National Geographic POD

Brandus dream list

Mensagens populares

quarta-feira, 31 de março de 2010

Raridades e Recordações ( 2 )

O puro e duro rock´n roll!!!!

Vista-se de forma correta para o tempo frio


ENGUIAS, águias e elefantes — representantes dos animais marinhos, aéreos e terrestres — não precisam de roupa. Seus corpos estão adequadamente providos de uma cobertura protetora contra os elementos de seus respectivos ambientes. E ainda bem que não precisam de roupa; certamente seriam incapazes de provê-la para si mesmos.

Nós humanos, porém, somos diferentes. Nosso Grandioso Criador nos fez com a capacidade de projetar e confeccionar roupas para muitos fins, e para a grande variedade de condições em que vivemos. Sim, precisamos de roupa por vários bons motivos.

Mesmo no tempo mais quente, precisamos de roupa a bem da modéstia — para apaziguar nosso senso de vergonha. Isto tem-se dado desde que nossos primeiros pais, Adão e Eva, desobedeceram a ordem de Deus e comeram do fruto proibido da árvore do conhecimento do bem e do mal. Outra finalidade da roupa — dá-nos confiança por realçar nossa aparência.

Mas, a principal razão por que as pessoas em muitas partes da terra precisam de roupa neste mesmo instante é proteger seu corpo do frio. A grande questão para elas é: Como vestir-se de forma correta para o tempo frio.

Que Tipo de Roupa de Baixo?

Comecemos com a roupa mais próxima do corpo. É razoável vestir roupas de baixo mais quentes no inverno do que no verão, mesmo que não sinta a necessidade disso. Por quê? Porque o coração tem de trabalhar mais para manter o corpo aquecido no inverno, e as roupas mais quentes o poupam de trabalho adicional. Naturalmente, se trabalha num quarto ou escritório aquecido a vapor o dia todo não precisará vestir a mesma espécie de roupa de baixo que o carteiro que passa o seu dia inteiro fora. Mas, que tipo deveria ser se tiver de sair no frio? Simplesmente vestir roupas de baixo mais pesadas talvez não seja a melhor solução.

Por exemplo, é melhor vestir duas peças leves de roupa de algodão e lã do que uma só peça bem pesada toda de lã. Por quê? Por causa do ar entre as peças. O ar parado é mau condutor de calor. Essa é a vantagem da chamada “roupa de baixo termal”. Tem pontos hexagonais que capturam o ar dentro de suas camadas.

Ainda outro tipo de roupa que emprega esse princípio é o caso da “malha Brynje”. No entanto, ao invés de capturar o ar parado dentro de suas camadas, captura o ar próximo à pele. Como faz isto? Pelo seu padrão em forma de rede de pesca; é algo parecido a meias de malha.

Para o tempo muito frio há também a roupa de baixo acolchoada, mas é um tanto volumosa.

O Que Dizer da Roupa Externa

Entre as coisas a se lembrar quanto à roupa externa, ao se vestir para o tempo frio, é que a roupa de cor escura é mais quente do que a roupa de cor clara. As cores escuras absorvem o calor do sol; as cores branca ou claras o repelem. Use cores claras no verão para sentir-se refrescado; mas use cores escuras no inverno para manter-se aquecido.

Roupas de acabamento macio, tais como flanelas, cheviotes e “tweeds”, são muito recomendáveis se encarar um frio seco e calmo. Mas, quando se trata de proteger-se de granizo e neve e vento impetuoso, então a roupa de acabamento mais duro, tais como de lã penteada ou de “sharkskin” (tecido lustroso de algodão ou raiom) lhe servirá melhor. Não só impedirá que o vento penetre, mas também tornará menos provável que a neve úmida grude em suas roupas.

No caso das roupas externas também se aplica o princípio de que duas peças finas são melhores que uma só pesada. Não necessariamente duas peças separadas, mas talvez peças forradas. Alguns sobretudos têm forro removível — ideais para o conforto, a comodidade e para aquecer, e também para a economia. O forro pode ser simples ou acolchoado, dependendo do grau de frio que tiver de enfrentar. Ou talvez verifique que, como peça adicional, um sueter fino ou um colete tricotado o manterão aquecido. Um suéter de caxemira para este fim — se puder comprar um — é ótimo para aquecê-lo e tem um mínimo de volume. Do contrário, um suéter de lã fino ou de grossura média servirá bem.

Vestir-se de forma correta para o tempo frio também inclui pensar nas golas e nos punhos dos casacos e jaquetas. Devem ajustar-se muito bem para impedir que o ar quente escape. Usar um xale ou cachecol no pescoço também é uma ação prudente. Mas, lembre-se, frustrará o seu propósito se sua roupa for muito justa.

A Cabeça, as Mãos e os Pés

Muitos deixam de usar uma cobertura para a cabeça no tempo frio, mas isso é um erro. O sangue não se retira do cérebro pôr causa do frio, assim, muito sangue é esfriado quando a cabeça fica expostas gorro de tricô é muito recomendável, e também o boné com protetor de orelhas. Vistosos, populares e muito práticos são os bonés russos do tipo de pele ou de imitação de pele. Quando o frio é muito severo, é também sábio proteger a boca e o nariz com um xale, ou uma máscara facial que tenha aberturas para os olhos e nariz.

E o que dizer das mãos? Embora algumas luvas sem forro pareçam estar na moda, no tempo frio talvez façam com que as mãos fiquem mais frias do que se a pessoa não usasse luva nenhuma; isto se daria em especial se as luvas fossem apertadas. Para manter quentes as mãos, as luvas forradas são as melhores — forradas quer com lã, quer com pele ou imitação de pele. Mas, novamente nesse caso, obtenha luvas que sejam suficientemente folgadas. Se suas luvas forem justas demais interferirão com a circulação em suas mãos e assim terá mãos frias apesar de usar luvas forradas. As mitenes, naturalmente, são as mais quentes de todas. Se desejar, talvez possa obter algumas que possuem não só o polegar, mas também o dedo indicador em bainhas separadas. O grande problema com as luvas ou as mitenes é que sejam quentes quanto precisam e contudo permitam que se façam coisas com as mãos.

Há também a questão importantíssima de manter quentes os pés. Os pés, sendo a parte mais afastada do coração, têm a maior probabilidade de ficar frios. Neste caso, também, deve-se notar que dois pares de meias finas serão mais quentes do que um par grosso. E ao usar mais de um par, seria bom que o próximo à pele fosse de algodão e o seguinte ou o externo fosse de lã. Mas, tenha presente que se o uso de meias grossas ou adicionais apertar indevidamente seus pés, não estará em melhor situação. Se não tiver outro jeito, obtenha um par de sapatos um pouquinho maior, para usá-lo com as meias adicionais no inverno. Não constituirá necessariamente uma despesa extra. Seus sapatos simplesmente durarão mais.

Se houver muita neve no chão, certifique-se de manter os pés secos. Em alguns lugares, usam-se galochas. Em outras partes, fabricam-se sapatos especialmente para tal tempo. Para ajudar a proteger seus sapatos, engraxe-os bem. De fato, seria bom colocar várias camadas de graxa de sapato como impermeabilizante. E se molhar os sapatos, encha-os de papel amassado e deixe-os secar gradualmente. Não os mantenha perto do calor.

Não exagere na questão de manter-se aquecido. Este é um ponto que as mães precisam estar atentas em relação com os filhos pequenos. As autoridades concordam que é melhor manter-se um pouquinho do lado frio. Manter-se aquecido demais pode causar tanto dano quanto sentir frio demais. Quando começar a sentir-se muito quente, afrouxe suas roupas externas ou tire algumas delas. Neste respeito é bom hábito ouvir a previsão meteorológica no rádio ou na TV para saber a temperatura exterior; daí vista-se de acordo.

Do precedente é óbvio que vestir-se de forma correta para o tempo frio em grande parte uma questão de usar bom critério baseado em sua própria experiência e nas dos outros.

Outros Fatores

O próprio corpo faz o que pode para enfrentar o desafio do tempo frio, tanto por sentir calafrios como por acelerar os processos metabólicos. Isto o corpo faz por lançar mais adrenalina no sangue. É interessante que as mulheres revelam maior aumento na atividade metabólica e perdem 10 por cento menos de calor quando expostas ao frio do que os homens.

Obviamente, um corpo bem nutrido pode suportar o frio melhor do que um mal nutrido. Portanto, escolha alimentos saldáveis e nutritivos, certificando-se de obter suficientes vitaminas e minerais.

Outro fator a se considerar é que a atividade pode ajudá-lo a manter-se aquecido. Quanto mais ativo se mantiver, menos urgente será sua necessidade de roupa muito quente. Para manter-se aquecido no tempo frio caminhe com rapidez, mas não exagere.

Também, se quiser manter-se aquecido em tempo frio não fume. Fumar apenas dois cigarros Reduzirá sua temperatura da pele em cerca de 2,5 a 3,6 graus Centígrados. E depois de fumá-los levará quinze minutos para voltar à sua temperatura normal.

Ademais, não beba bebidas alcoólicas quando confrontado com tempo rigoroso. Diz The Pharmacological Basis of Therapeutics: “Tomar bebidas alcoólicas para ‘esquentar’ no tempo frio é obviamente irracional e pode ser perigoso se a conservação do calor do corpo for essencial. Os tarimbados em explorações polares estão bem a par dos perigos desta tentação.” Isto se dá porque o álcool faz que o sangue aflua à flor da pele, mas o resultado final é uma diminuição da temperatura do corpo.

Sim, a maneira de vestir-se, o que ingere em seu corpo e sua atividade física têm todos uma relação com o êxito de seus esforços em manter-se aquecido quando faz tempo frio.

in Despertai de 22/7/1971 pp. 12-14

Provérbio da semana ( 17:9 )

Quem encobre uma transgressão está procurando amor, e aquele que continua falando sobre um assunto separa os que estão familiarizados uns com os outros.

sábado, 20 de março de 2010

Raridades e Recordações ( 1 )




Watch 33 blue cheer summertime blues in Music  

  View More Free Videos Online at Veoh.com

O valor dos brinquedos



UM BALDINHO e uma pazinha, um pouco de água e terra ou areia — essa combinação faz coisas extraordinárias nas mãos de uma criancinha! Com esses instrumentos, cria um castelo, uma ponte, uma nave espacial, uma caverna — inúmeras coisas que sua mente pode conceber e com as quais se deleita. Deveras, brinquedo é tudo aquilo que a criança lança mão para brincar.
Os brinquedos existem em todos os tamanhos e formas, cores e estilos. A maioria é fabricada para divertir as crianças, estimulá-las à ação e, quiçás, educá-las também.

Embora sejam tão variados quanto numerosos, os mais simples resultaram mais duráveis. Bolas, cordas, bonecas, palhaços, blocos de construção, bolinhas de gude, carros e caminhões em miniatura têm sido usados por décadas e ainda são populares entre cada nova geração.

Outros foram aperfeiçoados com o passar dos anos. Há agora bonecas que fazem quase todas as coisas que um bebê vivo faz. Alguns brinquedos até mesmo se igualam a complicados computadores, sendo especialmente equipados para criar problemas para a criança resolver e para ajudá-la a raciocinar e fazer decisões.

Daí, há também um vasto suprimento de brinquedos não convencionais. Pois quando a criança quer brincar, pode converter quase tudo ao seu redor num brinquedo, como os pais bem sabem. Pode ser um pedaço de barbante, uma pedra, um vaso, uma frigideira, um chaveiro, um sapato velho, uma caixa comum ou um saco de papel. Enquanto prender seu interesse, pode servir de luz elétrica para sua imaginação, de ponte para o mundo adulto e de trem para aquele mundo maravilhoso do faz-de-conta.

Por Que Alguns Ficam sem Uso

Em geral, a maioria dos brinquedos práticos é comprada pelos pais ou por parentes próximos, visto que são logicamente as pessoas que sabem o que melhor serve para a criança. No entanto, apesar da ampla variedade de brinquedos interessantes agora disponíveis, alguns acabam sem uso. Por que se dá isso?

Em primeiro lugar, alguns pais não pensam tanto nos brinquedos de seus filhos quanto poderiam. Por exemplo, a mãe talvez esteja fazendo compras quando um brinquedo capta sua atenção. Se a cor e o preço forem bons, talvez o compre às pressas sem pensar o suficiente no seu valor.

Contudo, sua escolha poderia não raro ser mais sábia se tivesse feito algumas perguntas a si própria: É seguro? Têm as crianças bastante desse tipo de brinquedo? Servirá para estimulá-las a pensar?

Alguns adultos compram erroneamente brinquedos que fascinam a eles ao invés de à criança. Já fez isso?

Para ilustrar, considere o pai que compra um dispendioso trem e acessórios supostamente para seu filho de dois anos. Gasta horas e horas armando-o. Daí, quando está montado, fica empolgado com ele. Mas, o garotinho talvez o observe um pouco e daí deixe seu pai surpreso por ir brincar com um saco de papel, em lugar disso. Ou talvez até mesmo pegue seu martelo de brinquedo e comece a martelar os acessórios. É natural que uma criança de dois anos faça isso, visto que não sabe quão intrincado é o mecanismo do trem e dos acessórios nem quanto custam. Só sabe que dá voltas, isto o atrai e quer fazer algo com aquilo em vez de ficar sentado quieto a observá-lo. Ora, esse tipo de brinquedo seria ideal para um menino de mais idade, que poderia avaliar seu valor e até ajudar a armá-lo. Mas, é total e demasiadamente complexo para alguém assim tão jovem.

Portanto, a idade e a capacidade mental da criança são fatores essenciais a se considerar quando escolher brinquedos de que ela gostará.

Os Mais Simples em Geral São os Melhores

Os pais descobrem em geral por experiência própria que a regra geral na compra de brinquedos é levar o que há de simples. Muitos jovens largam um brinquedo caro em preferência a um simples no formato e na função. Já não constatou que isso se dá com seus filhos?

Certamente não é difícil de entender isso, não é mesmo? Um brinquedo não complicado dá a liberdade de movimento e de expressão tão necessária para que a imaginação da criancinha funcione. Basta só observar um menino na praia com seu baldinho e sua pazinha para avaliar esse fato.

Observação e Personalidade Individual

Como, porém, pode-se saber de que espécie de brinquedos os filhos gostam mais? Bem, um dos meios mais eficazes de determinar isso seria observá-los quando brincam. Por exemplo, aquele caminhão basculante que seu filho preza tanto — por que o prefere mais do que todos os outros brinquedos? Já fez a si essa pergunta? Já olhou realmente para aquele caminhão? Oh, é claro que o notou. Talvez já tropeçou nele várias vezes. Mas, será que realmente o viu através dos olhos de seu filho? Sabe quantas coisas diferentes ele se torna quando seu filho brinca?

E o que dizer da boneca favorita de sua filha? Talvez esteja abrindo nas costuras, mas ela recusa desfazer-se dela. Por quê? Já a observou quando brinca com ela? O modo em que ela segura aquela boneca poderia ser revelador. As crianças não só imitam os adultos em volta delas ao brincarem, mas, às vezes, usam os brinquedos para se expressarem de muitos modos pequenos. Sim, a observação pode ser muito útil.

Talvez, também, já verificou que cada criança precisa ser tratada individualmente no que diz respeito aos brinquedos. Um brinquedo predileto de uma criança talvez seja desconsiderado por outra porque os brinquedos significam coisas diferentes para crianças diferentes. Para algumas, são um meio de expressão: A criança talvez os use para fazer barulho, imitar ocupações dos adultos, e para muitos outros fins. Para outras, os brinquedos são uma fonte de diversão e entretenimento. Estas crianças talvez sejam mais dóceis e prefiram brinquedos que as permitam serem espectadores quietos antes que vigorosos participantes. A pessoa teria de observar cada criança para determinar que espécie de brinquedo se adaptará melhor à sua personalidade.

Estimular a Curiosidade e a Imaginação

Tem-se mencionado o brincar como o trabalho da criança, e, se isso é verdade, então os brinquedos são certamente suas ferramentas. Ensinam-na a investigar, observar, raciocinar, lembrar, edificar, e coordenar sua mente e seu corpo. Para certificar-se de que os brinquedos de seus filhos façam o mesmo, por que não fazer um inventário de seus brinquedos? Com cada brinquedo na mão, examine-o e pergunte a si se ele faz alguma das seguintes coisas:

Uma das primeiras coisas que um brinquedo deveria fazer a uma criança é despertar sua curiosidade. Se não despertar, raramente prenderá seu interesse por muito tempo. Esta é uma das razões por que um brinquedo para bebê tem propositadamente tamanho exagerado e cores vivas. Atrai primeiro a sua atenção. Uma vez o note, então deseja saber mais sobre ele. Irá agarrá-lo, sacudi-lo, espremê-lo, batê-lo contra algo, e naturalmente, acabará em geral na sua boca para sentir o gostinho. Com freqüência, talvez o quebre ao fazer isso. Mas, mesmo assim serviu para sua finalidade. Proveu-lhe maior satisfação e algumas informações novas para acrescentar ao seu crescente cabedal de conhecimento.

Também, estimula um brinquedo a imaginação de seu filho? Uma vez que um brinquedo desencadeie a imaginação de uma criança, não há limites quanto a aquilo que o item pode tornar-se para ele. Não é preciso ser um brinquedo formal. Seu filho de três anos pode pegar um de seus sapatos, e, em questão de segundos, se torna para ele um barco à vela no alto mar; uma caverna em que os refugiados se escondem; uma área em que os animais e insetos empalhados, bem como vivos, são abrigados, inclusive talvez uma rã morta ou uma lagarta viva. Qualquer número de brinquedos poderia servir. Não são os materiais usados que são importantes para ele, mas o que esses se tornam através do olho de sua mente. Um brinquedo mecânico complicado, que faz tudo sozinho, privá-lo-ia de grande parte do prazer que tem de brincar de faz-de-conta.

O mesmo princípio se aplica às meninas. Quanto as menininhas gostam de vestir as roupas da mamãe e brincar de dona de casa com suas bonecas! Ora, uma garotinha talvez alinhe todas as suas bonecas em cima de sua cama, e elas se tornam alunos que ouvem a um ‘sermão’ de sua professora; a seguir, se tornam uma fileira de pacientes doentes cuidados por uma enfermeira compassiva; ainda em outra ocasião, tornam-se uma platéia silenciosa, sentada na primeira fileira, que observa sua grande atuação no palco.

Nesse respeito, caberia bem uma palavra de cautela. Existe agora demasiadas coisas que tendem a reprimir as crianças de usar sua imaginação. A televisão e muitas outras bugigangas privaram as crianças de grande parte do prazer simples de antanho. Em resultado, ler tornou-se uma arte quase perdida. E isso é uma pena, pois ler pode constituir um meio de abrir novos horizontes de aprendizagem para uma criança. Nos dias em que ouvir o rádio era passatempo popular, um quarto cheio de crianças podia ouvir a um programa e então relatar dúzias de conceitos diferentes sobre a mesma transmissão.

Embora a televisão seja certamente um meio maravilhoso de educar os jovens, pode tolher suas faculdades de imaginação. Muitas crianças sentam-se imóveis na frente da tela de televisão por horas a fio tendo pouco estímulo mental. Com efeito, um estudo feito pela Corporação Carnegie, pela Educação Ford e pelo Departamento da Educação dos EUA descobriu que “os jovens em idade pré-escolar gastam 54 horas por semana assistindo à televisão”. Lançaram em parte a culpa aos pais que usam a televisão como babá eletrônica. Por certo, os pais interessados tentarão frear essa tendência por prover entretenimento que não só divirta seus filhos, mas, o que é mais importante, estimule-os a pensar.

Ajudas Para o Crescimento Físico

Quando a criança passa os estágios exploratório e imaginário de seu desenvolvimento, seu brinquedo se torna muito mais físico. Brinquedos que a ajudem a se desenvolver fisicamente serão então mais práticos. Quando completa uns três anos, seus brinquedos em geral incluem os que melhoram a sua coordenação e fortalecem seus reflexos.

Velocípedes e patinetes são excelentes para desenvolver os músculos da perna. Daí, à medida que anda nos seus brinquedos móveis, pode aprender a coordenar seus movimentos das pernas com os braços para ir na direção certa. A seguir, pode progredir para a corda de pular, o uso de patins e balanços e então para a bicicleta. E embora grande parte desta atividade física seja trabalho árduo para ela, ela gosta da sensação de movimento e especialmente de velocidade. Dá-lhe satisfação, provoca-lhe risadas e a ajuda a crescer ao mesmo tempo.

Ao passo que o brinquedo de uma criança se torna mais físico, talvez tenda a concentrar-se nos brinquedos que exercitam só o corpo. Cabe a seus pais cuidar de que seus brinquedos permaneçam equilibrados. Podem incentivá-la a usar livros, quebra-cabeças e vários jogos de mesa para contrabalançar a atividade puramente física.

Desenvolver Várias Perícias

Algumas crianças dão evidência de possuir perícias incomuns desde a mais tenra idade. De fato, um brinquedo favorito de uma criança amiúde se relaciona com sua habilidade. O menino que prefere invariavelmente seus aviões e brinquedos com motores talvez mostre aptidão para os ramos de mecânica quando crescer. E a criança de quatro anos que com freqüência dirige-se ao piano com grande interesse talvez possua o talento musical. Naturalmente, talvez não tenha um Mozart ou Einstein em perspectiva debaixo de seu teto. Mas, se seu filho mostra deveras algum talento, pode ser estimulado com certos brinquedos.

Há vários instrumentos de brinquedo que são baratos, e os pais podem usar estes para determinar se futuras lições para desenvolver essas perícias são recomendáveis. Pianos em miniatura, vários instrumentos de corda, xilofones, harmônicas, acordeões e o violão presentemente popular se acham entre eles, para se mencionar apenas alguns. Há também jogos para trabalho em argila, jogos de química e jogos para pintura a guache.

Mesmo que seus filhos não tenham especial talento para quaisquer dessas artes, ainda assim podem gostar de expressar-se de formas antes desconhecidas a eles. Os brinquedos podem fazer com que seus pequenos mundos cresçam e se expandam.

Escolhas Futuras

Ao passar, então, a analisar os brinquedos de seus filhos, talvez descubra que alguns não são tão eficazes quanto gostaria que fossem por esta ou aquela razão. Não é preciso, porém, jogá-los fora a menos que, naturalmente, sejam inseguros ou não aconselháveis. Mas, pode decidir ser mais seletivo no futuro. A segurança deveria certamente constituir um fator. Brinquedos mal construídos podem quebrar-se facilmente e causar danos. Devem ser todos examinados para ver se têm beiradas cortantes, ferrugem, tinta descascada e muitas outras características que poderiam ser perigosas, especialmente para os bem jovens.

Em adição, alguns brinquedos talvez sejam bastante seguros mas ainda assim não seria aconselhável que as crianças os possuíssem. Só porque certos brinquedos são vendidos numa loja ou talvez sejam populares no presente entre a maioria, isto não deverá influenciar indevidamente os que seguem os princípios piedosos. Os brinquedos que treinam metodicamente uma criança a ser violenta e simulam o “matar” não se harmonizam com a ordem cristã de ‘ter intenso amor uns pelos outros’ e de buscar a paz e empenhar-se por ela’. Assim, os princípios, além da segurança e da popularidade, governam a escolha de brinquedos da parte dos pais cristãos.

Portanto, ao decidir escolher brinquedos mais sabiamente no futuro, talvez deseje pensar mais sobre aquilo que cada brinquedo ajudará seu filho a realizar: Despertará sua curiosidade e imaginação? Melhorará sua coordenação? Estimulará sua habilidade criativa? E, o mais importante de tudo, fará que pense? Deveras, os brinquedos constituem ajuda valiosa no crescimento mental e físico da criança, e o leitor, como pai ou mãe, pode usá-los como instrumentos para orientar esse crescimento.

in Despertai de 8/7/1971 pp. 21-25

Provérbio da semana ( 17:7 )

Para quem é insensato não é apropriado o lábio de retidão. Quanto menos para o nobre o lábio de falsidade!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Nova vida profissional

Começou esta quarta uma nova fase na minha vida profissional. Depois de quase 20 anos na Turivisa, uma agência de viagens pequena mas com várias hipóteses de voar alto ao longo destes anos, e que acabou por se transformar num flop, devido em parte ao desinteresse de quem tinha poder para mudar as coisas e em grande parte por incompetência pura e dura em termos de gestão. Tenho muita pena, vesti a camisola com muito gosto ao longo destes anos, tentei colaborar de forma a ajudar, mas quando quem manda não tem capacidades para tal, por muita irritação que sinta e mesmo tendo percebido que muita coisa poderia ter corrido melhor, nada há a fazer. Há que seguir em frente. Felizmente tive a possibilidade de arrancar de imediato noutra agência de viagens, chamada Barceló Escalatur. Rapidamente percebi que o nível de profissionalismo não tem nada a ver com o praticado na Turivisa, e também com imensa rapidez cheguei à conclusão que as minhas tarefas foram enormemente ampliadas, com a agravante de só ter uma instrutora por um período de 3 dias, que fez o melhor para me passar as ideias, mas que naturalmente, em tão pouco tempo e com tanta coisa para fazer, me deixou algo baralhado. Percebo que esta fase é natural, tenho algum receio de não conseguir cumprir prazos, pelo menos neste primeiro mês, mas vou esforçar-me ao máximo para ultrapassar este sentimento de insegurança. O tempo é curto, a informação é demasiada, este é o problema. Segunda estou entregue a mim próprio, nada melhor do que seguir em frente com coragem!

terça-feira, 9 de março de 2010

Por que brilha a lua



Sem dúvida já viu à noite letreiros que refletem luz. Isto é possível porque as letras se acham recobertas duma camada de diminutas contas de vidro de uma fração de milímetro de diâmetro. Daí, são recobertas de plástico. Quando os faróis dum carro brilham sobre elas, elas refletem a luz.
A pesquisa científica revelou que o homem não foi o primeiro a usar este tipo de refletor de luz. A evidência na superfície da lua mostra que quem primeiro utilizou este princípio refletor foi o Criador do universo.

Os cientistas, examinando o material da lua trazido de volta à terra pelos astronautas, verificaram que até 50 por cento do “solo” da lua se compõe de vidro. Este vidro assume diferentes formas. Parte é perfeitamente redonda, elíptica, em forma de lágrimas, ou em forma dum haltere. Também, o vidro varia em tamanho de diminutas partículas de pó a contas de um milímetro de tamanho.

A superfície destas contas de vidro é muito suave. Quando a luz brilha sobre elas, são extremamente lustrosas. O Dr. Wernher von Braun, destacado nos programas espaciais dos Estados Unidos, escreveu sobre elas como “reluzindo a luz do sol como contas de vidro que refletem a luz dum letreiro de rodovia”. Ao passo que a maioria deste vidro não tem cor, alguns são marrons, amarelos, vermelhos ou verdes.

Até mesmo as rochas lunares mostram que foram feitas para refletir a luz, pois contêm pequenas cavidades revestidas de vidro. Algumas se acham cobertas de salpicadas gotas de vidro e parecem que foram vitrificadas.

Ademais, no seu passeio lunar, os astronautas encontraram, no fundo de pequenas crateras, lentejoulas cintilantes em forma de manchas vitrificadas que se assemelhavam a salpicadas de solda derretida. Estas se achavam nas rochas e no solo.

in Despertai de 8/7/1971 p. 18

segunda-feira, 8 de março de 2010

quinta-feira, 4 de março de 2010

Venceu uma raspadinha... mas comeu o bilhete!


O vencedor de uma raspadinha promovida por uma companhia aérea ficou sem os 10 mil euros, porque comeu o cartão premiado. O concurso é da responsabilidade da companhia aérea Ryanair. O vencedor do prémio era um passageiro do voo FR1724, entre Cracóvia e East Midlands.
O homem terá ficado irritado quando a tripulação confirmou que ele tinha ganho e o felicitou, mas lhe disse que um prémio daquele valor não poderia ser pago na hora, durante o voo, e teria de ser reclamado mais tarde.
O valor não pode agora ser reclamado e, em comunicado, a Ryanair anunciou que o vai doar a uma instituição. A escolha do beneficiário é colocada nas mãos dos passageiros que são convidados, até à próxima sexta-feira, a votar no tipo de instituição que vai receber a maquia. A escolha é entre uma instituição para a gestão de fúria, uma instituição de combate a perturbações digestivas, uma de combate ao vício do jogo, uma instituição para crianças problemáticas e uma promotora da sanidade mental. A votação decorre no site da companhia.

PD / estranhomasverdade.com
 
Mas por que razão precisava o homem do dinheiro no avião?! Será que queria comprar um perfume?

quarta-feira, 3 de março de 2010

O mundo virado do avesso


Haiti, Madeira, Chile. O que têm em comum? Vocês sabem, não preciso de dizer muito para se perceber que falo de desgraças.
Mas, nesta altura, em que mais uma nação sofre com os impropérios da natureza, tenho necessidade de constatar alguns factos.
Não esqueço o que aconteceu mais recentemente no Chile, espero que o país se recomponha rapidamente, que os vivos consigam ultrapassar as dificuldades e estou pesaroso pelos mortos.
Mas decidi que não ia falar do que se passou naquele país da América do Sul ( embora já tenha falado ), embora não queira desta forma camuflar a desgraça, antes tentar que os meus tópicos neste blog não sejam muito piegas...

Bom, vamos a factos. Os acontecimentos mais recentes no nosso planeta levaram-me a pensar que algo está errado. Tempestades, furacões, mini-tornados, chuvas torrenciais, terramotos e outras situações próprias da natureza têm assolado com frequência diversos pontos da nossa Terra. A quantidade e a incidência desses fenómenos começa a ser preocupante, até chegamos ao ponto em que o eixo do planeta foi afectado!
É verdade que estamos a viver tempos críticos, difíceis de manejar, e estas situações alertam-me para a necessidade de nos mantermos atentos ao que se vai passando, pois a qualquer momento podemos ser nós a sofrer as consequências do mau humor da natureza, pelo que temos de estar preparados.
Não me parece contudo que devemos entrar em histerias ou exageros, o que tem acontecido pode ser uma fase má do planeta, mas seja como for, antes prevenir do que remediar ( se houver remédio... ).

Com estas breves linhas espero não ter assustado ninguém, admito que o mundo não está propriamente virado do avesso, mas por vezes parece. Se não é a natureza, muitas vezes são as pessoas que o viram do avesso. Mas isso é outra conversa...

Não fui muito piegas, pois não?

segunda-feira, 1 de março de 2010

Como se forma o ovo

JÁ PENSOU alguma vez em como se forma o ovo? É um processo complicado, bem como ordeiro e fascinante.

O desenvolvimento de um ovo ocorre no ovário e no oviduto. As galinhas possuem apenas um ovário do lado esquerdo. Certas aves selvagens, porém, possuem dois ovários e ovidutos. O ovário da galinha pode ser assemelhado a um cacho de uvas, com os muitos óvulos em vários estágios de desenvolvimento. A maior quantidade de óvulos já encontrados numa galinha foi de 3.065, e o maior número de ovos que uma galinha já botou em sua vida, que o homem tenha observado, segundo se afirmou, foi 1.515 em oito anos.

O processo de produção de ovos da galinha leva cerca de vinte e quatro horas. Em menos de uma hora depois que uma galinha botou um ovo outro vitelo já atingiu seu pleno tamanho, ocasião em que consiste em seis camadas. Nas aves selvagens a sexta camada depende da presença de um macho. Se não houver um macho à disposição, a fêmea não pode produzir seu ovo. As aves domésticas, porém, podem continuar a botar ovos sem mesmo terem visto um galo.

Pode haver algum propósito nisso? Realmente há. A finalidade de as aves selvagens botarem ovos é a reprodução de suas espécies, e, portanto, a presença do macho é necessária para o acasalamento. Mas as galinhas domésticas também botam ovos para consumo humano, e para esse fim não é preciso um macho.

Uma vez a gema esteja plenamente formada ou madura, ela se desprende da haste ovariana e penetra no oviduto, que consiste em diversas seções. Na primeira seção, conhecida como infundíbulo, o ovo é fertilizado se a galinha se acasalou. Sua permanência nesta seção é só de alguns minutos; daí passa para a próxima seção, o magnum. À medida que o ovo atravessa essa seção adiciona-se a albumina, camada em cima de camada, quatro ao todo, processo que leva cerca de quatro horas. A essa altura já chegou também à próxima seção, o istmo, onde se acrescentam duas membranas, uma interna e outra externa, para cobrir as camadas de albumina.

Estas duas últimas membranas são completadas em cerca de uma hora e dez minutos, então o ovo atinge o útero ou a glândula que forma a casca, onde permanece cerca de dezenove horas. Quando as membranas externas e internas são primeiro adicionadas, elas se ajustam direitinho sobre o ovo, mas logo se alargam e assim, no útero, as primeiras cinco horas são consumidas em se encher as membranas com água e minerais, processo denominado “dilatamento” do ovo. Daí, durante as próximas quatorze horas acrescentam-se várias camadas de casca. Depois disso, supre-se a cutícula ou pele, dando ao ovo sua cor característica. O ovo move-se então para a vagina e é expelido pela galinha.

A essa altura é bem provável que pergunte: Quem instruiu a galinha na formação de um ovo? Como sabe por quanto tempo o ovo tem de ficar em cada seção?

Ademais, a produção da casca apresenta um grande desafio à galinha. O sangue de uma galinha poedeira em qualquer tempo contém apenas 25 miligramas de cálcio (as não-poedeiras e os galos possuem apenas cerca de um terço disso), contudo, ao produzir uma casca de ovo, a galinha usa 125 miligramas por hora. Onde, então, obtém este cálcio extra? A fonte original, naturalmente é o alimento que come, sendo que a galinha extrai o cálcio de seus intestinos. Mas, ainda assim não pode absorver cálcio desta fonte tão rápido quanto precisa.

Assim, o que faz? Retira-o das reservas de cálcio encontradas nos ‘ossos medulares’ localizados dentro das cavidades da maioria de seus ossos regulares. Esses ossos secundários não se encontram nos galos ou em galinhas jovens demais ou velhas demais para por ovos. Este sistema é tão eficiente que uma galinha pode mobilizar até 10 por cento do cálcio total em seus ossos em um dia se sua dieta for muito baixa em cálcio. No entanto, se sua dieta continuar baixa, ela não pode manter esse passo e assim primeiro compensa a situação por botar ovos com cascas mais finas. Se persistir uma séria falta de cálcio, a galinha deixa completamente de botar ovos ao invés de botar ovos sem cascas. Quem a ensinou a produzir ossos extras de modo a ter suficiente cálcio para as cascas?

É deveras interessante notar os fatos sobre como se forma o ovo de galinha.

in Despertai de 8/7/1971 p. 15

Provérbio da semana (17:5)

Quem caçoa daquele que tem poucos meios realmente vitupera Aquele que o fez. Quem se alegra com o desastre [de outrem] não ficará impune.

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.