National Geographic POD

Brandus dream list

Mensagens populares

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 299


A ilha de Surtsey é a mais jovem ilha do Oceano Atlântico, criada por uma erupção vulcânica em 1963.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Poderá comer bem, por menos


“DO JEITO em que estão os preços agora, simplesmente não sei mais com o que alimentar minha família.” Soam-lhe familiares estas palavras? Ecoam seus sentimentos? Muitas donas de casa verificam que não mais conseguem comprar alimentos que compravam antes e ainda limitar-se a seu orçamento. Razão é que os preços dos alimentos através do mundo subiram tanto na última década.

Muitos verificam ser cada vez mais difícil equilibrar seu orçamento. A luta corrente do consumidor estadunidense obteve grande atenção e muitas são as propostas para suster os aumentos dos preços dos alimentos. Apesar dos vários passos dados em escala federal e local para proteger os interesses do consumidor, cabe por fim à dona de casa conseguir economizar por sua própria conta. Ela conhece exatamente em que áreas poderá reduzir as despesas sem por em perigo à saúde da família. Para alcançar este alvo, tem de saber que alimentos são essenciais para sua saúde e quais poderá dispensar.
Os requisitos básicos para a nutrição adequada podem ser divididos a grosso modo em quatro grupos:
(1) Carnes e substitutos para a carne, abrangendo ovos, queijo, nozes, soja, e assim por diante.
(2) Pão, farinha e vários cereais (grãos).
(3) Leite e produtos lácticos.
(4) Frutas e legumes numa variedade tão grande quanto possível.
Para os que não apreciam beber os recomendados dois ou três copos de leite por dia para os adultos e os três a quatro copos para as crianças, o leite pode ser usado de outras formas. Os nutricionistas recomendam que as donas de casa planejem seu cardápio em torno de tais requisitos básicos para assegurar que suas famílias comam os alimentos corretos.


Como Reduzir os Preços da Carne


Saber que alimentos são essenciais é importante. Mas, a dona de casa mediana, se há de reduzir seus custos alimentares em qualquer grau apreciável, tem de começar primeiro com a carne — usualmente o item mais alto em suas despesas com alimentos. Pode ficar alerta para ler nos jornais ofertas especiais e fazer seu cardápio com base nas ofertas de carne da semana. Talvez seja vantajoso comprar fígado e carne do tipo mais barato, tais como rabada, pescoço, ponta de agulha, acém ou coxão duro. As costeletas são relativamente baratas. Bifes do peito são ainda mais econômicos. Pernil de porco é tão saboroso quanto o lombo de porco, todavia, muito menos custoso.
O que há de bom é que tais cortes são tão elevados em valor nutritivo quanto os mais custosos. A única diferença é que se precisa mais cuidado para cozinhá-los visto que talvez sejam menos tenros. A língua é outro item econômico. Quando cozida à la braise em molho aromático e devidamente enfeitada, é deliciosa, todavia, custa não raro apenas a metade do preço de outras carnes!
A carne de preço reduzido, contudo, nem sempre é econômica. Às vezes contém muitos pedaços não comestíveis. Assim, ao comparar o custo básico, é melhor calcular o custo por porção. Um quilo de acém, moído, por exemplo, talvez dê para dez porções.


Alimentos Que Satisfazem


Uma vez apreciado que a carne não é a única fonte de proteínas, pode-se começar a economizar verdadeiramente. Há outros alimentos ricos em proteínas, porém, para se obter os melhores resultados, precisam ser preparados e servidos com especial cuidado, de modo que se tornem tanto convidativos na aparência como deliciosos ao paladar.
O peixe é um destes alimentos proteínicos, e, em algumas localidades, pode ser obtido a baixo custo. Grande variedade de alimentos de peixes são agora disponíveis em quantidades cada vez maiores — mexilhões, salmeiras, litorinas, urtigas do mar. Podem ser assados, cozidos numa tábua, fritados numa frigideira ou mergulhados em gordura, escaldados ou cozidos a vapor, dependendo do método que ressalte o que há de melhor em cada coisa. Está atento ao mercado de peixes?
O ovo é outro alimento satisfatório que é proteína completa. Pode também ser preparado de diversos modos — desde o ovo bem cozido até o delicioso soufflé. Não é de admirar que seja tão popular!
Alguns alimentos, embora não sejam completos em proteínas como os ovos, ainda contêm valiosas proteínas. Tais alimentos, tais como as ervilhas, o feijão branco e o feijão-de-lima, são amiúde chamados de proteínas “incompletas’’ porque não contêm tantos dos essenciais aminoácidos. As lentilhas são outro exemplo. Combinam-se com muitos alimentos a fim de fornecer pratos satisfatórios, e, ainda assim, baratos.
A realidade é que nem toda refeição precisa ser rica em proteínas. Há outros pratos que são bastante satisfatórios. A humilde batata é um exemplo. É surpreendente o número de formas de prepará-la e servi-la em pratos deliciosos, sozinha ou combinada a outros alimentos. Se a cozinheira ficar sem novas idéias neste respeito, poderá comparar seu receituário com os de suas vizinhas. Daí, há também o arroz. O arroz branco e o arroz integral oferecem amplo escopo, e podem ser cozidos quer como substituto da batata quer como sobremesa. Tudo depende do tempero ou condimentos acrescentados a ele.
Há muitas outras refeições de um prato único que poderá ser satisfatórias: macarrão, espaguete e molho de tomate, beringela recheada, guisado de galinha picadinha com cogumelos e bolinhos de massa frita, pimentões verdes recheados, para citar alguns. Na verdade, estes representam um desafio à perícia do cozinheiro, pois se espera com freqüência que se rivalizem com o prato de carne tanto em sabor como em atrativos. Mas, bem que vale a pena o esforço, pois dará mais variedade a seu cardápio, ao passo que também reduzirá os custos.


Comprar Exige Perícia


É uma compradora perita? Sabe o que comprar, onde comprar e, o que é mais importante de tudo, quando comprar? É uma perícia que pode ser adquirida, e há muitas ajudas. Ofertas especiais de alimentos são usualmente anunciadas no rádio, na TV e na imprensa pública. Caso possa obter com economia itens que usa com freqüência, vale a pena comprar uma quantidade extra, conquanto não haja problema de estocagem. Mas, certifique-se de que não se envolva em despesas extras de passagens que poderiam facilmente eliminar qualquer lucro obtido de comprar a um preço de pechincha. É melhor que descubra um lugar perto de casa em que são oferecidas pechinchas.
A primeira coisa que a compradora sábia fará, antes de sair de casa, é examinar as prateleiras da despensa e fazer uma lista de itens que estão acabando. Desta forma, a dona de casa comprará as coisas necessárias. Isso tende a impedir as compras por impulso, ou gastar muito em itens que realmente não são essenciais.
É bom, também, cultivar o hábito de ler os rótulos. Disse certa dona de casa: “Embora eu já faça compras por anos, apenas recentemente me tornei cônscia dos rótulos. Agora não sou mais influenciada pelos enganosos lemas de vendas. Agora leio os rótulos para ver o que estou realmente adquirindo antes de comprar, e isso faz uma grande diferença. Os rótulos deviam mencionar os ingredientes, bem como a quantidade ou o peso. Um pouco de aritmética mental deve determinar se é mais econômico comprar a lata pequena ou grande de algum item.
Alguns supermercados oferecem alimentos de suas próprias marcas a preços inferiores às marcas anunciadas nacionalmente dos mesmos produtos. Por que não experimenta alguma vez certas marcas particulares? Talvez verifique que são de qualidade tão boa quanto as que são astutamente promovidas em grandes cartazes ou na TV e no rádio. Deveras, em alguns casos, tratar-se-á de produto idêntico, vendido a varejo sob diferentes rótulos.
E enquanto estamos no assunto de rótulos, outro ponto que a compradora judiciosa deve considerar é o custo da embalagem. Alguns produtos alimentícios são enfeitados com embalagens especiais, cujo custo é passado ao público comprador. Para sermos práticos, vale a pena preocupar-se mais com o próprio produto do que com a forma em que é embalado, não importa quão atraente pareça.
Também deve-se ter presente o uso que fará de sua compra. Se o item for tomate em conserva, há marcas de alta qualidade, bem como as de qualidade inferior. No entanto, se os tomates serão usados numa sopa ou em molho de espaguete, não é necessário obter-se tomates de alta qualidade. A diferença em qualidade talvez seja que uns não têm a cor dos outros, ou certa marca tenha mais tomates inteiros do que a outra.
A época em que compra tais itens perecíveis como frutas e legumes é importante. Comprá-los só porque são atraentes à vista, sem considerar sua época pode envolver despesas desnecessárias. Deve ser simples verificar a época de abundância de cada item, a época em que podem ser comprados por menos. Na verdade, pode-se comprar frutas e legumes congelados, mas pode-se fazer isto a um custo razoável?
A compradora sábia também levará em conta o fator desperdício ao comprar frutas e legumes. Do volume total, em qualquer compra, quanto será jogado fora? Isto é importante ao se determinar o custo real. E outro ponto em que vale a pena pensar é: Será realmente necessário jogar fora tanto das cascas e aparas dos legumes e das batatas? Ao cortar aipo cru para a mesa, por exemplo, poderiam as aparas menos atraentes ser guardadas num saco plástico e usadas mais tarde numa sopa ou salada?
A compradora também poderá perguntar-se: Fico num dilema quando se trata de comprar legumes? Há ampla margem de escolha, e a maioria é excelente para se fazer uma salada. Considere, por exemplo, alguns deles: erva-doce, couve, endívia, verduras de mostarda, escarola, chicória e agrião. E, no caso da alface, deve-se ter presente que aquelas folhas verde-escuras exteriores, amiúde tolamente jogadas fora, são ricas em vitaminas e sais minerais.


Refeições Para Estimular o Apetite


A boa cozinheira pode fazer da mais simples refeição uma experiência deleitosa, pois sabe que a cor, a forma, o paladar e o arranjo da comida podem ter poderosa influência sobre quem come. Assim, dá atenção a itens tais como ervas, temperos e adornos. Um pouco de atenção extra e alguns minutos a mais na preparação de uma refeição atraente podem constituir a diferença.
O fator da cor numa refeição terminada pode exercer muita influência. Um prato de carne marrom pardacenta pode ser avivado com tomates, beterraba, cenoura ou brócolos. Os rabanetes darão um lampejo de cor à salada. A aparência atrativa da comida estimula as papilas gustativas e torna mais apreciável a refeição.
Temperos e condimentos, usados com moderação, podem aumentar o prazer das refeições e dar variedade a seus pratos. E, por falar em variedade, é bom tentar novas receitas de vez em quando. Tome a batata, por exemplo. Diz-se que há mais de 1.500 formas de servir este item comum. Talvez muitas donas de casa não tenham usado mais de mela dúzia delas. Assim, há um grande campo para aventura aqui.
Nem é necessário cozinhar todo legume. Além de servi-los crus em saladas, alguns deles, como as cenouras, cebolas e aipo, podem ser servidos frescos. Desta forma, dispõem de mais valor nutritivo do que quando cozidos. Crianças famintas ficarão muito contentes de mordiscar tais itens entre as refeições.
O uso perito de sobras de comida é outra forma de obter economia sem sacrificar o atrativo do sabor. Com imaginação e perícia, muitos pratos populares podem ser preparados. Por exemplo, carne que sobre pode ser cortada em pedaços bem pequeninos e cozida junto com arroz, temperado ou condimentado exatamente no grau certo. O purê de batatas que sobre pode ser fritado na panela no dia seguinte.


Contribuição do Amor Para o Comer Bem


A esposa e mãe amorosa não está apenas interessada em cozinhar e servir as refeições de modo apressado. Ela se preocupa com a saúde e o bem-estar da família. Quando há crianças em idade escolar, há sério empenho em estimular seus apetites para os alimentos simples e nutritivos. As lições de geografia poderiam se tornar vívidas bem na mesa do jantar se pratos populares em terras distantes fossem incluídos no cardápio de vez em quando — o borche russo, o gulache húngaro, os tamales mexicanos, e assim por diante. Muitos deles são também bastante econômicos. A dona de casa verificará ser de seu proveito experimentar e expandir os gostos de seus fregueses regulares à mesa. Levará tempo extra para ficar atenta a ofertas especiais de alimentos, para certificar-se de que a família esteja obtendo a nutrição adequada, para introduzir maior variedade no cardápio, para reduzir o desperdício. Mas, ela própria se sentirá livre da monotonia e gozará a satisfação de contribuir para uma economia que é tão vital nestes dias de custos crescentes.
Há um fator vital relativo a refeições que jamais deve ser despercebido ou subestimado. É grátis e não se precisa fazer nenhuma compra para obtê-lo. Sem ele, muito do prazer das refeições no dia a dia ficaria perdido. O que é? Uma atmosfera agradável, descontraída, alicerçada em amor, é uma base sólida para a alimentação saudável.


in Despertai de 8/3/1971 pp. 13-16

Provérbio da semana (15:32)

Quem se esquiva da disciplina rejeita a sua própria alma, mas aquele que escuta a repreensão adquire coração.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 297


As cianobactérias são as responsáveis pelo aparecimento da maior parte do oxigênio (O2) na atmosfera da Terra.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

terça-feira, 18 de agosto de 2009

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 293


A sequoia Hyperion é a árvore mais alta da Terra, com 115 m de altura.

Usufruir associação com os mais idosos


HOJE em dia, a família que não inclui pelo menos um parente com mais de sessenta e cinco anos é, deveras, uma família excepcional. Pois há agora nos Estados Unidos cerca de 19.000.000 de pessoas — cerca de 10 por cento da população daquele país — que têm sessenta e cinco anos ou mais. Na Grã-Bretanha, o número de pessoas com mais de sessenta e cinco anos já passou da marca dos 8.000.000 — mais de 10 por cento da população. Outras nações apresentam aumentos similares no número de pessoas mais idosas.
Assim, muitos milhões da humanidade dificilmente podem ser ignorados. Todavia, esta parece ser a tendência hodierna num mundo rápido em que se dá maior destaque à juventude e às vantagens de se ser jovem. Agora, só raramente os idosos são convidados às reuniões de jovens. Com efeito, é preciso bastante incentivo para que os filhos e os amigos se correspondam com os idosos ou se mantenham em contato com eles pelo telefone. Mas, nem sempre foi assim. Os tempos mudaram.
Um senhor de oitenta e dois anos se lembra da mudança nas seguintes palavras, conforme publicadas no Evening News de Newark, EUA: “Quando jovem, ter pessoas idosas ao redor de nós era parte da norma de vida. Minha vizinhança estava cheia delas . . . Ao caminhar rua abaixo, uma ou duas estavam sentadas na varanda ou na calçada em frente de cada uma das casas antigas, de tijolos vermelhos. Apenas algumas moravam sozinhas, a maioria delas moravam com os filhos e netos. Conversavam, liam, ou descansavam; algumas possuíam passatempos especiais. Cada uma tinha um sorriso e uma boa palavra para nós ao passarmos. Junto de nossa casa morava a Sra. Burns, uma senhora corpulenta que nos convidava sempre que fazia uma fornada de maravilhoso pão de levedura, sobre o qual espalhava um fresquinho e caseiro molho de tomate com pimenta malagueta. . . . O velho Sherman se aposentara do armazém de secos . . . Sua filha cuidava dele . . .
“Respeitávamos estas pessoas idosas e as considerávamos; não fazíamos piadas nem zombávamos delas por trás de suas costas. Elas cuidavam bem de seus filhos e, depois de a moçada terminar sua adolescência, esperavam cuidar por sua vez dos seus pais.
“Atualmente, os mais velhos se sentam sós em algum quarto alugado escuro ou num banco de jardim, negligenciados, apenas esperando . . . Sabem que os tempos mudaram, mas se acham deserdados até mesmo de um pouco do amor e dá consideração que esperavam colher de seus filhos.”
Verdadeira tragédia da velhice, hoje em dia, é que um número cada vez maior deles são cada vez menos amados pelos filhos e pelos jovens ao redor deles. Poucos filhos, hoje, consideram um privilégio cuidar de seus pais que envelhecem. No entanto, muitos filhos das gerações prévias pensavam diferente.


Muitos Predicados dos Mais Idosos


Assim, não raro os jovens temem que os mais idosos representem uma carga financeira, mais ao que desejam suportar. Por conseguinte, evitam-nos. A realidade é que há duas a cinco vezes mais probabilidades de que herde dinheiro ou propriedades de seus pais idosos e de outros parentes idosos do que tenha de pagar as contas deles!
Na verdade, a velhice tem suas dores e aflições peculiares, mas também as têm os jovens. Pense nas doenças ligadas à infância. Quando a idade não vem assolada de demasiados males, arrependimentos e temores, ela pode, efetivamente, ser um período gracioso de tranqüilidade, com prezadas memórias guardadas numa mente que se acha em paz. Neste mundo às avessas, qual é o jovem que não gostaria de usufruir uma fração dessa tranqüilidade para si mesmo? Poderá usufruí-la ao ficar em companhia dos idosos que se acham em paz.
Os mais idosos não raro oferecem muito ao serem apenas assim como são — pessoas mais idosas. Dispõem dum calor e duma afeição que as crianças apreciam muito. É por isso que os avós constituem excelentes babás, em especial quando outros não se aproveitam indevidamente deles. Constituem, também, excelentes mestres. A maioria de nós se lembra com afeto das pessoas idosas que conhecemos, talvez nossos próprios avós. Um rapaz se lembrava de sua avó devido aos maravilhosamente cheirosos e torrados pãezinhos tostados que fazia. ‘A vovó costumava pegar um pãozinho quente do forno, abri-lo e colocar grande porção de manteiga no centro’, recordava ele com deleite. ‘Daí, quando a manteiga se tinha derretido toda e começava a escorrer pelo pãozinho, ela nos dava um grande pedaço. Devorávamos toda migalha. Pão fresquinho era algo que não se nos permitia comer em casa, mas a vovó sempre dava um jeito de nos dar um pouco.’ O rapaz se lembrava por longo tempo de sua avó e de sua cozinha cheirosa.
O simples fato que os mais idosos geralmente não andam às carreiras é um benefício que não deve ser ignorado. Não raro, na juventude, tudo que se deseja é um ouvido que ouça, talvez um pouco de comiseração e entendimento. Os mais idosos com freqüência dispõem do tempo e da paciência para tais coisas. Disse certa avó idosa: “Tenho ficado surpresa e deleitada ao descobrir quantos filhos dos vizinhos passam por aqui para falar apenas alguns minutos. Deixam seus folguedos constantes para vir até aqui e me contar algo interessante ou para dizer o que pensam. Tenho apenas de escutar, pois parecem desejar apenas um ouvido compreensivo. Não sabem que alegria trazem a uma pessoa cujos filhos e netos se acham distantes, mas, talvez, sintam algo do amor que evocam.”
Nem todas as coisas que os mais velhos fazem precisam ser grandiosas para terem efeito. Suas fornadas ocasionais de biscoitos são lembradas por longo tempo. Que mãe jovem não apreciou alguma ajuda em serzir meias? Ou, quando a doença ou o cansaço assola, quem é que pode prestar melhor ajuda do que a vovó ou o vovô?
Não raro, talvez seja apenas uma palavra ou frase de uma pessoa mais idosa que possa tornar segura a pessoa e incentivá-la a fazer o bem. Uma senhora idosa fala sobre sua infância. Ela conhecera muita gente idosa, mas se lembra especialmente de uma senhora idosa que era plácida, gentil e bondosa: “Lembro-me tão vividamente como se fosse ontem de segurar-lhe a mão, olhar nos seus olhos, ver seu sorriso para mim e de ouvi-la dizer: ‘Bendita sejas, minha filha.’ Eu até me lembro do seu nome.” Esse simples contato com os idosos, afirma ela, “me fez querer ser boa”.


Procure Associar-se com os Mais Idosos


Sem dúvida, a associação com os mais idosos tem sido uma parte muito negligenciada na vida moderna, com seria perda de amor e de bênçãos tanto para os idosos como para os jovens. Por que não fazer algo a respeito? Por que não incentivar os idosos a vir fazer-lhe uma visita de vez em quando e usufruir a companhia deles? Convide-os a jantar, pelo que ficarão muito gratos, e isso lhe trará recompensas ao mesmo tempo. Ou, quando prepara uma festa ou uma reuniãozinha, por que não inclui alguns mais idosos em sua lista? Quando se acham em grupos grandes de pessoas, os mais idosos têm a tendência de ficar retraídos. Por que não procurar associar-se com eles e torná-los parte das festas? Ponha-se ao lado deles e torne-os parte de sua vida. Tal bondade de sua parte ajudará a impedir que as pessoas idosas contraiam a doença da solidão e de sentirem pena de si mesmas.
Naturalmente, há coisas a lembrar quando visita pessoas mais idosas. Primeiro, reserve tempo razoável para uma visita construtiva. Não raro, os jovens chegam correndo com palavras de desculpa: “Sinto poder ficar apenas um minuto.” Tente não ter tanta pressa. É bom, também, ter presente assuntos interessantes e importantes que deseje mencionar em sua conversa. Tenha um ponto a frisar. E tente deixá-las com uma data em que podem esperar que volte ou que tenham notícias suas no futuro próximo, dentro do razoável. Isto lhes dá algo a aguardar.
Também é ótimo levar algo que sirva como motivo de conversa. Ao visitar pessoas, talvez traga uma carta de alguém da família e a leia em voz alta. Talvez tenha lido um livro ou revista que suscitou seu interesse. Talvez possa falar de alguns itens que apreciou. Destaque os pontos que lhe impressionaram. Assim, por ajudá-las, estará ajudando a si mesmo a recordar as coisas que lhe interessam.
As pessoas idosas, em especial, apreciam plantas domésticas ou flores. Estas constituem excelentes presentes se estiver pensando em levar-lhes algo. Se tricotou algo para elas, tais coisas pessoais são especialmente prezadas. Se desejar oferecer-lhes dinheiro, ponha-o num envelope ou talvez sugira como gostaria que o gastassem. Álbuns de fotografias dos membros da família, comestíveis, algum prato favorito, deleitam os mais idosos.
Fique alerta a sinais de fadiga e desânimo. Os mais idosos não dispõem do vigor da juventude. Minimize seus erros. Mantenha positiva sua palestra, e não crítica ou rabugenta. Elogie sua aparência, se derem atenção a si mesmos. Se cuidam de seus bens e de sua propriedade, mencione isto e não fique temeroso de elogiar os interesses deles. Quando as pessoas idosas falarem, dê ouvidos a elas. Poderá aprender algo. Os mais idosos aprenderam a enfrentar muitas dores e sofrimentos. Talvez lhe sejam de ajuda por lhe mostrarem como evitar sofrimentos e laços desnecessários.
Podemos demonstrar nossa preocupação por visitá-los e torná-los parte de nossa vida. Podemos saudá-los quando se oferece a oportunidade, e demonstrar sinceramente que ficamos contentes de tê-los em nosso meio. Se a distância impedir-nos de vê-los em pessoa tão amiúde quanto gostaríamos, há sempre o telefone ou podemos chegar até eles por carta. O som de sua voz ou a leitura de uma carta sua a respeito de sua vida, e a idéia de que se importa o bastante a ponto de lembrar-se deles são recompensas amáveis para os idosos. Estas coisas custam tão pouco para nós, mas significam tanto.
Para muitos, o tempo da idade avançada talvez seja como os fins da tarde num dia de verão, quando as sombras já cresceram mas ainda há luz, e ainda há o canto dos pássaros nos altos das árvores e o crepúsculo é paz. Em associação com tais pessoas mais idosas, não raro aprendemos quais são as questões vitais da vida. Elas, como a terra, talvez estejam cheias de tesouros, tesouros desconhecidos, ainda por serem descobertos e usufruídos. Quando os jovens buscam sua companhia, isso é bondade, e eles mesmos se tornam enriquecidos com bênçãos que só os mais idosos podem conceder.


in Despertai de 8/3/1971 pp. 3-7

Provérbio da semana (15:31)

O ouvido que escuta a repreensão da vida pousa bem no meio de gente sábia.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 292


Pedro, o Grande, czar da Rússia no século XVIII, chegou a cobrar impostos sobre a barba de seus súditos.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 289


A acetilcolina foi o primeiro neurotransmissor a ser descoberto.

Então está pensando em comprar uma casa?


“NÃO poderia fazer melhor negócio”, disse com entusiasmo o exuberante corretor de imóveis a seu cliente vacilante. “Aumenta a cada dia a procura de imóveis, e uma oferta como esta simplesmente não é mais feita.”
Mas, os experientes na compra e na venda de imóveis sabem que nem tudo é tão simples assim. Há armadilhas em que caem facilmente os incautos e desinformados. A menos que a pessoa seja cuidadosa, pode ficar envolvida numa rede de complicações legais e financeiras que podem deixá-la, não só sem a casa que esperava obter, mas despojada do dinheiro que deu de entrada.
A decisão quanto a se se deve comprar ou não uma casa é influenciada pelas circunstâncias de cada família. Uma família talvez decida ser melhor alugar uma casa ou apartamento e evitar as responsabilidades advindas de se ser proprietário. Por outro lado, outra família, a fim de fornecer um ambiente determinado para seus filhos, e para evitar as ansiedades da moradia incerta, talvez decida comprar uma casa.
Não há cálculos duma régua de cálculos que determine a decisão correta.


Considere Antes de Comprar


Talvez a consideração básica, se contempla comprar uma casa, é sua situação financeira. Que pagamentos mensais pode manter? De quanto dispõe para a entrada? Se não tem o suficiente, que fontes de fundos lhe estão disponíveis? Como pagará a dívida? Quanto serão os juros?
É sábio não subestimar o custo de ser dono de sua própria casa. Por exemplo, uma pessoa talvez procure um apartamento para alugar e então procure uma casa cujos pagamentos mensais, depois da entrada, são exatamente os mesmos. Assim, talvez decida que, por serem iguais os pagamentos, pode custear um tão facilmente como o outro.
Para ser realista, contudo, o comprador em potencial deve acrescentar aos pagamentos mensais da casa diversas outras despesas, tais como a perda dos juros do dinheiro dado como entrada, os impostos prediais e territoriais, o seguro, as despesas de aquecimento, as contas d’água, a manutenção e os consertos. Quando tais despesas são cuidadosamente calculadas, o dispêndio real de uma casa talvez eqüivalha de 50 a 90 por cento mais do que morar num apartamento!
Naturalmente, há também argumentos em favor de se comprar uma casa. O novo dono duma casa efetua pagamentos de algo que por fim será seu. Talvez argumente, de direito, também, que os aluguéis de apartamentos sobem com regularidade, ao passo que agora, com exceção dos impostos, ele estabilizou razoavelmente as desposas. Ademais, talvez arrazoe que, com a inflação galopante do sistema monetário do mundo, a melhor cunha protetora contra a inflação é o imóvel.
Outra consideração que talvez pese em favor de uma casa é o bem-estar dos filhos. O ambiente na atmosfera carregada de muitos edifícios de apartamentos não é bom. Com efeito, os proprietários destes não raro preferem inquilinos sem filhos, e assim talvez não forneçam qualquer tipo de locais recreativos. Ao passo que a mãe talvez tenha pequenas tarefas para suas filhas no apartamento, muitas das tarefas que fornecem excelente treino para os meninos, tais como aparar os gramados, limpar as calçadas e os quintais, usualmente não existem.
Por outro lado, o morador num apartamento talvez indique que, quando o tempo não é consumido em tais tarefas, muitas horas se acham disponíveis para treinar os filhos em várias outras atividades valiosas. Os apartamentos não têm a carga extra de trabalho que é inescapável ao proprietário duma casa.


Arranjando a Compra


Há ocasiões, contudo, em que a pessoa talvez decida que a compra duma casa visa os interesses da família. Mas, como pode fazê-lo se não dispuser de suficiente dinheiro para a entrada?
Desejará examinar as fontes de capital que talvez estejam disponíveis. Talvez se possam obter empréstimos a taxas mínimas de juros através das associações de crédito ligadas a seu emprego. Ou talvez verifique que se seu crédito é bom, o banco local talvez lhe empreste o dinheiro necessário. Por outro lado, um parente talvez fique feliz de poder ajudá-lo. Mas, uma vez que tome emprestado a entrada, como pode o proprietário duma casa esperar pagá-la?
Algumas famílias compraram casas que são suficientemente grandes de modo a dispor de um quarto ou dois para serem alugados. A renda de tal aluguel é então usada para pagar o empréstimo, ao passo que outras despesas são cobertas pela renda regular da família. Tal método foi um meio bem sucedido empregado por alguns para se tornarem proprietários. Apenas um avisozinho, se este for seu plano — certifique-se de comprar um imóvel que possa sublocar.


Escolher Uma Casa


Excelente conselho para os prospectivos compradores duma casa é pesquisar o assunto. Em alguns locais, há usualmente várias casas disponíveis.
Primeiro, decida em geral a localidade em que deseja morar. Descubra tudo que possa sobre a vizinhança. Passeie de carro pela área, não só para ver que casas se acham anunciadas como estando “a venda”, mas também para considerar certas coisas, como o transporte público, a localização de parques e escolas, e assim por diante. Sempre verifique os regulamentos municipais; de outra forma, talvez acabe morando perto de uma fábrica de cola! Às vezes, um passeio pela vizinhança revela uma casa a venda pelo próprio dono, ao invés de por meio dum corretor. Tal transação direta talvez resulte na economia de milhares de euros em comissões de venda.
Quando reduz a busca a três ou quatro casas possíveis, o exame mais cuidadoso de alguns pormenores não raro fará com que certa casa se destaque como a melhor compra.
Por exemplo, considere a fluidez de tráfego na casa. Uma casa deve ser construída para prover o máximo de privatividade na área dos quartos e banheiros. Pode ir do quarto de dormir para o banheiro sem ser visto na sala de estar? Ficarão os filhos longe do barulho da família se forem dormir mais cedo à noite? Pode ir da cozinha à sala de jantar sem passar pela sala de estar? É a cozinha suficientemente grande, tanto para se trabalhar como para se comer? É satisfatória a ventilação para remover os odores de comida?
Verifique, também, a solidez da estrutura e de seus sistemas. É novo o sistema de aquecimento, se houver um, ou está prestes a entrar em colapso? Há um porão, e é acabado? Há goteiras nele? Se em dúvida, tente inspecionar a casa depois dum dia chuvoso. Quão velho é o telhado? São os encanamentos e fiação adequados e se acham em boas condições? Se houver uma lareira, funciona realmente? É o terreno bem ajardinado? Pode custar centenas de cruzeiros a plantação de arbustos e árvores nele.
Ao decidir entre três ou quatro casas, alguns acharam prestimoso fazer uma tabela alistando tais perguntas básicas. Então procuram ver como se enquadra cada casa. Não raro, tal análise indicará meridianamente a casa a comprar.
Mas, lembre-se: Fique satisfeito antes de comprar. Uma vez feita e assinada uma escritura de compra e venda, pouco adianta examinar o teto, os alicerces ou quaisquer outros aspectos da estrutura. Aí é tarde demais. Portanto, não assine nada até estar seguro.


Fazer Uma Oferta de Compra


O passo seguinte é fazer e apresentar uma oferta formal de compra. A oferta é geralmente feita pelo corretor de imóveis, embora o comprador geralmente ache sábio mandar seu advogado examinar o documento, ou outra pessoa independente de gabarito, antes de assiná-lo.
Certifique-se de que todas as boas condições mencionadas pelo vendedor ou seu corretor sejam incluídas na oferta de compra e venda. Todos os compromissos verbais pertinentes à transação devem ser incluídos no acordo por escrito. Se tiver qualquer dúvida a respeito do sistema de aquecimento, o teto e assim por diante, o que o corretor diz sobre tais coisas deve ser escrito no acordo.
Também, se a oferta incluir quaisquer itens em adição à própria casa, tais como tapetes, geladeira, fogão, máquina de lavar roupa, cortador de grama, todos estes itens devem ser claramente mencionados. É em geral melhor incluir no acordo até mesmo artigos óbvios, tais como o sistema de aquecimento, lustres, antena de televisão. Tal acordo cuidadosamente escrito pode ajudá-lo a evitar discussões ou até mesmo ações legais.
Antes de a oferta ser assinada, verifique cuidadosamente que não vá enfrentar quaisquer custos não previstos. Por exemplo, será que há algum imposto de transmissão do terreno que terá de pagar antes de registrar sua escritura? Permitiu normais “ajustes por ocasião da escritura definitiva”, que talvez incluam um prêmio para um seguro contra incêndios de três anos, impostos territoriais para parte do ano corrente ou contas extras para combustível ou itens pagos adiantadamente?
Entenda claramente os termos de sua hipoteca. Tem o privilégio de pagar quantias adicionais pelo capital em qualquer ocasião que deseja, ou se trata duma hipoteca “fechada”? Qual é a taxa de juros? Seus pagamentos regulares incluem o capital e os juros, ou envolvem o capital e mais os juros? Sabe quanto de seu pagamento será deduzido do capital e quanto para o pagamento dos juros?
A habitação tem sido descrita como se situando entre os mais importantes problemas sociais de nossos dias. À medida que aumenta a população, e escalonam os custos habitacionais, só se pode esperar que o problema se torne cada vez mais difícil.
Deve comprar ou assumir as responsabilidades de ser proprietário de uma casa? Deve alugar e talvez viver com a ansiedade de moradia incerta? A decisão nem sempre é fácil.


in Despertai de 22/2/1971 pp. 24-27

Provérbio da semana (15:30)

A luminosidade dos olhos alegra o coração; uma notícia boa engorda os ossos.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 287


A bolha de sabão é uma ilustração física da Teoria das Superfícies Mínimas, um complexo problema matemático.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

terça-feira, 4 de agosto de 2009

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

O saber não ocupa lugar - 284


O Marsupilami, um animal que só existe em banda desenhada, teve a sua descrição publicada numa revista científica, a Les Naturalistes belges.

Alimento de bebê para os adultos


QUANDO compra um litro de leite no supermercado, não é provável que pense nele como sendo alimento de bebê. Isso, naturalmente, é o que realmente é. Todavia, o leite se tornou alimento adulto popular, sendo usado para se cozinhar e em várias bebidas. Mas, será este alimento de bebê realmente bom para os adultos?
O leite com que está mais familiarizado é, sem dúvida, o leite de vaca. Há países, contudo, em que as pessoas estão acostumadas a usar leite de outros tipos de animais. O leite de cabra, por exemplo, é popular em países ao redor do Mar Mediterrâneo, bem como na Noruega, Suíça, América Latina e em partes da Ásia e da África. Nas regiões árticas, o povo usa leite de égua e de rena. Leite de ovelha é popular na Espanha e na Itália. Na Índia e na República das Filipinas, o uso de leite de búfala da Índia não é incomum, e, na América do Sul, o leite de lhama é usado.
Não importa que tipo de leite seja usado, contudo, pode ser perigoso. Por que isto se dá? Porque é facilmente contaminado pelas bactérias causadoras de moléstias e é o veículo ideal em que se podem multiplicar rapidamente. Doenças tais como a tuberculose, a febre ondulante, a febre tifóide, a afecção séptica da garganta, a escarlatina e a difteria podem ser disseminadas pelo leite.


Salvaguardar o Leite


Assim, se usar leite, é importante que use apenas leite limpo. Quando o traz para casa, coloque-o num lugar fresco. Isto é necessário de forma a impedir que as bactérias se multipliquem com demasiada rapidez. Não o despeje em panelas sujas nem o exponha às moscas e ao pó, visto que poderiam introduzir nele as bactérias indesejáveis.
As usinas leiteiras tentam protegê-lo por esterilizarem seus tonéis de leite e por pasteurizar o leite. Este é um processo em que o leite é aquecido a 61,7° Centígrados e mantido ali durante trinta minutos. O calor mata a maioria das bactérias, tornando o leite relativamente seguro para consumo. Entretanto, a fim de matar todas as bactérias e esporos, o leite teria de ser esterilizado como é feito com o leite concentrado e o leite condensado, e isso exige temperaturas bem mais altas. Muitas pessoas não gostam do sabor do leite esterilizado.
Alguns têm objeções ao leite pasteurizado porque o calor usado em pasteurizá-lo diminui a quantidade de vitamina C e da vitamina B1 no leite e destrói a útil bactéria do ácido láctico. Até uns 15 por cento da vitamina B1 são destruídos pelo calor. O leite cru, por outro lado, talvez contenha vitaminas, mas também tem maior potencial de transportar bactérias perigosas. Cuidado extra deve ser tomado para torná-lo seguro.
Embora o leite não seja alimento perfeito, é alimento bem completo. Contém cerca de cinqüenta substâncias diferentes. Há, contudo, diversos elementos necessários para o crescimento que faltam ao leite, tais como cobre, ferro, iodo e manganês.
Quando se compara o leite humano com o leite de vaca, pode-se notar pronunciada diferença. O leite humano contém duas ou três vezes mais vitamina C do que o leite de vaca. Também tem uma vez e meia mais açúcar do leite. Por outro lado, o leite de vaca contém mais caseína e resíduos minerais. Este é um fato a ser considerado quando se alimenta um bebê.
Mesmo quando o leite de vaca foi alterado pela adição de mais açúcar do leite, ainda assim não é substituto para o leite humano. O açúcar de cana não é o mesmo que o açúcar do leite, assim, o uso de açúcar de cana não aproxima realmente o conteúdo de açúcar do leite de vaca do do leite humano. As necessidades de um bebê são melhor satisfeitas pelo leite humano e não pelo leite de vaca. Também, quando o bebê é alimentado no peito, obtém o pleno valor da vitamina C no leite, porque o leite não fica exposto ao ar, que faz com que tal vitamina seja destruída pela oxidação.


É o Leite Bom Para os Adultos?


Muitas autoridades médicas recomendam o leite qual alimento para os adultos, bem como para as crianças. Sugerem que os adultos bebam cerca de meio litro por dia, inclusive o que é usado para cozinhar, e que as crianças bebam cerca de um litro ou mais. Consideram o leite como a fonte mais rica de cálcio do homem. É seu conceito que uma quantidade adequada de leite é especialmente importante para as crianças enquanto crescem e para as mulheres grávidas.
Por outro lado, há pessoas que afirmam que o leite não é bom para os adultos. O livro The Encyclopedia for Healthful Living (A Enciclopédia da Vida Saudável), de J. I. Rodale, se opõe ao uso do leite depois da primeira infância. Afirma: “Alergias, o gigantismo e o seu conteúdo de antibióticos são apenas algumas das razões de nossas objeções.” Em outro livro, o mesmo autor expressou a crença de que o leite é um fator contribuinte para a artrite, a sinusite, resfriados e catarro.
Como vê, há diferenças de opinião quanto a se o leite é bom ou não para os adultos. Inegavelmente, alguns talvez sofram reações adversas quando consomem leite. No entanto, o leite deveras contém proteínas, gorduras, carboidratos, minerais e algumas vitaminas e é, portanto, alimento nutritivo.
Por causa dos muitos pratos gostosos que o leite torna possível, e os diferentes produtos alimentares que podem ser feitos dele, pode fornecer interessante variedade para as refeições duma pessoa. Assim, este alimento para bebês é amplamente usado como alimento nutridor para os adultos.


in Despertai de 22/2/1971 pp. 18-20

Provérbio da semana (15:28)

O coração do justo medita a fim de responder, mas a boca dos iníquos borbulha com coisas más.

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.