Ocorreu um erro neste dispositivo

Brandus dream list

Mensagens populares

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Palavra da semana ( 8 )

cegarrega |é|
(talvez de cigarra)

s. f.
1. Instrumento que faz um ruído parecido ao fretenir da cigarra.
2. [Figurado]  Pessoa de voz pouco agradável e que fala muito.

sábado, 24 de setembro de 2011

sábado, 17 de setembro de 2011

Pode o riso trazer-lhe benefícios à saúde?





VERIFICA que as pressões diárias da vida fazem com que se torne tenso e sinta dificuldades em descontrair-se? Será que às vezes isso contribui para uma sensação de cansaço e de depressão? Se assim for, o riso talvez lhe seja excelente remédio. Tende a descontrair a pessoa, destarte diminuindo a tensão e melhorando sua disposição.
Sabe-se que as emoções têm efeito pronunciado sobre o corpo. A ira e a raiva, por exemplo, podem concorrer para, ou até mesmo causar, doenças tais como a asma, moléstias da pele, úlceras e problemas digestivos.
Por outro lado, a disposição mental descontraída e jovial, associada ao riso, pode proteger a pessoa dos maus efeitos das emoções prejudiciais. Na verdade, até mesmo as pessoas dadas à raiva e aos temores mórbidos podem rir às vezes, mas seu riso não lhes traz alívio duradouro. Os verdadeiros benefícios advêm às pessoas que mantêm uma disposição alegre, apesar da adversidade.
Há os que crêem que o próprio riso seja proveitoso para o corpo. Não tendo o abdômen quaisquer espaços vazios, o movimento para cima e para baixo do diafragma ao se rir, influi, segundo se diz, nos órgãos internos, da mesma forma que o exercício saudável. Em resultado, funcionam melhor, melhora a circulação e os restos orgânicos são eliminados mais facilmente do corpo. Por isso, o riso pode contribuir para ajudar o corpo a evitar a doença.
O coração é um dos órgãos vitais que se pensa beneficiar-se da massagem obtida do riso. Isto significaria que o riso pode ajudar o coração a realizar sua surpreendente tarefa de bombear sangue através de 160.000 quilômetros de vasos sangüíneos, destarte levando nutrição e oxigênio às células. É significativo que se tem observado que o riso influi na pressão sangüínea. Segundo certo estudo, o riso exuberante, conforme verificado, reduz a alta pressão sangüínea ou aumenta a baixa pressão sangüínea até dez ou mais pontos.
A maior e a mais importante glândula no corpo, o fígado, segundo se crê: é semelhantemente beneficiada pelo riso exuberante. Nos jovens, o fígado se mantém em boa forma pelo exercício em forma de correr, falar e fazer arremessos. À medida que a pessoa fica mais velha, o riso exuberante pode ser uma ajuda neste respeito.
Considerando as muitas funções vitais desempenhadas pelo fígado, podemos avaliar quão valioso o riso pode ser para nós. O fígado remove do sangue certos resíduos e venenos. Transforma certo açúcar do sangue em glicogênio. O glicogênio é então acumulado no fígado e é então liberado como açúcar na ocasião em que é necessário no sangue. O fígado também acumula vitaminas e minerais, e ambos fabricam e estocam proteínas sangüíneas, tais como albumina, globulina e o fibrinogênio. Outra substância fabricada pelo fígado é a bílis. Este fluido ajuda o processo digestivo.
Ter-se verificado que o riso melhora a digestão evidentemente indica que aumenta o fluxo de bílis. Daí, então, a maioria do processo digestivo ocorre no intestino delgado. Assim, o intestino delgado aparentemente também se beneficia da massagem que obtém por meio do riso.
Ainda outro benefício: Diz-se que a massagem do intestino grosso, através do riso, ajuda o intestino grosso a livrar o corpo da matéria fecal.

Conceito Equilibrado

Embora proveitoso, o riso, como declarou o sábio Rei Salomão, tem seu “tempo”. (Ecl. 3:1, 4) Até as boas coisas, quando gozadas em excesso, podem ser prejudiciais. O riso não constitui exceção. Observa a Illustrated Medical and Health Encyclopedia (Enciclopédia Ilustrada de Medicina e Saúde, página 1345): “O riso, então, é semelhante a toda outra função do corpo, um mecanismo que deve ser bastante usado, mas nunca em demasia. O exercício demais ou o uso demasiado de qualquer função do corpo humano não leva ao seu melhor desenvolvimento.”
O riso excessivo pode, às vezes, levar ao vômito. Em especial, no caso de crianças, rir demais pode fazer com que os músculos esfíncter da bexiga e do reto se descontraiam subitamente, com resultados embaraçosos. Alguns médicos até mesmo crêem que rir é perigoso para os que sofrem de doenças cardíacas ou respiratórias superiores.
Naturalmente, tais efeitos físicos adversos do riso são relativamente raros. Há uma razão mais vital para se controlar o riso. Por um lado, o riso deve ser controlado quando é inteiramente inapropriado para a ocasião. O riso impensado pode irritar os ouvidos de outros. Ao invés de revelar ser uma fonte de encorajamento, tal riso tende a desanimar outros.
Há ocasiões em que precisamos formar um conceito sóbrio de nossa vida. Se notarmos que estamos desperdiçando tempo demais com risadas frívolas e não fazemos um bom nome por praticarmos obras excelentes, temos razão de ficar aborrecidos com nós próprios, de ficar tristes com nosso proceder e mudar. Isto tornará melhor o nosso coração.
Para sermos fonte de encorajamento, devemos esforçar-nos de ter intenso afeto pelos outros, regozijando-nos ou entristecendo-nos no tempo e na ocasião apropriados. Altruistamente, devemos regozijar-nos quando o bem sobrevém aos outros e eles ficam borbulhando de alegria. Ao mesmo tempo, devemos estar alertas às oportunidades de confortar aqueles que experimentam a adversidade. Quão inapropriado seria esquecê-los e continuar comportando-nos de forma despreocupada!
Ria quando for apropriado fazê-lo. Mas, o que é ainda mais importante, cultive uma disposição agradável e alegre. Esta, ao invés de rir só por rir, fará com que seja uma fonte de encorajamento para outros e lhe trará benefícios mentais, físicos e emocionais.

in Despertai de 8/7/1972 pp. 3-4

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Provérbio da semana ( 20:5 )


O conselho no coração dum homem é como águas profundas, mas o homem de discernimento é quem o puxará para fora.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

sábado, 10 de setembro de 2011

O saber não ocupa lugar - 329








A bandeira da Romênia é quase idêntica à bandeira do Chade, diferindo apenas no tom de azul.

Descubram as diferenças...

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Lâmpadas vivas sem calor





QUEM jamais imaginaria que o humilde besouro forneceria o modelo do sonho dourado do engenheiro especialista em iluminação? Sim, certos besouros chamados vaga-lumes são lâmpadas vivas, a sua luz não gerando calor. A luz do vaga-lume não é sequer ligeiramente quente ao toque. As lâmpadas elétricas do homem desprendem muito de sua energia em forma de calor, mas as lâmpadas vivas do Criador transformam 100 por cento de sua energia em luz.
Mas, por que estas lâmpadas vivas, tais como o vaga-lume, ligam suas lâmpadas reluzentes? Para que fim servem? Na verdade, os insetos reluzentes intrigam o homem, mas, o verdadeiro fim é encontrar o sexo oposto de sua própria espécie no escuro, habilitando-os a acasalar-se.
O vaga-lume macho da espécie comum na América do Norte voa durante a parte mais quente da noite, acendendo sua luz, usualmente quando está prestes a fazer um percurso de alto e baixo. A cor da luz do vaga-lume é quase que totalmente amarelada; mas, em algumas espécies, é um tanto esverdeada, azulada ou de uma tonalidade alaranjada.
A lâmpada do vaga-lume é alimentada por um composto chamado de luciferin. Quando entra em contato com o oxigênio, um catalizador conhecido como luciferase inicia o processo que produz luz sem calor.
Cada espécie de vaga-lume — há cerca de 2.000 delas — tem seu próprio padrão distintivo de lampejar. Este é tão característico quanto o canto das várias aves. Quando a fêmea vaga-lume vê o reluzir que ela procura, ela envia de volta o piscar de resposta. A fêmea raramente responde à luz de uma espécie diferente da dela. Às vezes, contudo, a fêmea talvez responda uma vez ao lampejo de um macho que é similar ao dela, mas, se a duração do lampejo seguinte não for exatamente certa, ela não está “ligada” e não acende mais.
Quando a fêmea vê o lampejo que procura, mantém sua lâmpada acesa a intervalos corretos, até que o macho a alcance e ocorra o acasalamento.
Nem sempre, contudo, o radio de luz do vaga-lume resulta na propagação da espécie. Há uma fêmea da espécie que é carnívora sedutora. Consegue imitar os lampejos de resposta de muitas fêmeas de outras espécies e atrair os machos até ela, quando então se apodera deles e os come.
Diferente do vaga-lume de lampejo individualizado da América do Norte há os insetos reluzentes do Sudoeste da Ásia e do Sul do Pacífico. Tais vaga-lumes podem alterar o padrão de seus lampejos de forma que lampejem em uníssono. Isto os habilita a iluminar árvores inteiras com a regularidade das luzes de néon.
Foi assim que certo visitante de Mindanao, nas Filipinas, descreveu o que viu: “Havia três árvores quase do tamanho de macieiras e talvez distassem trinta metros, e, toda noite, elas ficavam cheias de vaga-lumes que lampejavam em sincronia, primeiro uma árvore acendia, e daí a outra. Devia haver vários milhares de insetos em cada árvore, todavia, o sincronismo era tão perfeito que raramente ou jamais um único vaga-lume sequer lampejou no tempo errado. . . . Parecia algo tão estranho e produzia um efeito tão belo que achei ser uma das coisas mais notáveis nas Filipinas.
Crê-se que os machos agrupem sua luminosidade a fim de dar às fêmeas um aviso espetacular de suas andanças. Não se sabe como cada vaga-lume consegue harmonizar seu lampejo com o dos machos vizinhos, porém, a maioria deles lampejam juntos, como se ligados por um único interruptor.
Outro mistério apresentado por estas lâmpadas vivas diz respeito ao chamado “bicho de estrada de ferro” da América do Sul. Esta lagarta dum besouro tem cerca de sete e meio centímetros de comprimento e dispõe de equipamento de iluminação incomum. Em sua cabeça há uma grande luz vermelha, um dos raros insetos que produz luz vermelha. Junto a seu corpo há onze pares de luzes branco-esverdeadas. Quando todas as luzes estão acesas, o verme se parece a um trem plenamente iluminado. A luz frontal vermelha do verme é independente, e, assim, poderá acender quando as outras estão reluzindo, ou poderá reluzir de forma vermelha quando as outras luzes estão apagadas.
Qual é o segredo do bicho de estrada de ferro? Tem a mesma espécie de segredo que o vaga-lume. A luz vermelha, porém, é diferente. Como assim? Será que há algum filtro sobre a luz que a faz parecer vermelha? Não, a própria luz é de rico colorido vermelho. Como ela é produzido é uma das coisas que a ciência não entende plenamente.

in Despertai de 22/6/1972 p. 29

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Provérbio da semana ( 20:4 )


Por causa do inverno, o preguiçoso não lavra; vai estar mendigando no tempo da colheita, mas não haverá nada.

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.