos gostos locais ao redor do mundo.
Também, a proteína vegetal é tecida em fibras, tornando-se similar à carne. As fibras de proteínas são misturadas com gordura, sabores vegetais e estabilizantes. Estes produtos semelhantes à carne podem ser cortados em fatias, moídos ou cortados em tabletes. Podem ser usados para suplementar carnes verdadeiras.
Em adição a desenvolver novos produtos da proteína já existente, também estão sendo exploradas novas fontes incomuns de proteínas. Obtém-se a proteína do petróleo, do gás natural, do óleo cru, de pó de serra, da cana de açúcar, do capim e da polpa do coco. Não, não se sugere que tais produtos sejam usados para consumo humano de forma directa. Antes, microrganismos tais como fermentos, bactérias e fungos utilizam tais produtos para fabricar a proteína. Ela é chamada Proteína de Célula Única, abreviada SCP segundo seu nome em inglês. Espera-se que tal proteína produzida por microrganismos seja dada como ração aos animais primeiro, tendo-se em vista o consumo humano de tais animais. Compreensivelmente, poderia surgir um problema da aceitabilidade de se introduzir células secas de microrganismos directamente nas dietas humanas.

A “Revolução Verde”

Outro esforço de remediar a situação resultou da “revolução verde” ou dos cereais. As safras de cereais são responsáveis pelo grosso das reservas de proteínas e calorias do mundo, cerca de 70 por cento do total. A quantidade de cereais aumentou impressionantemente graças a combinações de enxertos, fertilizantes, pesticidas e melhor estocagem.
A “revolução verde” foi considerada tão importante que um dos principais autores dos cruzamentos de plantas que contribuiu para as grandes safras, recebeu o prémio Nobel da paz em 1970.
As novas variedades de trigo e arroz aumentaram grandemente as reservas de proteína de cereais em muitos países. Em apenas dois anos, a safra de arroz do Ceilão aumentou em 34 por cento e, em seis anos, as safras de trigo da Índia mais do que duplicaram. O Japão, que possui uma das áreas mais densamente povoadas do mundo, conseguiu um excedente de arroz. Há seis anos atrás, as Filipinas importavam um milhão de toneladas de arroz por ano; em 1970, esse país já era auto-suficiente e esperava começar a exportar arroz, todavia, isso resultou ser optimismo prematuro.
Soa-se, contudo, o alarme de que a dependência ampla de algumas variedades básicas de alta produtividade talvez estejam, efectivamente, lançando a base para colossal desastre. Se tais culturas de base tão estreita viessem a sucumbir ao desastre, os resultados poderiam ser catastróficos, não se tendo nada para substituí-las rapidamente.
“As causas da escassez, segundo Domingo Panganiban, perito do Conselho Nacional de Alimentação e Agricultura, são os tufões, a falta de financiamento, problemas da paz e da ordem, e mortífero vírus vegetal chamado tungro.”
Assim, a “revolução verde” não é digna de confiança para se solucionar a situação ruim. Antes, talvez apenas leve a uma fome mais devastadora. Até mesmo a actual produção incrementada não significa que as reservas de proteínas e de energia alimentar estejam alcançando as pessoas famintas. Ora, em alguns países, até 20 por cento dos cereais são perdidos por causa de deficiente estocagem!
A real necessidade, então, é de algo além da “revolução verde” — de um novo sistema de coisas que não seja controlado pelo nacionalismo e por egoístas interesses comerciais.

Uso Melhor das Reservas Disponíveis

No ínterim, o que pode a pessoa mediana fazer para si mesma e sua família a fim de remediar a escassez proteínica em sua dieta? Há muito que as pessoas podem fazer neste respeito, em sentido prático. A carne ou o bife talvez sejam saborosos, mas não se precisa dum bife para obter as proteínas necessárias. Acha-se disponível o peixe? Muitos obtêm grande parte de suas proteínas desta fonte.
Ovos, leite e queijo fornecem proteínas de alta qualidade. Poderá valer-se destes produtos alimentares? Se não, abundantes quantidades de proteínas se acham disponíveis de fontes vegetais. Legumes tais como lentilhas, feijões e ervilhas ainda são boas fontes de proteínas que podem ser usadas mais eficazmente por muitos. A maioria dos produtos vegetais, contudo, carecem de um ou mais dos aminoácidos essenciais. Tal deficiência pode ser corrigida por se combinar os mesmos com outros legumes ou alimentos proteínicos que supram a falta. Para exemplificar: adicionar apenas pequena quantidade de alimento proteínico de alta qualidade, tais como ovos ou queijo, a uma dieta de feijão ou mandioca ou tanchagem, criará um equilíbrio de aminoácidos, tornando possível usar-se eficazmente toda a proteína contida no alimento. Para conseguir tal vantagem, contudo, os alimentos proteínicos precisam ser comidos juntos.
Maior uso da soja como alimento é um modo prático de adicionar mais proteína à dieta. A farinha de soja pode ser adicionada a muitos alimentos, ou poderá, o próprio leitor, cozinhar a soja. Para obter melhores resultados, o feijão-soja deve ser razoavelmente fresco, e precisa ficar de molho na água antes de ser cozinhado. O feijão-soja cozido é um tanto parecido com a castanha e precisa ser bem mastigado, assim, alguns de início pensam que estão mal cozidos, mas deve-se esperar ter de mastigá-los bem. O feijão-soja pode ser usado em saladas ou servido como legume.
Os pais podem fazer muita coisa para utilizar melhor as reservas disponíveis a fim de melhorar a dieta de seus filhos, em países em que é reduzida a ingestão de proteínas. É usualmente depois que as criancinhas são desmamadas que elas desenvolvem séria carência de proteínas nestes países. O leite da mãe usualmente, contém adequada proteína, mas a dieta subsequente não contém. A mandioca é um componente principal da dieta das crianças desmamadas em muitos países, mas tem muitos carbohidratos e pouca proteína. Se, contudo, um cozido das folhas tenras fosse servido junto com a raiz da mandioca, o problema das proteínas seria remediado — as folhas usualmente não utilizadas contêm bastante proteína para equilibrar a dieta!
Portanto, pense um pouco nestes assuntos, caso as proteínas em sua dieta sejam deficientes. Descubra que alimentos podem suprir mais proteína à sua dieta. Ter boa saúde, junto com sua família, depende em grau nada pequeno de conhecer quais são as fontes disponíveis de proteínas.

in Despertai de 22/6/1973 pp. 8-11

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.