Ocorreu um erro neste dispositivo

Brandus dream list

Mensagens populares

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Tanto barulho porquê?!


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

A música conVIDA... a viver

Live is Life

Dou hoje início a esta nova rubrica no meu blog, que pretende relacionar a música com a vivência do ser humano, com aspectos do dia-a-dia de todos nós, mas que também comportará ideias e opiniões pessoais.
Muitas vezes damos connosco a ouvir uma certa música e a relacionar mentalmente com alguma situação da nossa vida ou da sociedade em que vivemos. E quantas vezes ouvimos "a" música da nossa vida, aquela que nos marcou de tal forma que nos arrepiamos sempre que toca? Sem dúvida que a música faz parte do ser humano, e é a origem de muitos e variados sentimentos. Daí a ideia que tive de juntar uma música a algum aspecto que considero relevante da vida.

E para começar, nada melhor do que falar da própria vida. O ideal de qualquer ser humano seria viver uma vida feliz, com saúde, desafogada em termos financeiros, com bons amigos e uma família dedicada. Poucas pessoas têm o privilégio de juntar todos estes factores na sua vida. Mas mesmo com algumas lacunas, o ser humano adapta-se a viver com o que tem. Pode não ser feliz, pode não ter saúde ou dinheiro, mas não é por isso que desiste de viver. Bom, há quem desista, mas são extremos que não ensombram o quão bom é viver. Todos nós temos receio ou mesmo pavor da morte e ficamos muito perturbados quando alguém chegado morre. Só por isso, é facilmente perceptível que não fomos feitos para morrer, de outra maneira encaravamos a morte como algo natural. Por outro lado, temos grande vontade de viver, de interagir, de mover, de ouvir, de falar, de rir, até de chorar. Não há nada melhor que a vida, a nossa vida.

A música que escolhi pode ser traduzida à letra como "Viver é Vida". Isto é, uma coisa é viver, outra é saber viver. Levar uma vida do nosso agrado e sem grandes sobressaltos é evidentemente "a" vida que qualquer um de nós deseja. Viver bem é de facto "a" vida.

E vocês, vivem ou vão existindo? O que vos motiva a viver? O que é a vida?

When we all give the power
We all give the best
Every minute of an hour
Don't think about the rest
Then you all get the power
You all get the best
When everyone gives everything

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Palavra da semana ( 53 )

megaletoscópio

s. m.
(mega- + aletoscópio)
substantivo masculino
[Óptica]  Aparelho provido de lentes de aumento e de espelhos laterais que permite a visualização aumentada de fotografias, dando a ilusão de profundidade, relevo e perspectiva.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O saber não ocupa lugar ( 375 )




Na Caverna dos Cristais estão contidos alguns dos maiores cristais naturais já encontrados no mundo, sendo que o maior deles tem mais de 10 metros de comprimento.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Aquedutos — grandes feitos de engenharia!




DISPÕE de água utilizável na quantidade desejada? Muitas donas de casa ainda usam parcamente seu suprimento diário, visto que precisam retirá-lo das correntes e fontes próximas, ou dum poço distante. Outras, talvez, nem pensem no assunto, graças ao progresso moderno que tornou a água tão acessível. Mas, nem sempre foi assim. Sabe como é que muitos citadinos obtinham a água há séculos atrás?
A resposta são os aquedutos. Os aquedutos antigos eram usualmente túneis compridos, estreitos, completamente fechados que forneciam um canal acima do solo para que a água fluísse de uma fonte natural até uma cidade. O fluxo da água era gravitacional, o aqueduto dispondo de uma inclinação gradual de trinta a sessenta centímetros a cada quilómetro e meio, mais ou menos. Onde existiam vales, era necessário construir uma estrutura, em forma de ponte, que levasse a água na mesma inclinação colina abaixo. Quando o curso d’água encontrava colinas ou montanhas, isto exigia cavar-se um buraco através da montanha.
É claro que eram necessários bons projectos de engenharia. A Bíblia relata que Ezequias, rei de Judá (745-716 A. E. C.) dirigiu a construção de notável aqueduto que atravessava rocha maciça. Fez isto por usar duas equipes de homens que trabalhavam uma em direcção à outra, partindo de extremos opostos até se encontrarem no meio. E não se tratava dum túnel pequeno, sua altura média sendo de mais de 1,80 metros e seu comprimento sendo de 533 metros!

Aquedutos Romanos

Os romanos mais tarde aperfeiçoaram o traçado dos aquedutos e construíram dezenas deles em todas as partes de seu vasto império. Longas filas de arcos ainda subsistem como monumentos à habilidade de engenharia dos romanos. Qualquer pessoa que visite a Europa pode vê-los. Um aqueduto antigo se acha em Ponte de Gard, Nîmes, França. Em Segóvia, Espanha, magnífico aqueduto de mais de 800 metros, construído pelo Imperador Trajano (98-117 E. C.), ainda se acha operacional.
A quantidade de água transportada por tais aquedutos era tremenda. Em 97 E.C., os nove aquedutos que alimentavam Roma, segundo se afirma, forneciam à cidade uma reserva diária de quase uns 144.000.000 de litros dentro de suas muralhas e outros 75.000.000 de litros fora de suas muralhas! Naqueles dias, a água era uma dádiva gratuita para a Comunidade, ninguém tendo de pagar por ela. Quanto às despesas de construção, estas geralmente eram pagas pelos despojos da guerra, pelo tesouro imperial ou por alguns benfeitores ricos. Assim, aconteceu que a Roma antiga se tornou famosa por suas fontes públicas, seus reservatórios e seus banhos.

Aquedutos de Portugal

Alguns dos muitos aquedutos de Portugal foram construídos pelos romanos, tais como os de Beja e Conímbriga. A maioria, contudo, foi construída desde o século quinze. Uma estrutura verdadeiramente notável é o aqueduto de Vila do Conde, construído em 1350 E. C. e que tinha um total de 999 arcos elegantemente traçados. Outra imponente vista é o aqueduto de Elvas, que consiste em nada menos de quatro fileiras de arcos que atravessam profunda ravina.
A cidade de Lisboa é dotada do mais famoso aqueduto do país, ainda operacional, e tanto os turistas como os cidadãos locais apreciam a vista notável que apresenta. Em 1731 E. C., o Rei D. João V expediu um decreto para se construir este aqueduto. Era realmente necessário, pois conseguir água naquele tempo era deveras um desafio diário.
Imagine-se em Lisboa há uns 250 anos atrás. Quase todo o mundo tem de ir à bica central da cidade para obter seu suprimento diário. Os consumidores privados, que dispõem de seus próprios poços, são relativamente poucos e altamente privilegiados. Assim, com duas bilhas de barro na mão, andamos até a bica pública da cidade. Que enorme multidão já se acha ali reunida!
Embora a maioria das pessoas aguarde pacientemente sua vez, alguns são arruaceiros e tentam empurrar os outros e passar na frente deles. Brigas e discussões são quase que uma ocorrência diária, e já foram mortas algumas pessoas! Por fim, chegando à bica, ansiosamente enchemos nossas bilhas e rapidamente nos afastamos da multidão. Reflectindo por um instante sobre o homem encarregado da bica, prontamente admitimos que ele tem um trabalho e tanto. Dirigimo-nos alegremente para casa, gratos de ter conseguido nossa porção diária — apenas uns oito litros para todas as nossas necessidades.
Não é de admirar que a construção do aqueduto foi saudada como maravilhosas novas para os lisboetas. Os custos de construção foram cobertos por se aplicar uma taxa especial na compra de itens básicos locais tais como o sal, o azeite de oliveira, o vinho, a carne e a palha. Quando por fim foi completado, uns vinte anos depois, a água potável jorrou na cidade em quantidade, provindo das fontes em Caneças, a uma distância de uns dezoito quilómetros.
A água presentemente percorre colinas por meio de túneis subterrâneos, atravessando muitas ravinas e vales. O aqueduto foi ampliado para trazer água de uns 58 quilómetros de tributários, usando ao todo um total de 127 arcos. Quão majestosos são os trinta e cinco arcos elevados que cruzam a ribeira de Alcântara em Lisboa, o maior vão central sendo um arco de uns 33 metros de largura e de 68 metros de altura, ou igualando, em altura, a um prédio de vinte e dois pavimentos! Que contraste é ver hoje este antigo aqueduto de Lisboa bem iluminado à noite, estendendo-se pelos limites da cidade, e modernas rodovias passando sob seus arcos. Apropriadamente, é chamado de “Aqueduto das Águas Livres”, representando o fluxo desimpedido de água para os cidadãos.
Venha e vamos dar uma espiada lá dentro deste aqueduto. Somos conduzidos ao alto dos elevados arcos que cobrem a ribeira de Alcântara e ficamos surpresos de saber que o aqueduto também servia como passarela para o trânsito de pedestres através da ribeira. Ambos os lados do canal de água têm um parapeito que protege os pedestres de cair das beiradas.
Por enquanto ainda não vimos nenhuma água, visto que o curso d’água é completamente coberto. Em intervalos regulares, observamos pequenas torres quadradas no aqueduto, cada uma tendo uma porta que dá acesso à própria água. Espreitando para dentro de uma destas portas, vemos a água potável correndo canal abaixo — e quão rápido flui! Para nossa surpresa, podemos entrar dentro da área coberta e verificar que estamos dentro do próprio aqueduto.
Imagine só, o túnel tem quase 4 metros de altura! Paralelo à água, construiu-se pequena calçada. Esta é usada para os operários consertarem quaisquer danos. Pequeno entalhe na parede contém pequena caneca de barro, e oferecem-nos se queremos provar a água. Oh, quão fresquinha e gostosa é! A água que flui não é profunda demais, tendo apenas cerca de 18 centímetros de fundo, e o curso d’água em si não tem mais de uns 90 centímetros de largura. O aqueduto por fim termina num reservatório no coração da cidade. Naturalmente, este aqueduto não é mais a única fonte de água de Lisboa, visto que sistemas modernos há muito substituíram os métodos gravitacionais.
Outro indício da distribuição d’água nos dias de antanho são as muitas bicas d’água públicas que ainda funcionam em Lisboa. À medida que a água se tornou mais abundante e cresceu a população, foram construídas muitas excelentes bicas d’água. É interessante que documentos existentes na câmara municipal de Lisboa revelam muita coisa sobre os métodos usados para se distribuir a água no século dezoito.
Cada bica pública tinha um determinado número de homens licenciados que distribuíam a água potável aos moradores por carregarem um barril de madeira de 30 litros nas costas. Água não potável também era vendida de casa em casa, mas os vendedores que tentavam vender tal água como sendo potável estavam sujeitos a pesadas multas. Assim começou a prática de se pagar a água entregue em casa. Em Lisboa, até o dia de hoje funcionam alguns tanques públicos de lavagem de roupa em que aqueles não privilegiados de ter água corrente em casa podem ir para lavar a roupa da família. Muitos ainda usam os banhos públicos.

Aquedutos Modernos

Em comparação com os aquedutos antigos, construídos quase que de pedra, de canos de madeira ou até de bambu, os aquedutos modernos são colossais empreendimentos de engenharia, e podem incluir canais, adutoras e túneis. Com o crescimento e o desenvolvimento urbano resultando em cidades que se espalham, atingindo milhões de pessoas, a capacidade do homem de fornecer adequado suprimento de água foi desafiada. Notáveis consecuções podem ser observadas nos estados de Nova Iorque e da Califórnia.
A cidade de Nova Iorque produziu o gigantesco aqueduto de Catskill, a fim de trazer uns 2.000.000.000 de litros por dia para aquela cidade. Organizou-se uma comissão para garantir o suprimento de água a umas quatorze cidades do sul da Califórnia. O resultado foi o notável aqueduto do Rio Colorado, que traz água sob pressão de uns quase 400 quilómetros, atravessando várias cadeias de montanhas. Este projecto envolvia a construção de três represas de concreto, e de cinco grandes estações de bombas para erguer a água a um total de 490 metros.
Sem dúvida, todo o mundo avalia que a água é essencial.

in Despertai de 8/7/1973 pp. 13-16

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Provérbio da semana ( 22:26,27 )

Não venhas a ficar entre os que batem as mãos, entre os que são fiadores de empréstimos. Se não tiveres nada com que pagar, por que tirarias a tua cama de debaixo de ti?

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.