Ocorreu um erro neste dispositivo

Brandus dream list

Mensagens populares

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Apanhado com jardim zoológico na bagagem


Um autêntico "jardim zoológico ambulante", composto por crocodilos, tartarugas e camaleões, entre outras espécies animais, foi esta quarta-feira confiscado a um cidadão russo quando este tentava sair com a "mercadoria" do Egipto, noticia a agência espanhola EFE, escreve a Lusa. Fontes do aeroporto internacional do Cairo citadas pela EFE explicaram que, após os detectores do aeroporto terem revelado "algo de estranho" na bagagem do cidadão russo, a polícia inspeccionou a mala e encontrou quatro crocodilos, 19 tartarugas africanas, 114 tartarugas egípcias, 11 lagartos, três camaleões e uma cobra - 152 ao todo. De acordo com as mesmas fontes, a "mercadoria" foi imediatamente confiscada, enquanto que contra o cidadão russo não foi apresentada qualquer queixa formal e lhe foi permitido continuar a sua viagem. Todos os anos as autoridades do Egipto interceptam dezenas de contrabandistas que tentam retirar do país animais selvagens com o objectivo de os vender.

Fonte: Portugal Diario/EstranhomasVerdade.com


É o chamado Zoo portátil!

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Nova versão do pecado original

No início, Eva não queria comer a maçã...
- Come - disse a serpente - e serás como os anjos!
- Não - respondeu Eva.
- Terás o conhecimento do Bem e do Mal - insistiu a víbora.
- Não!
- Serás imortal.
- Não!
- Serás como Deus!
- Não, e não!
A serpente já estava desesperada e não sabia o que fazer para que Eva comesse a maçã. Até que teve uma idéia. Ofereceu-lhe novamente a fruta e disse:
- Não engorda!

O último a rir é o que ri melhor!

A filha de pais separados faz 18 anos e o pai está todo feliz porque vai passar o último cheque da pensão que paga à ex-mulher. Então ele encontra-se com a filha, faz o cheque e pede que ela lhe conte a cara da mãe, ao dizer-lhe que é o último cheque que ela verá da parte dele. A filha entrega o cheque a mãe e volta a casa do pai para lhe dar a resposta.
- Então, qual foi a reação dela? - pergunta ele, todo curioso.
- Ela mandou dizer que você não é o meu pai.

Adolescente islandês agendou reunião com Bush


Jovem fez-se passar pelo presidente do seu país e chegou à fala com a secretária do chefe de Estado norte-americano. Um adolescente islandês diz ter conseguido agendar uma reunião telefónica com o presidente norte-americano, George W. Bush, fazendo-se passar pelo presidente da Islândia, Olafur Ragnar Grimsson. «A minha chamada foi transferidas várias vezes antes de eu ter conseguido chegar à secretária de Bush e ter conseguido agendar uma reunião telefónica», disse à agência Reuters Vifill Atlason, um islandês de 16 anos. O telefonema de Vifill foi feito a 1 de Dezembro. Mas, dois dias depois, na data em que havia agendado o encontro com o chefe de Estado dos EUA a polícia apareceu na sua casa e levou-o para interrogatório. Segundo disse, as autoridades afirmaram ter sido contactadas pela CIA, no sentido de identificarem o proprietário de um número de telefone. Quando questionado sobre a forma como tinha conseguido obter o número da Casa Branca, o jovem disse não se recordar. «Sei que o tinha na memória do telemóvel há pelo menos quatro anos e que o amigo islandês mo deu, mas não me lembro quem», garantiu. Numa conferência de imprensa, a porta-voz de George W. Bush, Dana Perino, disse que o jovem ligou para uma linha pública, para a qual «toda a gente pode ligar».

Fonte: Portugal Diario/EstranhomasVerdade.com


Resta saber qual o assunto que o jovem queria tratar com o Bush...

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Problemas de calçado!

Os insetos resolveram organizar um campeonato de futebol. O time das formigas estava a perder feio para o time das aranhas. O primeiro tempo termina em oito a zero. Na saída para o vestiário o técnico do time das formigas diz:
- O time jogou bem, mas o problema é que faltaram pernas aos nossos jogadores...
No segundo tempo, entra a centopéia no time das formigas, que reage e empata.
- Porque não jogou ela logo no primeiro tempo? - quis saber um repórter.
O técnico, feliz com o empate, responde:
- Porque estava calçando as chuteiras!

Peão preso por "atropelar" carro


Tasos Pouliasis, é grego e vive em Atenas. Num destes dias passou, literalmente, por cima de um carro e amachucou o capot ligeiramente. O veículo estava mal estacionado e não deixava os peões passarem. O dono viu e chamou a polícia. O jovem foi detido juntamente com a namorada. A notícia é avançada pelo site brasileiro da Globo.
«Não consegui passar pelo carro, que estava estacionado no passeio. Fiquei nervoso e simplesmente passei por cima dele. Amachuquei ligeiramente o capot», confessou o jovem à televisão estatal da Grécia.
O dono do veículo estava perto e viu o transeunte passar por cima do carro. Chamou a polícia e tanto o rapaz como a namorada, que o acompanhava, foram detidos e levados para a esquadra.
Tasos Pouliasis acabou por ser multado por danificar propriedade alheia. «Vou a tribunal por danos à propriedade alheia e a polícia nem se deu ao trabalho de passar uma multa ao condutor por ter o carro mal estacionado», reclama o peão.

in Portugal Diário


Inovador,sem dúvida...

Cientistas norte-americanos acreditam que tapete voador é possível...


Cientistas norte-americanos da Universidade de Harvard acreditam que, em teoria, um tapete poderia erguer-se do chão e voar por uma curta distância, tal como os tapetes voadores das histórias de «Mil e Uma Noites». Num artigo publicado na revista científica Physical Review of Letters, a equipa de especialistas diz ter constatado que uma folha de papel do tamanho de uma nota de dinheiro pode manter-se a flutuar no ar se for mantida em movimento de vibração ondulatória de cerca de 10 vezes por segundo. Segundo os cientistas, este mesmo princípio, semelhante ao que rege o movimento sobre as águas de animais marinhos que conseguem manter-se sobre a água por alguns segundos, como arraias, poderia ser aplicado a um tapete.Esse «tapete voador», no entanto, não poderia transportar pessoas, por causa do impacto das vibrações. Para os pesquisadores, o «tapete voador» é possível, mas «as leis do equilíbrio sugerem que (este tapete) vai permanecer na esfera mágica, mítica e virtual».

Diário Digital/EstranhomasVerdade.com


Mas os cientistas não têm nada mais interessante para pesquisar?!?!

Os misteriosos raios cósmicos


OS CIENTISTAS demonstram reverência para com os raios cósmicos. São, sem comparação, as partículas mais poderosas conhecidas pelo homem. Contêm milhões de vezes mais energia do que quaisquer outras partículas que os maiores aceleradores de átomos do homem possam produzir.
Tais raios, conhecidos como raios cósmicos "primários", bombardeiam a atmosfera terrestre dia e noite. Colidem com os átomos que constituem os vários elementos da atmosfera. Tal colisão produz uma chuva explosiva de raios cósmicos "secundários". São estes raios "secundários" que então mergulham velozmente para a superfície da terra.
Os raios cósmicos secundários penetram em tudo, inclusive em quilômetros de rocha, até mesmo em chumbo. Com efeito, agora mesmo, ao ler esta página, os raios cósmicos secundários penetram em cada centímetro quadrado do próprio leitor, na proporção de cerca de dez por minuto!
O que são exatamente os misteriosos raios cósmicos primários? De onde provêm? O que os torna tão poderosos? Que efeito têm sobre o homem?


O Que São os Raios Cósmicos


Por mais de meio século, os cientistas têm perscrutado os mistérios dos raios cósmicos. Em 1912, o falecido Victor F. Hess, físico austríaco, voou sobre a Europa num balão, a altitudes de mais de 4.800 metros. Procurava mais informações sobre a fonte de misteriosa radiação detectada em experiências de laboratório. Baseado em medidas tomadas no vôo, disse:
"Os resultados de minhas observações são melhor explicados pela suposição de que a radiação de grande poder penetrativo entra em nossa atmosfera proveniente de cima."
Em 1925, o físico estadunidense, Robert A. Millikan, denominou a radiação de "raios cósmicos", porque se originavam no "cosmos" ou universo. Nas décadas desde então, a natureza dos raios cósmicos tem sido mui razoavelmente determinada.
Descobriu-se que a maioria dos raios cósmicos primários são núcleos de átomos. Trata-se de átomos que foram despojados de seus elétrons orbitantes. Sem comparação, os mais abundantes são os de hidrogênio, o elemento mais leve conhecido ao homem. Seus núcleos contêm apenas um próton. Assim, a grande maioria dos raios cósmicos primários, cerca de 90 por cento, são prótons de hidrogênio.
Cerca de 9 por cento dos raios cósmicos primários são os núcleos do seguinte elemento mais leve, o hélio. O restante 1 por cento são núcleos de átomos mais pesados. Quanto mais pesado for o núcleo, tanto mais raramente se encontram em forma de raios cósmicos.
Não obstante, grande parte do espaço no universo contém enormes nuvens de hidrogênio, compostas dos núcleos de átomos de hidrogênio. São raios cósmicos todas estas partículas?
Não, pois a fim de ser classificada como raio cósmico primário, uma partícula precisa ser acelerada a grandíssima velocidade e energia. As nuvens de gás de hidrogênio no universo não possuem tal velocidade e energia. Talvez ilustremos isso por pensar em uma barra de ferro pousada no solo. Tem energia potencial, mas precisa ser posta em movimento. Se apanhar essa barra de ferro e bater em algo com ela, então tem grande poder, até mesmo de rebentar o objeto contra o qual bateu. Os núcleos de hidrogênio nas nuvens de gás podem ser comparados a isso. Têm o potencial para se tornar raios cósmicos primários, mas não se tornam tais a menos que sejam acelerados a altíssimas velocidades, que estariam bem próximas da velocidade da luz, de 300.000 quilômetros por segundo!
Será que há um mínimo de energia que certa partícula tem de ter para ser classificada como raio cósmico? Escrevendo em Scientific American, de fevereiro de 1969, V. G. Ginzburg, professor do Instituto de Física e Técnica em Moscou, declarou:
"Embora não haja acordo universal quanto à energia cinética mínima que uma partícula tem de ter para ser chamada de raio cósmico, eu estabelecerei arbitrariamente que tal mínimo deve ser de 100 milhões de eléctron-volts."
Calcula-se que o raio cósmico médio tem energia de cerca de 10 bilhões de eléctron-volts (10 Bev). Alguns sugerem energia muito mais elevada, chegando até a um quintilhão de eléctron-volts (1.000.000.000 Bev). E alguns têm deixado registrados que eram de vinte a quarenta vezes mais poderosos do que isso! Quão poderoso é tudo isto? Tenha presente que o aparelho médio doméstico opera apenas com 120 volts!


De Onde Vêm?


Durante anos, a origem dos raios cósmicos primários era questão disputada. Ainda é.
Alguns achavam que provinham do sol. Outros criam que provinham de explosões de estrelas (supernovas) em nossa galáxia da Via Láctea. Ainda outros diziam que alguns se originavam em outras galáxias. Sugeriu-se também que a radiação cósmica talvez tivesse ficado da explosão de uma bola de fogo original que deu origem ao universo.
Em princípios da década de 1940, observou-se que o nosso sol produzia raios cósmicos relativamente "brandos" durante as protuberâncias solares. As protuberâncias solares resultam das manchas solares, que podem ser assemelhadas a "tempestades" magnéticas e elétricas na face do sol. Durante estas protuberâncias solares, enormes quantidades de partículas, principalmente núcleos de hidrogênio, são lançadas no espaço. Algumas destas partículas atingem a velocidade e a energia que as colocam na categoria de raios cósmicos primários.
Não obstante, isto não resolveu o problema. Por que não? Porque, até mesmo quando não havia protuberâncias solares, ainda havia intensa radiação cósmica que atingia a terra.
Por isso, chegaram-se às seguintes conclusões: (1) As protuberâncias solares são muito infreqüentes para constituírem a fonte de tal bombardeio constante de raios cósmicos; (2) muitas protuberâncias solares produzem raios cósmicos com energias muito inferiores às que são normalmente encontradas; (3) a reação química de uma barragem solar de raios cósmicos é diferente, visto que o hélio está quase que completamente ausente, ao passo que cerca de 9 por cento dos outros raios cósmicos se compõem de hélio. E, por fim, (4) os raios cósmicos de energia muito elevada atingem a atmosfera da terra, provenientes de todas as direções, e não apenas da direção do sol.
Por tais razões, concluiu-se que o sol contribui não mais do que pequena parte do bombardeio total de radiação cósmica sobre a atmosfera terrestre. Mas, então, de onde provém estes outros raios cósmicos mais poderosos? Embora não se saiba definitivamente, alguns acham que a maioria deles se origina no seio de nossa própria galáxia, a Via Láctea. Muitos cientistas acham que as fontes são estrelas "em explosão", chamadas supernovas. Pensa-se que estas lançam os núcleos dos elementos, principalmente hidrogênio, no espaço sideral.
Não obstante, há cientistas que acham que os núcleos mais pesados de alguns raios cósmicos são tão poderosos que poderiam ter escapado de outras galáxias e chegado à nossa, assim, a fonte estaria fora de nossa Via Láctea. Daí, conforme observado anteriormente, alguns sustentam que nossa galáxia talvez esteja saturada de raios cósmicos em resultado da explosão da bola de fogo original que se expandiu para se tornar o inteiro universo.
Seja qual for sua origem, pensa-se que tais partículas percorrem uma trilha reta através do espaço interestelar até que sejam desviadas por vários campos magnéticos, tais como os das nuvens gasosas. Ao percorrerem a galáxia, talvez sejam desviadas muitas vezes, até que percorram uma trilha completamente diferente, e a uma velocidade completamente diferente do que quando começaram. Isto é fornecido como a razão pela qual os raios cósmicos do espaço sideral atingem a terra provenientes de todas as direções.


O Que os Torna Tão Poderosos?


Uma coisa é certa, porém. Os raios cósmicos primários que se originam fora de nosso sistema solar são extremamente poderosos. Atingem a atmosfera da terra com força quase incrível. Como é que chegaram a adquirir tal força?
Alguns cientistas acham que adquirem sua força ao serem inicialmente lançados como jatos de partículas das supernovas, ou estrelas em explosão. Mas, outros acham que os raios cósmicos atingem suas velocidades e obtêm sua força de outra forma.
Através do espaço interstelar há campos magnéticos e enormes nuvens magnéticas de gás. Algumas partículas acontecem cair nestes campos magnéticos e nuvens magnéticas de gás, ou próximas deles exatamente no ângulo certo. Se permanecerem na direção correta por tempo suficiente, são projetadas a maiores velocidades, ganhando maior energia. Em seu percurso através da galáxia, tais partículas entram em contato com ainda outros campos e nuvens magnéticas e recebem ainda maior impulso.
Poderemos comparar isto a uma pessoa que chuta uma bola. Começando a rolar vagarosamente, imagine que passe por outra pessoa que também dê outro chute nela, de modo que a bola role mais rápido. Repita-se isto até que a bola atinja a velocidade máxima. De forma um tanto similar, à medida que os núcleos dos átomos percorrem o espaço, alguns são captados na forma exata pelos vários campos magnéticos no espaço e são impulsionados cada vez mais rapidamente até que sua velocidade se aproxime à da luz. Agora contêm tremenda energia. Tornaram-se raios cósmicos. Pelo menos, este é o processo que alguns cientistas favorecem como sendo a resposta.


Raios Cósmicos Secundários


Conforme observado antes, os raios cósmicos que se originam fora do sistema solar, e também os do sol, são chamados de raios cósmicos primários. Nenhum destes realmente atinge direto a terra. Com efeito, muitos que se dirigem para a terra jamais a atingem, ao serem desviados pelo campo magnético da terra.
As partículas primárias que não são desviadas, viajando quase à velocidade da luz, só chegam até à atmosfera superior da terra. Ali, colidem com átomos de ar, tais como de oxigênio e nitrogênio.
Quando ocorre tal colisão, começa uma reação em cadeia. O raio cósmico primário, usualmente um próton de hidrogênio, despedaça o átomo de ar com que se choca. Isto produz uma chuva de partículas atômicas. Estas, por sua vez, continuam a chocar-se com outros átomos e partículas. Um raio cósmico primário que se lance sobre um átomo de ar produz assim, talvez, uma chuva de milhões ou até mesmo bilhões de outras partículas de alta velocidade, poderosos raios cósmicos secundários.
Uma de tais chuvas de raios cósmicos secundários registrada pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts produziu cerca de dez bilhões de partículas de raios cósmicos secundários! O raio primário que deu início à chuva, segundo se disse, deveria ter uma energia entre vinte e quarenta quintilhões de eléctron-volts (20 a 40.000.000.000 Bev), fantástica demonstração de energia! Naquele tempo, isto era mais do que 500 milhões de vezes a energia produzida pelo desintegrador atômico mais poderoso do mundo. Esta gigantesca chuva de raios cósmicos secundários ocorreu, segundo os cientistas, em dez milionésimos de um segundo!
Assim, a constante chuva de raios cósmicos que atinge a terra se compõe destas partículas secundárias, prole dos raios cósmicos primários que chegam. São estas partículas secundárias que penetram quilômetros de rocha maciça. E, ao passo que a matéria altamente condensada, conhecida como chumbo, pode parar a maioria dos outros tipos de radiações, não pode parar a penetração destes raios cósmicos secundários.
Todavia, a energia total da radiação que realmente atinge a terra é apenas uma fração da que chega, pois até mesmo grande parte da radiação secundária é absorvida pela atmosfera inferior.


Que Efeito Sobre o Homem?


Não obstante, a cada minuto de toda hora, vinte e quatro horas por dia, uma chuva de raios cósmicos secundários o atravessa e tudo o mais que há na terra. Que efeito tem isto sobre o homem?
Os cientistas não têm resposta definitiva para esta pergunta. No entanto, visto que os raios cósmicos são uma forma de radiação, tem-se sugerido que poderiam causar mudanças na hereditariedade. Deveras, suficiente de tal radiação poderia não só causar dano às células vivas, mas matar também a pessoa. Entretanto, não há tanta dessa radiação cósmica letal que atinja agora a terra.
Demasiada exposição à radiação cósmica causa dano ao tecido vivo. Assim, os cientistas se preocupam quando os astronautas, em vôos para a lua, deixam a atmosfera protetora da terra. Enfrentam direta exposição, não apenas aos raios cósmicos secundários, mas aos mais poderosos raios cósmicos primários. Um vôo de alguns dias talvez não produza efeitos prejudiciais observáveis. Mas, um vôo de semanas poderia ser diferente. Qualquer revestimento protetor em sua espaçonave talvez não fosse completamente eficaz. Os fortes raios cósmicos primários que atingem os átomos da cobertura protetora lançariam chuvas de raios cósmicos secundários que facilmente penetrariam nos astronautas.
Além disso, um grande perigo na viagem espacial reside nas chuvas de raios cósmicos que se originam das protuberâncias solares. Estes estão além da habilidade de predição dos cientistas. Assim, se os astronautas estiverem fora da atmosfera e do campo magnético da terra, quando ocorrer uma súbita e gigantesca protuberância solar, poderiam ver-se engolfados durante dias numa enorme chuva de raios cósmicos.


Atemorizantes


O campo magnético da terra desvia muitos dos raios cósmicos primários de modo que nem sequer atingem a atmosfera da terra. Mas, os cientistas expressam grande preocupação quando pensam no que aconteceria à vida na terra se o campo magnético não existisse.
Há qualquer perigo de o campo magnético da terra não agir como almofada, como protetor? Sim. Reconhecem em geral os cientistas que o campo magnético da terra se tem invertido muitas vezes, enfraquecendo-se temporariamente nesse processo. Diz-se que o campo magnético até mesmo ficou completamente desligado no passado! E muitos cientistas acham que uma inversão do campo magnético está ocorrendo agora.
O que aconteceria se o campo magnético da terra se enfraquecesse consideravelmente no processo de uma inversão, ou se ficasse completamente desligado, até mesmo que por curto tempo? Os raios cósmicos primários que agora são desviados pelo campo magnético da terra atingiriam diretamente a nossa atmosfera. Ali haveria enorme acréscimo da radiação cósmica que atinge a terra.
Quanto mais ampla for a dose de raios cósmicos, tanto mais prejudicial seriam os seus efeitos. Na grande exposição, haveria efeitos bem observáveis sobre o sistema nervoso central e sobre os olhos. A hiperexcitabilidade, nos últimos estágios semelhante aos ataques epilépticos, períodos de estupor e incoerência, viriam em primeiro lugar. A morte se seguiria dentro de poucos dias.
Com menor radiação, embora ainda letal, os efeitos variariam. Em geral, haveria perda de apetite, náuseas, vômitos, seguidos de prostração, diarréia aquosa e sangrenta. Seguir-se-ia a febre alta. Os tecidos que formam o sangue seriam afetados, e, em questão de dias, a contagem dos glóbulos brancos decresceria drasticamente. Em resultado, o sangue perderia suas defesas naturais contra a infecção. A inflamação da parede intestinal se seguiria, junto com a inflamação de outras membranas mucosas do corpo. O sangue perderia sua habilidade de coagular, e hemorragias espontâneas, externas e internas, resultariam. O corpo começaria a perder os pêlos. Por fim, viria o delírio ou a coma, e daí, a morte.
Não haveria lugar de escape destas chuvas altamente incrementadas e penetrantes de raios cósmicos, se tal enfraquecimento do campo magnético da terra ocorresse. Nem mesmo a própria terra poderia fornecer um abrigo, visto que estas partículas penetrariam por quilômetros terra adentro.


8/3/70-16

Provérbio da semana (12:27)

A indolência não espantará os animais de caça para a pessoa, mas o diligente é a abastança preciosa do homem.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Japão prepara tropas para reagir a OVNIS


O ministro da Defesa japonês afirmou hoje que a existência de OVNIS é plausível e que as tropas do país devem estar preparadas para reagir caso apareçam discos voadores. Há dois dias o número dois do Governo já havia defendido a mesma ideia.«Nada nos permite negar a existência de objectos voadores não identificados (OVNIS) nem de uma forma de vida que os controle», declarou Shigeru Ishiba à imprensa, sublinhando que falava a título pessoal. O ministro declarou que queria estudar como é que as Forças de Autodefesa do país podem reagir caso apareçam discos voadores. Devido à Constituição pacifista do Japão, as suas tropas só estão habilitadas a intervir no estrangeiro em operações em que um país seja invadido por outro. «Nos filmes Godzilla, as Forças de Autodefesa estão mobilizadas», afirmou, expressando a sua surpresa pelo facto de já existir uma «estrutura legal» em caso de invasão extraterrestre. Estes comentários do ministro surgem dois dias depois das surpreendentes palavras do número dois e porta-voz do Governo, Nobutaka Machimura, que disse estar «completamente convencido» da existência de OVNIS. Machimura contradizia, «a título pessoal» uma resolução oficial do Conselho de Ministros que não «confirmava a existência de OVNIS», como resposta a uma pergunta de um senador.

SOL com agências/EstranhomasVerdade.com

Acho que sim, é importante as tropas estarem preparadas para os OVNIS...

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

O saber não ocupa lugar - 133




Uma pessoa que pesa 70 quilos na Terra pesaria 2 toneladas no Sol.






Acho que uma pessoa em cinzas não pesaria 2 toneladas...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Respeitem os sinais...ou não!

Um agente da brigada de trânsito está a proceder ao controle de trânsito na EN 10 próximo de Setúbal, quando avistou um veículo a circular a uma velocidade baixíssima. Resolve então dar-lhe ordem para encostar pois considera que andar demasiado devagar é tão perigoso quanto andar a alta velocidade. Para sua surpresa estão no carro 5 velhinhas. O agente diz para a condutora:
- Minha Senhora, sabia que andar demasiado devagar é também muito perigoso e pode provocar um acidente?
- Mas Sr. Agente, eu estava exactamente no limite de velocidade ... não ultrapassei os 10 Km/h. - Não minha Senhora, o limite é de 90 Km/h.
- Mas Sr. Agente repare na placa, ela indica 10 quilómetros por hora.
- Minha Senhora aquela placa não indica o limite de velocidade, indica o nº da estrada, a senhora está a circular na Estrada Nacional nº 10.
- Caramba, eu pensei que era o limite de velocidade.
- Se a Senhora prometer que vai estudar melhor os sinais eu permito-lhe que prossiga a sua viagem. Mas antes permita-me que lhe pergunte algo ...
- Diga Sr. Agente.
- Porque é que as suas companheiras de viagem têm um ar tão assustado?
- Ah, em poucos minutos elas estarão melhor. Há pouco, vínhamos na Estrada Nacional 252...

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Como provocar o vizinho...com estilo!


Porteiro suspenso por ter mau hálito


O porteiro de um prédio de Manhattan, em Nova Iorque, foi suspenso por ter mau hálito. Jonah Seeman, há 40 anos no posto, foi traído por gostar de comer alho. Ainda assim, o «mau cheiro» não impede os moradores de saírem em sua defesa. Conta a agência Associated Press (AP) que, foi pedido a Jonah Seeman, porteiro de um edifício na East 89th Street há 40 anos, que não fosse trabalhar na sexta-feira devido à halitose. Jonah Seeman alega que já deixou de comer alho, começou a bochechar elixires diariamente e a comer rebuçados de mentol durante o horário de trabalho. Segundo a AP, o porteiro já tinha sido suspenso duas vezes este ano por causa do mesmo problema, um dia em Maio e outro em Julho. Os moradores do prédio ficaram bastante surpreendidos com a suspensão do porteiro e saíram em sua defesa. «O trabalho dele, que é abrir a porta e não a boca, ele faz bem», disse à AP um dos moradores, Adam Reingold. A agência de notícias tentou contactar os responsáveis pela empresa que administra o prédio, mas não conseguiu obter qualquer resposta quanto ao caso.

Fonte: Portugal Diario/EstranhomasVerdade.com


Quando se trabalha não se fala!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

E umas bolsinhas, não?


Membros do Município de Maricopa, estabeleceram um novo tipo de recluso condenado a trabalhos forçados em Phoenix. Os homens condenados por conduzirem embriagados terão de usar camisolas rosa luminosas e executarão os enterros das pessoas que morram devido ao abuso de álcool. Estes prisioneiros constituem um novo tipo de recluso na cadeia de Phoenix. O porta-voz disse que são os primeiros a serem associados a um determinado tipo de crime.


in EstranhomasVerdade.com


E uns chinelos rosa, a condizer...




Zimbabwe — enigma da Rodésia


NO CORAÇÃO da grande estepe rodésia, não muito longe da região sudeste do Forte Vitória, o viajante encontrará as ruínas de uma grande cidade-fortaleza, seus restos se espalhando por ampla área. Muito surpreendente é o complexo de vastas estruturas que ocupam o centro da área, muitas das quais ainda estão de pé. Quem as construiu? Ora, numa terra usualmente associada com choupanas, eram necessárias? E quando foi que isto ocorreu? Estas são as perguntas que passam pela mente à medida que a pessoa se coloca no meio destas antigas ruínas e contempla o círculo distante de montanhas azul-enevoadas.
Zimbabwe — pois este é o nome destas ruínas — tem constituído um enigma por longo tempo. Os antigos viajantes relataram a sua existência há diversos séculos — naquele tempo relacionando a localização com a terra de Ofir, da qual Salomão obteve suas reservas de ouro. Daí, por longo tempo, Zimbabwe de novo ficou perdida. Ninguém conhecia a sua localização. Muitos duvidavam da sua existência. Mas, em 1868, um caçador de marfim deu de encontro com o local. Imagine sua surpresa ao descobrir tais evidências de uma cidade antiga no meio do mato! Deve ter sido como um sonho.
Não resta muito mato por aqui agora. Com efeito, há acomodações para turistas e toda oportunidade de se examinar o local despreocupadamente. Não gostaria de fazer exatamente isso? Podemos anteceder a excursão com informações de que Zimbabwe, pronuncia-se Zim - bá - ue, tem, segundo se pensa, o significado de "a casa do chefe".


Uma Maravilha Após Outra


Primeiro, ao nos aproximarmos do Grande Recinto ou Templo, confrontamos uma parede tão alta que se assemelha a uma simples rocha escarpada. Tem cerca de nove metros e meio de altura, quatro metros e meio de grossura na base e chega quase a três metros no pico, e envolve completamente o Recinto. Ao nos aproximarmos, notamos que é construída de pedra de granito, cortada e modelada de tal modo que torna o betume desnecessário. Em fila indiana, passamos por uma das entradas estreitas até o interior, e literalmente arquejamos ao ver as extensivas ruínas, ocultando tênuemente um sistema de recintos, plataformas, passagens e colunas.
Neste ponto, achamo-nos no que é chamado de Recinto da Plataforma, e podemos dentro em breve ver os restos da plataforma erguida, de onde derivou o nome. Atravessando o recinto em direção à plataforma, entramos numa área mais ou menos triangular por trás dela, conhecido como o Recinto Sagrado. Ali, no meio, ergue-se sólida pedra cônica com cimo achatado, tendo mais de cinco metros de diâmetro na base, e diminuindo magistralmente aos poucos. Perto se ergue um segundo cone truncado menor. Tem-se sugerido que estes juntos representam os símbolos masculino e feminino da adoração fálica.
À medida que o Recinto Sagrado se afina em direção ao nordeste, entramos a seguir por uma longa e estreita passagem, com mais de 60 metros de comprimento, e, em certos lugares, apenas o suficientemente larga para avançar uma fila indiana. Olhando-se para cima, para o céu azul que emoldura a pequena abertura entre estas paredes altaneiras, não se pode deixar de admirar quem foram os construtores. A pergunta também ocorre: Será que os antigos sacerdotes usavam certa vez esta passagem particular que levava do Recinto Sagrado à entrada norte do Recinto do Templo?
Voltando de novo ao céu aberto, fora da elevada muralha exterior, pausamos para admirar a interessante moldura em ziguezague que corre ao longo da parede perto de seu topo. Um ônibus nos leva agora para ainda outra modalidade de Zimbabwe, A Acrópole, uma colina escarpada em cujos lados podemos observar seções de uma muralha de pedra que se apega à fachada a cerca de 76 metros acima de nós. Começamos a subir e não demora muito até que achamos que os degraus cortados na colina tornam mais fácil a subida. Mas, estes se tornam cada vez mais estreitos e íngremes ao subirmos. Quão considerada foi a direção do parque em suprir estes bancos para se descansar!
Lá vamos nós, subindo cada vez mais, e a subida fica cada vez mais íngreme, até que chegamos ao que se parece uma rachadura na face da rocha. Resulta ser uma passagem estreita entre duas gigantescas pedras arredondadas, que só permitem que se passe apertadamente entre elas — e subitamente lá se está. Sim, emergimos da passagem apertada em um platô, com maravilhosa vista da região por quilômetros ao redor. Voltadas para dentro, em direção ao centro da colina, muralhas de pedra se erguem de novo diante de nós, a mais de sete metros e meio de altura. Há uma pequena passagem coberta, tão baixa que precisamos agachar-nos para passar por ela, e aqui, estamos, no meio do que resta desta fortaleza na colina. A pergunta incomodativa é: Quem a construiu?
Aqui há eiras de nível dividido, muralhas divisórias de pedra, passagens serpenteantes, e, à nossa esquerda, uma área circunscrita. Há muitas evidências de alterações e de reconstruções inferiores. Torna-se claro que mais de um povo viveu aqui. No fim de uma longa passagem, saímos no Recinto Ocidental. Daqui se tem uma grandiosa visão do vale lá embaixo, e do inteiro Recinto do Templo que visitamos antes. Degraus escarpados descem daqui. Mas, nós iremos para o Recinto Oriental, pois diz-se que este era o ponto focal de todas as cerimônias religiosas dos habitantes antigos de Zimbabwe.


Especulações


Entre aqueles que têm investigado Zimbabwe há ampla divergência de opinião quanto à sua idade e seu uso, tanto assim que tudo ainda constitui um enigma. Há aqueles que afirmam que o inteiro complexo não tem mais de 500-800 anos de idade, e que foi construído por um povo natural da África Central. Outros, como vimos, propõem uma história muito mais antiga, ligando-o com Salomão e até mesmo com os fenícios. Apontam para a similaridade destas construções com as dos cartagineses. Afirmam que nenhuma tribo primitiva poderia ter imaginado o método de aquecimento das rochas graníticas, derramando-se água fria sobre elas de modo que pudessem rachar-se em pedras finas com que foi construída esta cidade-fortaleza.
Os proponentes da teoria "antiga" apontam para as evidências de que os construtores originais deveriam estar a par da engenharia militar e defensiva. De que outra forma poderiam ter sido concebidas as maciças trincheiras, galerias transversais, paredes ocultadoras, passagens intrincadas e entradas ocultas, artérias escavadas e parapeitos? O fato de que a área circunvizinha era e ainda é uma região da mineração do ouro é bastante sugestiva. Os depósitos de ouro minerado e a preparação de despachos para a costa por certo exigiam a proteção duma fortaleza tal como Zimbabwe.
Nos primeiros tempos, a descoberta de aves curiosas esculpidas em pedra esteatita nas ruínas da Acrópole emprestaram colorido à idéia de que o gavião sagrado do Egito, também utilizado pelos adoradores das estrelas e do sol no Oriente, era reverenciado pelos construtores de Zimbabwe. Considerável número de representações dos órgãos reprodutivos também foram descobertos entre estas ruínas. Por certo, há indícios aqui de algo bem diferente da crua adoração da natureza das tribos da África Central. Ainda assim, a inteira questão assombra os investigadores.
Velhos cadinhos para a fundição do ouro têm sido encontrados entre estas ruínas. Os mineiros modernos desta área relatam que têm encontrado implementos primitivos nos velhos túneis de minas, e crêem que aqueles mineiros primitivos, por falta de equipamento de bombear, simplesmente tiveram de abandonar as minas sempre que ocorria uma enchente.
Não se deve desperceber a possibilidade de que, nos tempos primitivos, vários homens de uma civilização mais adiantada vieram para esta área e conseguiram, por algum tempo, exercer domínio sobre algumas tribos locais, pondo-as a trabalhar na edificação desta fortaleza e de suas habitações circunvizinhas como centro seguro para o acúmulo do ouro e sua exportação.
Voltando de novo para a interessante moldura em ziguezague que rodeia o topo da muralha oriental do Recinto do Templo — é notável que se estende apenas por cerca de 80 metros, ou para aquela parte da muralha que recebe os raios do sol nascente durante o solstício do verão. Coincidência? Pelo menos, é bem conhecido nos círculos arqueológicos que a moldura em ziguezague ocorre com freqüência — nos monumentos egípcios, ou em moedas fenícias, bem como entre muitos povos africanos atuais. Sabe-se que é um hieróglifo para água, e símbolo de fertilidade.
Que Zimbabwe era certa vez um centro próspero e populoso se observa do fato que se pode encontrar antigas ruínas de pedra não só por todo o inteiro vale, mas também num raio de diversos quilômetros. É difícil determinar-se agora se estas representam postos avançados da fortaleza principal ou dormitórios para a guarnição ou para os mineiros. Uma solução completamente satisfatória para a pergunta inteira continua a escapar de nós.


Um Lugar Para Quieta Meditação


Nestes dias de tumulto e pressa, eis aqui um local para quieta meditação. Acima da Acrópole, o único som a ser ouvido é o ligeiro sussurro do vento nas árvores adiante. Não há ninguém para interromper, à medida que se contempla a estepe, interrompida aqui e acolá por uma colina ou outeiro de granito. Mimosas, acácias, glicínias, todas têm suas representantes aqui. E abundam as flores silvestres.
Mas, agora, o sol se põe rapidamente. Nesta latitude, a escuridão chega rapidamente. É tempo de partirmos, dirigindo-nos de novo para o Forte Vitória pela estrada em que viemos. Mas, não será logo que esqueceremos este local estranho, com suas numerosas deixas atordoantes, sua imensidão, a quietude e paz que agora a envolvem. Se as pedras pudessem falar, que estória poderiam contar-nos! Mas, temos de partir de Zimbabwe, o enigma da Rodésia.


22/2/70-24

Provérbio da semana (12:26)

O justo espia o seu próprio pasto, mas o próprio caminho dos iníquos os faz vaguear.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Funerária faz calendário com mulheres seminuas



Imagens mostram belas mulheres em volta dos caixões, uma nova estratégia de marketing.


Uma empresa italiana resolveu inovar na estratégia de marketing de seu calendário. Anuncia os seus produtos fúnebres ao lado de belas mulheres seminuas, noticiou a G1. O calendário mostra em cada mês uma mulher perto de um modelo diferente de caixão, que pode ser encomendado na loja da Cofanifunebri.com, em Roma. O dono da empresa, Maurizio Matteucci, explica que o calendário, que custa 7 euros, «é uma boa jogada de marketing». «Caixões são uma mercadoria como outra qualquer, portanto eu vendo-as assim. E os calendários são populares».


Fonte: Portugal Diario/EstranhomasVerdade.com




Uma forma mais "atractiva" de ver a morte!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Um novo nome para o adultério

- Bom, vamos com calma. Porque é que o senhor quer o divórcio?
- A minha mulher é uma preguiçosa e é uma péssima dona de casa, e eu estou farto de chegar a casa e de ver a nossa cama cheia de parasitas.
- Bom, não me parece ser motivo suficiente para o divórcio. E o que me diz a senhora?
- Sr. Dr. Juiz, o meu marido é um ordinário. Não ouviu o que ele chamou aos meus amigos?

Schumacher vira taxista para não perder avião



Michael Schumacher assumiu recentemente o volante de um táxi a fim de poder chegar a tempo ao aeroporto para um voo. A notícia foi publicada esta terça-feira pela imprensa alemã e já confirmada pela porta-voz do antigo campeão do mundo de Fórmula 1.O taxista, Tuncer Yilmaz, foi entrevistado esta terça-feira pelo jornal Munique Abendzeitung e revelou que «Schumi» perguntou-lhe se podia conduzir o carro. «Fiquei sentado ao lado dele. Ele foi impressionante, fez ultrapassagens incríveis e curvas a grande velocidade», acrescentou o indivíduo. No veículo estavam ainda a mulher e os dois filhos do antigo piloto.Sabine Kehm, porta-voz de Schumacher, confirmou a história à agência de notícias SID. O actual consultor da Ferrari viajou para o centro do país para comprar um cão.


in maisfutebol.iol.pt/EstranhomasVerdade.com




O que um cão obriga as pessoas ( neste caso, o Schumacher ) a fazer!!!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Mickey e Cª vão ao tribunal



Um tribunal convocou os personagens Piu-Piu, Mickey Mouse, Pato Donald e a sua namorada Margarida para testemunharem num caso de pirataria em Nápoles, Itália. Este erro resultou de uma falha do tribunal que incluiu as partes prejudicadas no julgamento de um chinês acusado de piratear as imagens da Disney e da Warner Bros em autocolantes de brinquedos. A intimação às personagens de desenhos animados foi entregue num escritório da Disney em Itália.


in destak/EstranhomasVerdade.com




Vai ser uma "animação" naquele tribunal!!!

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Livro encadernado com pele humana!






Um livro encadernado com pele humana, datado do início do século XV, foi vendido por 5 mil libras num leilão na Inglaterra. A pele terá pertencido a um jovem padre jesuita que foi decapitadoA pele que encaderna o livro terá pertencido ao padre jesuíta Henry Garnet, que foi decapitado em 1606 pela sua alegada participação na «conspiração da pólvora».A conspiração era na verdade um plano elaborado pelo católico Guy Fawkes que tentava explodir o parlamento inglês e destruir o rei protestante, James I.O volume é ainda mais sinistro quando se lê o título - «Um Verdadeiro e Perfeito Relatório do Processo Contra o Falecido Bárbaro Traidor, Garnet, um Jesuíta, e os Seus Cúmplices». Na capa, parece visível o rosto de homem, cuja lenda afirma ser o próprio Garnet.Sid Wilkinson, responsável pela casa de leilões onde se realizou a venda, afirmou que a prática de encadernar livros em pele humana era bastante comum até ao século XIX.Sobre a imagem na capa, comentou: «Diz-se que parece muito com Henry Garnet, que tinha olhos muito grandes. E é um pouco assustador. A imagem não parece ter sido produzida e poderia tratar-se de um enrugamento casual devido ao tempo».Embora tenha sempre alegado a própria inocência, Garnet conhecia alguns dos conspiradores e sabia do seu plano através de um outro padre, que lho teria relatado durante uma confissão.Foi a sua determinação em manter o segredo que lhe custou a vida: o jesuíta foi decapitado em Maio de 1606 e desde então o seu rosto parece revelar-se por toda parte, qual espectro.Segundo o que Wilkinson relatou à BBC, de facto as lendas narram que a imagem do jesuíta teria aparecido em diversos lugares, inclusive palha recolhida do cesto onde a cabeça do homem foi depositada após a execução.



SOL com agências/EstranhomasVerdade.com






É a hora do macabro!!!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Essas incomodativas cracas



HÁ UMA criaturinha que só mede cerca de um centímetro de diâmetro ao nadar como larva, mas que custa aos proprietários de navios e de embarcações centenas de milhões de cruzeiros cada ano. Este é o triste histórico da humilde craca.
Num período de seis a oito meses, estas criaturinhas podem aumentar o peso dum navio em mais de cem toneladas e fazer com que gaste 50 por cento mais combustível. Como fazem isso? Pelos simples números.
A larva da craca nada pelo oceano até que atinge a idade adulta, ocasião em que procura uma superfície firme à qual aderir. Quando encontra o casco dum navio, uma rocha, uma estaca dum cais, uma tartaruga ou até mesmo uma baleia, aderirá a essa superfície por meio duma substância aglutinante que fixa a craca permanentemente no lugar. Passa então por uma metamorfose, atingindo a idade adulta e forma uma concha dura que também fica seguramente fixa.
A concha é semelhante a uma caixinha com tampa que pode ser fechada para sua proteção. Quando se abre, a craca estende apêndices que nem penas com os quais traga diminutas criaturas marinhas qual alimento. Se acontecer estar sobre uma rocha que fique exposta quando a maré baixa, fechará a tampa de sua caixa e esperará a subida de novo da maré.
Um zoólogo britânico calculou que as cracas da Ilha de Man produzem 1.000.000.000.000 de filhotes todo ano para cada oitocentos metros de litoral. Mas, nem todos continuam vivos de modo a se tornarem cracas maduras. Apenas cerca de 1 a 10 por cento dos ovos lançados na água e que dão larvas conseguem produzir cracas adultas.
O que as torna tão amolantes para o navio é que se fixam no casco em uma massa continuamente crescente, à medida que novas cracas se fixam em cima das mais antigas. No espaço de seis a oito meses, um navio pode ficar com uma camada delas que tenha de cinco a sete e meio centímetros de espessura. Porque impedem que a água deslize suavemente pelo casco da embarcação, é preciso mais energia para mover o navio, e isso significa maior consumo de combustível. Um navio grande já consome enormes quantidades de combustível numa operação normal, mas as cracas podem aumentar grandemente seus custos operacionais.
Uma vez se tenham fixado no casco de um navio, não é muito simples arrancá-las de lá. Em alguns casos, acham-se tão firmemente apegadas que será necessário usar um martelo de perfuração. Visto que não se pode fazer isto com o navio na água, tem de ser colocado em dique seco. Depois de se raspar por completo o seu casco, tem de ser repintado. Este processo, além do dinheiro que o navio perde por estar parado, custaria ao gigantesco transatlântico "United States" mais de NCr$ 300.000,00. Os armadores comerciais gastam cerca de NCr$ 400 milhões por ano para livrar seus navios desta criatura tenaz.
A única forma conhecida de se proteger os navios das cracas é usar cobre nos cascos. É altamente venenoso para elas. Por recobrir o casco de madeira de uma embarcação com cobre, obtém-se proteção permanente das cracas, mas, isto não é possível com embarcações feitas de ferro. A reação química do cobre e do ferro faz com que se desgaste o casco. Assim, usa-se um método menos eficaz.
Por se pintar o casco com tinta que contém óxido de cobre, obtém-se certa medida de proteção. Mantém as cracas longe do navio por cerca de dois anos, mas, por volta desse tempo, o cobre já terá desaparecido da tinta e os pequenos crustáceos começarão de novo a se fixar no casco. A proteção contínua exige que se pinte o casco de novo em intervalos regulares.
Assim, uma criaturinha que só tem cerca de um centímetro de diâmetro quando nada como larva, pode se tornar custoso problema para os proprietários de navios e embarcações. Talvez, da pesquisa que agora se faz para se encontrar melhores meios de proteger os navios de sua tenaz aderência, descubra-se o segredo de seu cimento adesivo. Isso poderia significar um novo cimento superforte para uso do homem. Se assim for, a craca poderá compensar o homem em um pequeno sentido por ser tal incomodativo clandestino.




22/2/70-23

Provérbio da semana (12:25)

A ansiedade no coração do homem é o que o fará curvar-se, mas a boa palavra é o que o alegra.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Clube inglês censura sócio idoso por flatulência


Um clube, no sul de Inglaterra, obrigou um dos seus frequentadores assíduos, um septuagenário com problemas de flatulência, a sair do estabelecimento quando estivesse com uma crise.O clube Kirkham Street Sports and Social Club, enviou uma carta a Maurice Fox, pedindo que ele saia do estabelecimento quando tiver crises de flatulência. «Depois de várias reclamações sobre as suas contínuas flatulências, pedimos que entenda que as suas acções são consideradas desagradáveis para os outros frequentadores do clube» , afirma a carta. «Por favor, saia do clube quando necessário». Maurice, que frequenta o clube há mais de 20 anos, disse que vai cumprir o pedido. «Não há problema, eu já estou velho e fico com gases de vez em quando», afirmou. A correspondência do clube foi recebida com surpresa pelo sócio. Maurice afirma que, antes do envio da carta, não tinha recebido nenhuma reclamação ou comentário sobre o seu comportamento. Para ele, os clientes podem ter reclamado por causa do ruído característico, já que, segundo o idoso, apesar da sonoridade, os gases não têm um odor forte. Segundo o próprio, Maurice precisa de sair do estabelecimento pelo menos três vezes por noite.

SOL/EstranhomasVerdade.com


Coitado do velhote! Se não largar os gases,pode explodir,o que seria pior para o clube!!!

O saber não ocupa lugar - 132

Os iberos foram um dos primeiros povos europeus que utilizaram o ferro para fabricar ferramentas e armas.

Danados para o trabalho e para a guerra!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Este ano não há prendas para ninguém!


Imposto sobre beleza!


Gonzalo Otálora, escritor argentino de 31 anos, já tem simpatizantes em frente à sede da presidência argentina, exigindo a criação de um imposto a pagar pelas pessoas a que a sociedade chama ‘bonitas’O artista, que se inclui nos esteticamente menos favorecidos, pretende suscitar o debate quanto à valorização da beleza na Argentina em sectores como a política, a economia e a educação.Gonzalo Otálora diz mesmo que a medida minimizará o «sofrimento» dos seus pares, e que se sente também ele discriminado e com direitos limitados por não ser bonito.Um «paliativo», defende o escritor, que propõe um debate alargado em torno de temáticas como a violência psicológica nas escolas, a representação de diversas constituições físicas nos desfiles de moda ou a selecção para empregos usando a aparência como critério discriminatório.Em Feio – nome de um livro seu – Otálora relata na primeira pessoa as dificuldades dos ‘feios’ no país das pampas: «A minha história é a de um miúdo que usava óculos e aparelho, sendo alvo de gozo pelos colegas da escola e rejeitado pelas raparigas nas festas. Tempos depois, quando procurava emprego, sentia-se tão feio e inseguro que não conseguia nada».Gonzalo Otálora admite que a ideia «pode parecer uma loucura», mas já apresentou o projecto a Néstor Kirchner, presidente da Argentina, de quem espera alguma simpatia pela causa, por o considerar também «pouco atraente».

SOL com agências/EstranhomasVerdade.com


Tou safo!

O saber não ocupa lugar - 131


Os músculos mais potentes do corpo humanos são os masseter, localizados na mandíbula e responsáveis pela mordida e mastigação.
Cuidado com as mordidelas!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Que mais teremos de aguentar!!!


Hugo Chávez escolhe fuso horário próprio para a Venezuela para retaliar contra o domicílio dos Estados Unidos.O Presidente venezuelano prometeu e vai dar seguimento dia 9 de Dezembro: a Venezuela vai ter o seu próprio fuso horário.Hugo Chávez já determinou oficialmente que, a 9 do próximo mês, os relógios venezuelanos vão atrasar meia hora, para um fuso horário único no mundo, o Presidente defende a medida, afirmando que as actuais divisões horárias foram impostas pelos Estados Unidos e oficialmente uma das justificações indicadas pelo Chávez é dar mais tempo de dias às crianças em idade escolar.

in noticias.portugalmail.pt/EstranhomasVerdade.com


É caso para dizer: "porque no te callas?"

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Não há nada como as certezas...

A mãe chega para o filho e pergunta:
- Joãozinho, o que estás a estudar?
- Geografia, mamãe.
- Então diz-me: onde fica a Inglaterra?
- Na página 83, mãe.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Robô prepara e leva pequeno-almoço à cama!




A universidade Waseda, no Japão, fez nesta terça-feira, dia 27, uma apresentação com o robô Twendy-One, desenvolvido para ajudar nas tarefas domésticas, noticiou a G1.Durante a demonstração, o humanóide de 1,5 metros e 111 quilos mostrou que sabe preparar torradas e salada, para além de transportar uma bandeja e conseguir por uma pessoa na cama.A máquina, desenvolvida pelo professor Shigeki Sugano, tem como principal objectivo cuidar de idosos que vivem sozinhos, mas ainda não há previsão para comercialização da novidade.Twendy-One sabe preparar o pequeno-almoço, pode ajudar nas tarefas domésticas, ajuda pessoas a sair da cama e a sentarem-se em cadeira de rodas.


Portugal Diário/EstranhomasVerdade.com




A tecnologia ao serviço dos idosos e doentes! Excelente!




Alumínio — da curiosidade à versatilidade


EM 1821, perto da comunidade francesa de Les Baux, um químico apanhou um mineral duro, semelhante à argila, de coloração avermelhada. Chamado de bauxita por causa do povoado, resultou apresentar uma porcentagem de 52 por cento de alumina. Mas, talvez pergunte, o que é alumina? É o alumínio combinado com o oxigênio, ou óxido de alumínio. Durante anos, esta substância duríssima resistiu a todos os empenhos de reduzi-la a seus componentes. Não foi senão em 1827 que as primeiras gotículas do metal foram extraídas por um processo químico dificílimo e custoso. Não é de se admirar, então, que há cem anos atrás o alumínio fosse mera curiosidade, muito embora seja o terceiro elemento mais abundante da crosta terrestre.

Progresso na Redução do Custo

Na Exposição de Paris, em 1855, a primeira barra sólida do metal branco como a prata foi exibida. Nesta ocasião, o alumínio emergiu do domínio da pesquisa metalúrgica, vindo a ser reconhecido pelo público em geral como metal útil. Mas, oh! — e o seu custo! Custando cerca de NCr$ 5,00 a grama, era deveras um metal precioso, tanto assim que até mesmo ultrapassava o ouro na casa de Napoleão III, Imperador de França. Apesar do seu prazer derivado da preciosidade do alumínio naquele tempo, sendo homem prático, visualizou seu uso como equipamento leve para seus soldados. Por conseguinte, o rei subvencionou um cientista francês para pesquisar meios de produzi-lo em grandes quantidades a baixo custo.
Seu trabalho foi recompensado por se reduzir o custo para cerca de NCr$ 0,15 a grama. Não obstante, isto ainda era caro demais para tornar possível a aventura comercial. Mais tarde, um cientista estadunidense aperfeiçoou um processo que reduziu o custo para cerca de NCr$ 0,08 a grama. Isso ainda era muito, de modo que a pesquisa persistiu em busca de um método mais econômico de se processar a matéria prima.
Em 1886, dois jovens cientistas, um em França e o outro nos Estados Unidos, trabalhando inteiramente separados um do outro, descobriram a chave para liberar o metal de seu óxido em larga escala. O custo agora ficou reduzido a NCr$ 0,02. Imediatamente, abriu-se a porta para a extensiva exploração dos depósitos de bauxita. Ao se passarem os anos, maiores aperfeiçoamentos da técnica reduziram os custos de processamento para cerca de NCr$ 1,50 o quilo por volta de meados do século vinte.

A Matéria Prima

Embora a bauxita seja a matéria básica da produção de alumínio, todavia, também são necessários outros minerais e substâncias. Mas, primeiro, observaremos como a bauxita é reduzida a alumina pura. As operações de mineração a céu aberto, usando-se enormes escavadeiras elétricas retiram o minério de seu leito de milhares de anos. Duas toneladas de minério são necessárias para se extrair uma tonelada de alumina.
Assim, o minério passa por um processo de redução intermediário antes de ir para a fundição. A bauxita é tratada com uma solução quente de soda cáustica, resultante da combinação de carbonato de sódio e cal. Isto faz que a alumina se transforme em solução, ao passo que as impurezas tais como a sílica, o óxido de ferro e o óxido de titânio se depositam como lama avermelhada. O líquido filtrado então se assenta em grandes tanques de precipitação onde a alumina, quimicamente combinada com a água, se cristaliza. Tais cristais são enviados através de grandes cubas rotativas, aquecidas a 1.100° C. para afastar todas as moléculas de água, deixando a branca alumina pulverulenta pronta para despacho. Das cubas de estocagem ou longas pilhas sobre o solo, correias de transporte movem a alumina para os porões de navios que a aguardam para transporte para as fundições.
Nas fundições, a alumina é combinada com outra matéria prima — a criolita. Este mineral, de cor branco-azulada, cujo pó é praticamente invisível na água, é minerado na Groenlândia, onde os esquimós se referem a ele como "o gelo que não se derrete no verão". Também é produzido sinteticamente na Alemanha. Foi isto que os cientistas antes mencionados descobriram ser a chave para abrir o vasto manancial terrestre deste metal. Estabeleceram que a criolita fundida dissolveria o duro óxido de alumínio e, então, por atravessar pela solução fundida poderosa corrente elétrica, o alumínio se separaria do oxigênio, permitindo que o metal puro se assentasse no fundo do vaso. Assim, nasceram "cubas" eletrolíticas para a produção de alumínio.
Para a produção em larga escala de alumínio fundido, muitas "cubas" são necessárias, sendo colocadas em "filas de cubas". Nas fundições da Companhia de Alumínio do Canadá, algumas são feitas de aço de uma polegada, com cerca de nove metros de comprimento, três e sessenta de largura e um e vinte de fundo. Acham-se revestidas de carvão que se torna o cátodo (pólo negativo) da célula, ao passo que o cátodo (pólo positivo) é uma mistura de coque de petróleo e piche. Este composto, colocado em receptáculos retangulares de alumínio ou de aço, é pendurado acima da "cuba". O equipamento de controle abaixa progressivamente este tipo contínuo de anódio substituível na "cuba", à medida que se funde a si mesmo e é usado na solução fundida de alumina e criolita. É interessante que este material é devorado na proporção de mil libras para cada tonelada de metal produzido.
A fluorita da Terra Nova é outro importante ingrediente, bem como outros materiais ao redor do globo. As matérias primas adicionadas para a produção de uma tonelada de alumina pura atingem sete toneladas. Assim, a produção ininterrupta exige um arranjo bem organizado de transporte para se assegurar que todo o material necessário esteja disponível no tempo exato e no local exato. Por exemplo, materiais que encheriam 250 vagões são consumidos cada vinte e quatro horas pelas caldeiras no Vale Saguenay de Quebeque.

O Papel da Eletricidade

Tenha presente que a bauxita é usualmente minerada em terras pouco elevadas da zona tropical ou semitropical. Por conseguinte, a matéria prima mais importante necessária — a abundância de energia elétrica barata — raramente se encontra próxima do depósito do minério. Em resultado disso, a alumina tem de ser transportada para o local da energia. Isto é o que tornou o Canadá, com seus abundantes suprimentos de barata energia elétrica, um local natural para algumas das maiores fundições de alumínio do mundo.
Se mantiver acesa uma lâmpada comum de 25 watts durante duas semanas, a eletricidade usada equivaleria à quantidade exigida para a produção de uma libra ou quase meio quilo de alumínio. O lar mediano estadunidense precisaria de quatro anos para usar a energia necessária para se extrair uma tonelada do metal da alumina original! Com efeito, há alguns anos atrás, em um ano a indústria de alumínio naquele continente usou mais eletricidade do que a necessária para fornecer energia para uma cidade que abrangesse meio milhão de casas durante cerca de dez anos! Desde aquele tempo, com a expansão constante da indústria, as necessidades energéticas aumentaram novamente quase na metade. Que parte vital ela desempenha!

Fabrico

À medida que os lingotes reluzentes saem da fila de cubas na fundição, a estória da versatilidade desse metal começa a desvendar-se. Muitos processos os transformam por fim em objetos de uso prático. Primeiro, entram em fornos de refundição, onde substâncias ligadoras são acrescentadas e que variam conforme o uso final a ser dado ao material. Deste processo saem lingotes entalhados para fundição, lingotes redondos ou "billets" (lingotes) para extrusão, e lingotes retangulares ou "chapas" para laminação, forja ou fiação. Os fornos mesmos produzem varas para a fabricação de fios de alumínio. Quão adaptável resulta ser o metal, à medida que é preparado para o processo manufatureiro!
Ano após ano, continua a aumentar a utilidade do alumínio. A expansão de seus usos presentes e a descoberta de novos usos é incentivada pela própria indústria. A constante pesquisa metalúrgica é efetuada visando abrir maiores campos para a utilização de suas qualidades de leveza, maciez e, todavia, de rigidez. Tal rigidez resulta de o alumínio puro ser ligado a outros minerais. Têm-se feito muitas experiências neste sentido, resultando em centenas de ligas, tendo todas características diferentes.
Como a rigidez é aprimorada é ilustrado por uma barra de prova de uma polegada de metal puro se quebrar sob o peso de pouco mais de sete toneladas, ao passo que similar barra de prova, composta de certas ligas agora em uso comum, poder ser submetida à tensão de uma carga de quarenta toneladas sem se rebentar. Tais ligas são até mesmo mais fortes que alguns tipos de aço, assim aumentando a versatilidade do alumínio, porque retêm as qualidades originais de leveza, resistência à corrosão e maleabilidade.
A natureza protéica do metal é ainda mais destacada por sua agradável aparência e por ser eficiente condutor tanto de calor como de eletricidade. Assim, venha agora e observe como esta substância interessante se transforma em alguns dos aparelhos úteis que se tornaram comuns em nosso mundo moderno.

Os Produtos Acabados

Primeiro visitaremos Rogerstone, Sul de Gales, e sua gigantesca usina de laminação. Aqui as "chapas" de alumínio, de duas toneladas, correm de um lado para o outro através de contínua linha de prensas quentes que se estendem por uns quatrocentos metros. Bobinas de alumínio em folha ou folhas retas resultam deste processo, sua grossura dependendo do uso futuro. Esta varia de uns seis milímetros a folhas tão finas que é necessário uma pilha de 1.250 folhas para se obter a mesma grossura! Em Kingston, Ontário, Canadá, certa máquina fresadora produz folhas enroladas de um metro e quarenta centímetros de largura à velocidade de mais de oitocentos metros por minuto. De usinas como estas, o alumínio fabricado vai para várias fábricas para se tornar a superestrutura de um transatlântico ou a "pele" de um jato intercontinental. Como rolo, talvez o esteja usando em sua cozinha para inúmeros fins, ou o retire de sua barra de chocolate favorito. Mas, isso não é tudo.
Talvez resida em Londres, Inglaterra, e viaje diariamente pelo "subterrâneo". Seu confortável trem é feito de alumínio. Ou, uma viagem recente pela Espanha foi feita no famoso "ACT-Talgo", das Ferrovias Espanholas. Ligas de alumínio contribuíram para sua agradável viagem. Na América do Norte, as ferrovias usam cada vez mais esse metal que certa vez era apenas curiosidade. Vagões frigoríficos, gôndolas, vagões de carga ou vagões-tanques, todos feitos de alumínio, alinham-se em trens de mais de um quilômetro e meio de extensão. Nas rodovias do mundo, o metal é usado em caminhões, ônibus, carros-reboques e até mesmo em seu próprio automóvel. Muitos dos ascendentes arranha-céus das grandes cidades do mundo têm o frontispício recoberto, ou contém painéis de folhas de porcelana esmaltada ou reluzentes de ligas de alumínio.
Nos gigantescos galeões dos céus, que agora saem das linhas de produção, algumas partes têm de ser construídas para suportar tremenda carga. Tais são forjadas por gigantescas prensas semelhantes à prensa de 50.000 toneladas na fábrica da Alcoa em Cleveland, Ohio. Depois de a prensa estampar a parte, é "esculpida" no seu tamanho correto por uma máquina de fresagem de perfil. Enormes prensas de extrusão amassam o metal como se fosse pasta de dente, transformando os lingotes em tudo, desde hélices de aviões a vigamentos de pontes. Há alguns anos atrás, tais vigamentos foram usados para se construir a primeira ponte rodoviária toda de alumínio que cruzava as corredeiras do lindo Rio Saguenay em Quebeque.
Do Equador aos pólos e por toda a terra, encontram-se cada vez mais utilizações deste metal campeão do peso leve. Mais de dois quilos e oitocentas gramas de alumínio encimam o famoso Monumento a Washington, fornecendo-lhe não só bonita cobertura prateada, mas também protetor condutor de eletricidade. Sistemas portáteis de irrigação, feitos de alumínio, são usados nas plantações de café no Brasil e nas fazendas de açúcar de beterraba na parte meridional de Alberta. Mais de onze milhões de quilômetros de linhas de transmissão cruzam os países do mundo, transportando a vital energia elétrica para as cidades e as fábricas, por meio de condutores de alumínio reforçados com aço. Em muitos casos, estes são pendurados agora em torres de alumínio. Até mesmo casas de oito cômodos, com duas varandas, tendo um peso total de apenas pouco mais de mil quilos, estão sendo pré-fabricadas à base deste metal de muitas utilizações.
Seria possível prosseguir interminavelmente, descrevendo os produtos de milhares de fábricas que produzem tudo, desde grampos de cabelo a cadeiras de estar, e de barris de cerveja a instrumentos portáteis do carpinteiro e do mecânico! Sim, o alumínio não mais é uma curiosidade, mas é um dos mais versáteis metais conhecidos pelo homem.

8/2/70-18

Provérbio da semana (12:24)

A mão dos diligentes é a que governará, mas a mão indolente virá a ser para trabalho forçado.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

2 Curtas

O Capuchinho Vermelho foi visitar a avó:
-Avózinha, tens uns olhos tão grandes!
-É para te ver melhor.
-Avózinha, que orelhas tão grandes...
-São para te ouvir melhor.
-E que dentes enormes tu tens...!
- Mas tu vieste para me visitar ou para me pôr defeitos?



Ao romper da aurora, no auge do cacarejar no galinheiro, diz uma galinha a outra:
- Esta noite tive febre.
- Tiveste febre?
- Tive.
- Mas é como é que sabes ?
- Pus um ovo cozido!

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Coisas de doidos...

No manicómio, dois malucos estão a falar:
- Sabes - diz um - eu vou fugir daqui!!!
- Como? - pergunta o outro.
- Vou saltar o portão com um escadote.
No outro dia:
- Então ainda estás aqui?
- Sim, não consegui fugir.
- Porquê?
- O portão estava aberto!!!

Avó proibida de dar doces aos netos!


Uma avó escocesa foi proibida pelo tribunal de oferecer doces aos netos. A filha, mãe dos menores, apresentou uma queixa responsabilizando a avó pelos problemas nos dentes dos filhos. A notícia é avançada pelo site da BBC Brasil.A idosa também já tinha interposto uma queixa contra a filha, por esta não a deixar estar com os netos.Em tribunal, a mãe contou que a anciã levava dois sacos de doces sempre que visita os netos. Os encontros foram proibidos em Março de 2206, quando as duas se zangaram.Um juiz escocês determinou agora que a avó pode ver os netos uma vez por mês, desde que não lhes leve doces.Apesar de a mãe a acusar de ser responsável pelos problemas dentários dos menores, o tribunal considerou impossível chegar a essa conclusão. No entanto, concordou que eram «doces a mais».

Portugal Diário/EstranhomasVerdade.com


Doces a mais?!?! Dois saquinhos?!?! Nem pensar!!!

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Wembley ficou a saber como se diz pénis em croata


A derrota da Inglaterra às mãos da Croácia na passada quarta-feira não marcou apenas o afastamento dos ingleses do Euro-2008. Houve um pequeno incidente no hino croata que marcou a festa dos visitados. Uma gaffe que escapou aos ouvidos dos menos atentos. Tony Henry, cantor de ópera britânico, actuou perante os 80 mil espectadores do novo Estádio de Wembley e no fim do hino croata cometeu um erro que, para quem não conhece a língua, até pode ser perdoado. O cantor devia ter dito «Mila kuda su plania», que quer dizer «sabes querida como gostamos das tuas montanhas». Em vez disso, Henry entoou «Mila kura si planina», que significa «minha querida, o meu pénis é uma montanha». A grande curiosidade deste «pequeno» erro é que o cantor será um dos poucos ingleses a marcar presença no Euro-2008, uma vez que já foi convidado para entoar o hino croata na competição da Áustria e da Suíça. Para os croatas, a gaffe de Henry relaxou os jogadores da selecção e conduziu-os à vitória sobre os ingleses. Em declarações à BBC, o cantor admitiu o erro e desculpou-se: «Nem me consigo defender. Era a última coisa que eu intencionalmente faria e tudo o que posso dizer é que se ofendi alguns croatas então eles merecem as minhas sinceras desculpas.» Em sua defesa, Henry tem o facto de não saber croata e de ter errado na pronúncia. Zeljka Tomljenovic, secretário da Associação Croato-britânica, desculpou-o: «Não o culpo porque a pronúncia é muito difícil. Ele tinha um grande desafio, que era cantar um hino numa língua que não conhece.» Outras frentes justificaram o engano pela pressão exercida por se encontrar num estádio rodeado de milhares de pessoas. A verdade é que o erro passou despercebido à maior parte das pessoas e, incrivelmente, até agradou aos croatas. «Eles acharam fantástico, convidaram-no para cantar no Euro-2008 e perguntaram-lhe se podia ser a sua mascote», explicou o agente do cantor.

in Maisfutebol/EstranhomasVerdade.com


Que engano estranho! Não terá sido de propósito?! ;-)

Mosca animada

- Quero uma sopa . - disse o freguês
O empregado trouxe a sopa, mas o cliente chama-o porque a sopa tinha uma mosca:
- Esta sopa tem uma mosca!
- É um desenho - respondeu o empregado.
- Mas a mosca mexe-se!
- É um desenho animado!

terça-feira, 27 de novembro de 2007

O patrão que não conseguiu viver com o salário do empregado


A história veio nos jornais europeus e a ’Veja’ entrevistou o protagonista. O empresário italiano Enzo Rossi, dono de La Campofilone, que produz pastas e massas, resolveu passar um mês a viver com os mil euros que paga aos seus operários, dando a mesma quantia à sua mulher, que também trabalha na empresa.Apesar de se terem restringido ao essencial, o dinheiro acabou a 20 - e Rossi percebeu que, "se o dinheiro acabava para mim, também não dava para eles". Vai daí, deu um aumento geral de €200 aos trabalhadores.O curioso é que o empresário diz que não quer dar lições de ética a ninguém, recusa qualquer ideia de que seja marxista e, com uma frontalidade desarmante, frisa que o aumento que concedeu é a prova de que é "um grandessíssimo egoísta". E porquê? Porque, como explica liminarmente, se o salário é insuficiente, os funcionários vivem sob stresse psicológico, com a angústia de saber se o dinheiro chega ou não ao fim do mês. Isso leva-os a ficar instáveis do ponto de vista emocional "e, consequentemente, trabalharão mal". Ora, como acrescenta, "quero que eles estejam bem, para aumentar os meus lucros". E diz mesmo que a massa que fabrica, um tipo de macarrão finíssimo muito tradicional em Itália, fica melhor e vende mais se o funcionário trabalha feliz.Bom, mas já teve retorno deste aumento dos custos salariais? Não, mas Rossi diz que isso não vai demorar a acontecer. Nem que seja por os seus funcionários, com mais dinheiro, comprarem no Natal e Ano Novo mais do macarrão que ele fabrica.Histórias destas valem mais do que muitos livros de gestão. E são tão verdadeiras em Itália como em Portugal - embora, por cá, não se conheça nenhum émulo do sr. Enzo Rossi. (…)

In Cem Por Cent/PrimeiraLiga.com


Patrões de Portugal, de que estão à espera para aumentar os empregados?!?!

Há de tudo na farmácia!

Na farmácia.
- Dê-me 200 gr de frequência.
- De quê?
- De frequência. O médico disse para lavar os pés com frequência.

Polícias porreiros


Uma boa ideia da polícia de Hampshire... mas para a próxima convém contar com o tubo de escape do autocarro... LOL!

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Cemitério com piscina


Um cemitério na Indonésia desenvolveu-se também como um local de lazer e divertimento.Após o serviço funerário os enlutados podem usufruir do que o espaço tem para oferecer, como local de descanso.O cemitério oferece um lago para velejar, piscina, um restaurante italiano, sem esquecer uma capela, para serviços funerários.Este cemitério inovador situa-se a 45 quilómetros de Jacarta, capital da Indonésia.

Portugal Diário/EstranhomasVerdade.com


Depois de enterrar o morto,nada melhor que divertir-se à grande!!!

Proteger as criancinhas de acidentes


"PAULO se achava em sua nona semana de vida quando isso aconteceu. Eu acabara de colocá-lo em nossa cama quando me lembrei de algo que tinha de fazer na cozinha. Mal acabara de chegar ali, ouvi um baque surdo.
"Fiquei tomada de temor até que seus berros, segundos depois, me disseram que estava vivo. Quando cheguei ao quarto de dormir, lá estava ele no chão. Tinha rolado até a beira da cama e caído — algo que jamais sonhara que pudesse fazer naquela grande cama de casal. E ele só tinha dois meses!
"Ao examiná-lo, fiquei aliviada de não encontrar nenhum osso quebrado. Exceto por um pequeno galo que nasceu no lado da cabeça, voltou pouco depois ao normal. Mesmo assim, telefonei ao médico e este me disse que provavelmente tudo sairia bem, mas que deveria ser observado para ver quaisquer sinais de ferimentos internos. Os dias seguintes, devo acrescentar, foram os mais longos da minha vida.
"Felizmente, Paulo não sofreu efeitos ruins de longo alcance devido à queda. Mas, ainda sinto calafrios em pensar na tragédia que isso poderia resultar. E tudo aconteceu tão depressa! Deixei-o sozinho menos de um minuto. Agora compreendo que isto é tudo que se precisa para que aconteça um acidente grave."
Tal experiência é apenas uma das muitas que influem sobre milhões de crianças cada dia e que matam mais de 10.000 por ano apenas nos Estados Unidos. Com efeito, mais crianças morrem de acidentes que de câncer, pneumonia e defeitos congênitos juntos. Todavia, os peritos na segurança infantil calculam que tantos quantos nove de cada dez acidentes com crianças poderiam ser evitados.


Quando e Por Que Ocorrem Acidentes


Os acidentes não ocorrem por acaso. Cada um é provocado por algo. Podem ocorrer em qualquer parte e a qualquer hora. Quando alguém foi descuidado, pode acontecer um acidente. A questão é: O que pode ser feito para evitar a maioria deles?
É bom saber que muitos acidentes com crianças ocorrem entre as 16 e 20 horas durante a semana. Nessa ocasião, as mães estão usualmente atarefadas em preparar refeições e distraídas com outros deveres. De modo que as crianças não ficam tão bem observadas como em outras horas. Nos fins-de-semana, as primeiras horas da manhã são perigosos períodos. Muitos pais dormem até mais tarde nesses dias e as crianças talvez fiquem livres para ficar andando e meter-se em dificuldades. Os pais cônscios destas tendências podem fazer arranjos de canalizar as energias dos filhos para atividades construtivas nestas horas.
Outra ajuda é saber por que ocorrem a maioria dos acidentes. Muitos se quedam pensativos de como algumas crianças os evitam e outras são repetidas vezes atingidas por eles. Tem-se verificado que a criança inclinada a ser acidentada é usualmente ativa demais, inquieta, impulsiva e insegura. A criança que não sofre acidentes é geralmente mais tímida, submissa e, usualmente, provém dum grupo familiar mais intimamente unido. Parece também que os "simples" eventos e dificuldades cotidianos provocam a maioria dos acidentes: pequena enfermidade de um membro da família; um genitor cansado demais, ansioso ou distraído; um jovem preocupado, tenso ou muito faminto. Estes e outros incidentes fixam o palco para muitos acidentes.


Perigos Para os Infantes


Na infância, a criança fica na casa a maior parte do tempo, de modo que, naturalmente, é ali que os acidentes a atingirão. Mais tarde, ao se aventurar porta afora, novos perigos a confrontam. Haverá mas, carros, trânsito e escola. Os pais que podem antever estes novos perigos, à medida que o filho se desenvolve, estarão mais equipados para contrabalançá-los.
Primeiro, porém, concentremo-nos no que pode ser feito para proteger os bebês em especial, visto que dependem completamente dos adultos.


QUEDAS: Milhões de criancinhas são feridas todo ano devido a quedas na casa e próximo a ela. Pela experiência acima relatada, pode avaliar quão necessário é que se assegure de que o bebê jamais seja deixado a sós em qualquer lugar alto do qual possa cair. As quedas de camas de adultos representam alta porcentagem de graves ferimentos em bebês, os meninos sendo mais suscetíveis que as meninas. Até mesmo berços, considerados o lugar mais seguro para os bebês podem conter perigos ocultos. Contém o seu? Estão as grades sempre colocadas, de modo que o bebê não possa cair? Estão acolchoadas as barras do berço para evitar ferimentos na cabeça, e estão espacejadas de tal forma que não possa ficar com a cabeça presa nelas?


QUEIMADURAS E AFOGAMENTOS: As mães experimentam primeiro a temperatura do banho do bebê antes de lavá-lo, e seu leite antes de alimentá-lo. Compreendem o perigo de algo quente demais externa ou internamente. Todavia, certas mães, ao passo que evitam queimar os bebês, expõem-no ao afogamento. Muitos bebes ficam sozinhos na banheirinha, e em tenra idade. Parece não haver qualquer motivo válido para se deixar um bebê sozinho na água, até mesmo por um minuto. Como disse certa mãe: "Nenhum telefonema é bastante importante para mim para que eu deixe o bebê por um instante na banheirinha ou em qualquer lugar inseguro. Se for realmente importante, telefonarão de novo." Para evitar quaisquer destes incidentes, muitas mães levam os bebês sempre que têm de atender o telefone ou à campainha da porta.


SUFOCAMENTO E ENGOLIR OBJETOS ESTRANHOS: Deve-se tomar cuidado para evitar que o bebê seja sufocado no berço por roupa de cama, sacos plásticos ou travesseiros. Também, uma das primeiras e primárias funções dum bebê — a de engolir — pode ser perigosa. Pequenos objetos, tais como alfinetes; contas, botões e instrumentos pontiagudos devem sempre ficar longe do alcance do bebê. Nenhum chocalho ou outro brinquedo deve ser menor do que a sua boca. Uma vez que o bebê se apodere de algo, o próximo passo que dará será chupá-lo e então engoli-lo se puder. Já não lhe aconteceu de estender seu dedo para um bebê, apenas para vê-lo segurá-lo firmemente e prontamente levá-lo à boca? Então, imagine só se seu dedo fosse algum objeto prejudicial. Com boa razão, têm-se referido aos bebês como "aspiradores humanos"!


Perigos Para as Engatinhantes


Por volta do tempo em que a criança tem cerca de dois anos, já terá alcançado a idade exploratória. Não mais se limita ao seu berço ou quadrado de brinquedo. Agora mete seu narizinho em outras áreas da casa, e tem de ser vigiada ainda mais cuidadosamente do que antes.
Naturalmente, ainda está sujeita a queimaduras e a quedas, mas de aspectos diferentes. Agora pode alcançar coisas acima de sua cabeça e derramar coisas quentes sobre si mesma. Ou, com as molas recém-descobertas de suas perninhas, talvez possa subir em cadeiras e em outros móveis para inclinar-se para fora de janelas ou inspecionar guarda-louças, armários de remédios, armários embutidos e uma hoste de outras coisas. Produtos prejudiciais têm de ser guardados e trancados longe de seus olhos e de suas mãos perscrutadoras.
Pequenos e delicados badulaques, espalhados pela casa como decoração, agora têm de ser reavaliados como perigos potenciais e alguns têm de ser removidos para a sua segurança. Acha-se agora numa idade esquisita — não mais é indefesa e completamente dependente da leitora, nem tem bastante idade para realmente arrazoar com ela. Sim, este é o estágio em que tem de manter sempre um passo à frente dela, para a segurança dela.
Agora que pode acompanhá-la de quarto em quarto, a cozinha se torna mais perigosa que o quarto de dormir. Talvez esteja sentada no chão da cozinha, brincando inocentemente com vasos e panelas e, ainda assim, esteja cercada de perigo. Uma criança de dois anos não sabe a diferença entre uma inofensiva caixa de cereal seco e uma caixa que contenha detergente. Assim, ao passo que o espaço sob a pia talvez pareça ser um bom lugar para se guardar fortes detergentes, água sanitária, polidores e coisas semelhantes, NÃO é, se tiver filhos pequenos. A criança engolirá quase tudo, até mesmo coisas que cheiram mal ou têm sabor ruim. Sua curiosidade inata não raro leva a melhor, porque explorar o desconhecido é uma forma de ela aprender. Os pais que entendem esta tendência natural de experimentar as coisas podem evitar dificuldades antes que aconteça.
Ferimentos causados por queimaduras constituem outra ameaça. O uso errôneo do fogo, e de fósforos em especial, encabeçam a lista de acidentes do grupo de três a cinco anos. Quem não leu com horror vários relatos dos jornais sobre criancinhas que ficaram gravemente queimadas e até mesmo morreram devido a brincarem com fósforos? Os adultos sabem que os incêndios podem ser muitíssimo destrutivos. Mas, para as criancinhas, as chamas são fascinantes de observar. E querem brincar com fósforos até mesmo quando lhes proibir de fazê-lo. Fica a seu critério — como pai — de torná-las cônscias dos perigos num nível que possam entender. Mas, mesmo isto talvez não baste, de modo que mantenha materiais inflamáveis, inclusive fósforos, longe do alcance das crianças.
Mais de um milhão de crianças são tratadas anualmente nos Estados Unidos devido a envenenamento acidental. Todo envenenamento acidental representa um erro humano. Significa que algum adulto foi descuidado, sendo a criança a vítima. Nos Estados Unidos, há mais de 500 Centros de Controle Contra Envenenamentos, e recebem muitos telefonemas urgentes cada dia. Tais centros podem fornecer rapidamente aos pais informações vitais pelo telefone, quando os filhos tomarem algum veneno. Podem dizer-lhes que ação devem tomar exatamente, ou que antídoto, para quase todo tipo de veneno que tenha sido engolido.
Os pais devem analisar quantos venenos seus lares contêm. Acha que o seu é comparativamente seguro? Considere o seguinte: calcula-se que há cerca de 25.000 venenos potenciais disponíveis nas lojas! Não precisam trazer o rótulo de venenosos para o serem. Dentre a ampla variedade, a aspirina se acha entre os mais comuns, sendo responsável por cerca de 25 por cento das mortes por envenenamento. Outros venenos comuns são os inseticidas, alvejantes, detergentes e lustradores de móveis. Tratam-se de itens seguros quando usados por adultos, mas podem ser assemelhados ao TNT quando manejados por uma criança.
Os remédios infantis do tipo adocicado criaram novos perigos. Diz-se às crianças às vezes que tais remédios são "balas". Daí, quando a criança quer mais "balas", naturalmente procurará o vidro. Embora a dosagem para as crianças seja reduzida em cada pílula, os resultados podem ser desastrosos se a criança tomar muitas.
Naturalmente, não há mãe que deliberadamente queira ser descuidada quanto a venenos. Muitas resolvem limpar o armário de remédios ou o da cozinha, mas sempre deixam isso para depois. Quando foi a última vez que jogou fora todos os seus remédios, latas de tinta e líquidos de limpeza antigos? Contenta-se em apenas jogá-los na lata de lixo? A criança que engatinha não achará nada de mal em remexer na lata de lixo ou até no vaso sanitário quando não está olhando. Remédios e líquidos devem ser derramados no esgoto e deve-se puxar a descarga. As latas devem ser amassadas, se possível, e levadas para longe prontamente.


Disciplina — Instrumento de Segurança


A disciplina é um instrumento forte e eficaz que os pais possuem para proteger os filhos. Quando se ensina ao filho que ajunte seus brinquedos, ele aprende o primeiro essencial para a segurança da criança.
Outro aspecto da disciplina é a linguagem que usa e a comunicação que tem com seus filhos. Às vezes, suas palavras devem ser obedecidas de imediato para que fiquem plenamente protegidos. Será que seus filhos lhe obedecem? Verifica que tem de gritar e bradar antes que suas ordens sejam obedecidas? Talvez verifique que a maior parte do tempo vive dizendo "não". Se usar o "não" com demasiada freqüência, pode perder sua efetividade em reais emergências. Por exemplo, quando diz à sua filha que não toque no fogão porque é quente e a queimará, será que ela assim mesmo tocará nele? Ela não devia ter que aprender isto apenas por experiência própria. A obediência completa é necessária às vezes, até mesmo se a criança não compreender plenamente a razão naquela hora.
Para alcançar este alvo, muitos pais acham de auxílio evitar dar sempre ordens quando pedem algo ao filho. "Faça o favor de apanhar seus brinquedos" é amiúde obedecido mais rapidamente do que uma ordem dura. Daí, pode constituir um vocabulário de ordens a ser usado quando surgir real perigo. Mas, se forem dadas ordens para toda coisa trivial, talvez não sejam obedecidas em situações perigosas.
Sempre que seja necessário dar uma ordem, suas maneiras devem ser calmas, porém firmes. O tom de sua voz deve inequivocamente soletrar "PERIGO", exigindo obediência, e imediata! Daí, suas ações, junto com suas palavras, obterão a atenção necessária. Isto talvez exija muito treinamento, e até mesmo surras, mas, com o tempo, as ordens que tiver de dar serão mais prontamente obedecidas.
Consideramos algumas das coisas de que os pais podem ficar cônscios no seu papel de protetores.
8/2/70-8

Provérbio da semana (12:23)

O homem argucioso encobre o conhecimento, mas o coração dos estúpidos é o que proclama tolice.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Urso que fumava e bebia cerveja salvo por ambientalistas


A Associação Milhões de Amigos resgatou o urso Martinica, que consumia tabaco e cerveja oferecidos pelos visitantes do mosteiro ortodoxo de Cotmeana. O urso vivia em condições bem menos ortodoxas que os monásticos que o mantinham em cativeiro há quatro anos, deixando-o num estado «terrível», sustenta Cristina Lápis, presidente da organização. Segundo a activista, os turistas ensinaram o urso a fumar e a beber cerveja, sob o olhar impávido dos clérigos, que agradeciam esse chamariz turístico. Depois de uma tentativa gorada, em que os monges impediram a Associação de libertar o animal, o urso foi resgatado com a ajuda da Guarda do Meio Ambiente de Arges. Martinica está agora numa reserva no sul dos Cárpatos, castrado, com outros 29 ursos.

SOL com agências/EstranhomasVerdade.com


Será que deixará de fumar e beber cerveja por estar castrado?!

Aprenda a andar — pelas colinas


O PARQUE de estacionamento de carros já se estava enchendo de visitantes do Parque Nacional do Distrito de Peak, área bem conhecida dos andarilhos e montanhistas da Região Central da Inglaterra. Alguns, nesta fria manhã de maio, achavam-se ali apenas para visitar o povoado e andar pelas estradas e trilhas vizinhas. Outros, como nós mesmos, calçaram botas fortes, puseram mochilas nas costas e verificaram tudo para certificar-se de que dispunham de tudo que é necessário para um passeio pelas colinas.
O que é que atrai um número crescente de pessoas cada ano para as colinas de seu país? Talvez, nesta recreação, encontrem algo que toda a família possa usufruir, ou que apenas um par de companheiros achem proveitoso. Há o desafio de se afastar das ruas apinhadas e caminhar seguramente pelas colinas. Certamente pode ser um desafio, pois o tempo pode mudar ou podem surgir situações que fazem com que os montanhistas olhem com respeito para as colinas e as montanhas. Assim, eu, minha esposa e três filhos, um grupo familiar, dispusemo-nos a gozar juntos algumas horas de recreação.


O Segredo de Andar Pelas Colinas


Era agradável andar ao longo da estrada em direção à trilha que queríamos — um riacho borbulhava do outro lado da muralha de pedra à nossa esquerda. Havia bastante atividade num acampamento vizinho. Aguardávamos já por algum tempo nossa longa caminhada, e, durante os meses anteriores, tentamos fazer algumas curtas caminhadas nos fins-de-semana, de modo que nossa filha de oito anos pudesse atravessar vários quilômetros de terreno difícil de se andar. Andar pelas estradas próximas de nossa casa resultou útil em nos fortificar para uma caminhada como a que intencionávamos fazer; seria muito insensato tentar caminhadas ambiciosas e pelos campos abertos sem preparação prévia.
Já agora nossa trilha serpenteava através de pequeno grupo de barracas abrigadas por algumas árvores. Alguns passos mais, por uma porta e nos dirigíamos à charneca aberta. Algumas ovelhas pararam de mordiscar para nos dar uma espiada. As chuvas de inverno tinham cavado valas na trilha de subida, e pedras e rochas soltas constituíam um obstáculo em nosso caminho. Ficamos contentes de contar com o apoio e a garra provida por nossas botas de caminhar. Tais botas dispõem dum solado que se agarra em terreno duro e ajuda a acolchoar os pés. Elas também ajudam a apoiar os tornozelos e são usualmente compradas de tamanho bem grande de modo que se possa usar dois pares de meias a bem do conforto e para se aquecer os pés.
Segundo o mapa que levávamos (na proporção de dois centímetros e meio para cada quilômetro e meio da área), estamos agora a uns 325 metros de altitude, e paramos para breve descanso. O segredo de andar, pelas colinas e seu prazer é andar com certo ritmo, visando colocar todo o pé no chão; e estabelecer um passo bom e constante que mostre consideração pelos membros mais fracos do grupo. Os descansos são certamente necessários, de preferência por curtos períodos em intervalos regulares. O bom pai ou líder dum grupo nas colinas exercerá grande cuidado de não deixar que o grupo se disperse ou se perca. Um pedaço de bombom para cada um, sem se deixar nenhum lixo, e partimos de novo.
Lá bem distante podíamos ver a nítida extremidade do platô e bem no alto André divisou um grupo de rochas de arenito de formato estranho que podíamos usar como marco orientador. Pela experiência, já sabíamos que percorríamos uns quatro quilômetros por hora em terreno difícil e para cada 300 metros de altitude podíamos adicionar meia hora. Pelo mapa, Ana calculou que chegaríamos às rochas em menos de uma hora.


Necessidade de Roupas Adequadas


Atravessamos uma ponte de pedra sobre um riacho e chegamos a uma parte da trilha conhecida como Escada de Jacó — uma escada natural de rocha, que logo nos obrigou a respirar fundo e submeteu à prova os músculos de nossas pernas. Uma vez atingido o alto, estávamos na extremidade do Platô Kinder. Olhando para trás, podíamos traçar nosso caminho e ver o vale, agora remoto. Acima de nós, cantava uma cotovia, e uma brisa fresca destacava a necessidade de roupas adequadas.
Anoraks ou windcheaters (casacos de couro e lã, bem justos nos punhos e cintura e pescoço) são ótimos, em especial com suéteres por baixo. Calças compridas feitas de material quente, e não de brim fino, são ótimas para ambos os sexos. Uma touca ou boné de lã, um chale e luvas podem todos ajudar a manter a pessoa bem aquecida e confortável. Usualmente verifico se todos nós levamos uma suéter extra nas mochilas, mas, esta manhã, não eram necessárias. A temperatura a 600 metros de altitude pode ser uns três ou quatro graus centígrados mais fria do que ao nível do mar. Também levamos uma capa de chuva de nylon para o tempo chuvoso.
Talvez fique pensando em se tudo isto é necessário apenas para se andar. À medida que mais pessoas se dirigem às colinas, os guardas de parques e organizações de socorro destacam que tantas são as pessoas que vão para lá incorretamente trajadas e equipadas. Uma camisa de colarinho aberto, um lindo vestido de verão, sapatos para a cidade — estas coisas não são muito boas quando se escalam altas colinas. As áreas montanhescas são usualmente úmidas, de modo que aqueles dias de tempo ótimo, com excelente visibilidade, são dias muito prezados por aqueles que passeiam pelas colinas.


Equipamento Útil


Uma pequena caminhada agora e chegamos ao grupo de rochas de arenito de formato estranho, que nos forneceu excelente ponto para um piquenique. Alguns sanduíches, um pouco de chocolate e algumas frutas são muito bem recebidos e sustentam a pessoa. Qualquer pequeno bornal servirá para se levar alguns poucos essenciais: roupas extras, alimento, talvez um estojo de pronto socorro. Poder-se-ia levar um apito ou uma tocha, que pode ser usado para se pedir socorro numa real emergência. No entanto, tudo estava indo muito bem hoje, e agora precisávamos planejar nossa próxima parte do roteiro.
Para cruzar o alto do platô a que havíamos então chegado não só era preciso um mapa, mas também uma bússola. À nossa frente se estendia uma área de turfeira, sem características próprias, sem trilhas definidas árvores ou marcos. Resulta ser inestimável, às vezes vital, uma bússola do tipo transferidor, para se atravessar seguramente esta região aberta e outras. Pode-se logo dominar a arte de planejar a direção certa, com a sua ajuda.
Uma vez firmada nossa base, minha esposa apontou para uma elevação à distância, para onde poderíamos dirigir-nos. É bom aprender a confiar na agulha da bússola, ao invés de no instinto — é realmente possível ficar-se andando em círculos! Pusemos os filhos à nossa frente, e caminhamos penosamente através da turfeira cheia de nascentes de água. Logo estávamos resvalando pelas encostas de solo escuro e turfoso dos profundos canais de drenagem que se entrelaçavam pelo nosso caminho. Daí, após laboriosa subida já estávamos do outro lado. Mas, ainda se achava à nossa frente, e cada vez mais próximo, nosso seguinte marco: uma subida que resultou ser pequeno afloramento de rocha. Descemos de novo, e demos a mãozinha à nossa caçula, ao nos empenharmos em atingir uma turfeira mais firme. Sapatos comuns teriam ficado atolados na lama pegajosa. Agora, um amplo leito de riacho jazia à nossa frente, e seu terreno arenoso e a água corrente logo lavaram a lama.
A conversa parou à medida que chegamos a uma massa tombada de rochas amarronadas na extremidade de uma cascata maravilhosa. Era tempo de admirarmos a ampla vastidão aos nossos pés, lá embaixo no passo. As crianças apontaram para as charnecas descampadas para o norte. Bem, talvez outro dia nos aventuremos a ir até lá. Um pedaço de chocolate para nos ajudar a prosseguir caminho, e nova consulta à bússola. A mais de 600 metros de altitude, com céu límpido e tendo apenas um outro grupo à distância como companhia, estávamos em nossa última etapa da jornada.
Uma hora mais ou menos depois, após descer com cuidado pelas rochas tombadas no extremo meridional, voltamos a uma trilha que levava à vila. Ali, uma chávena de chá quente nos revigorou. Os dois filhos mais jovens compraram cartões postais; isso ficaria de lembrança de nossa expedição. Olhei de novo para as elevadas extremidades do platô. Este fora um grande dia. Talvez, mais tarde durante o ano, nas férias, tentaríamos visitar o Distrito dos Lagos. Gozando juntos esta idéia, dirigimo-nos para o carro e voltamos para casa.
Que tal deixar esse carro, trem ou ônibus e aceitar o desafio e a beleza das colinas? Um passo ou dois de cada vez, quando se aventurar pelo campo adentro — e logo aprenderá a andar, segura e confiantemente, pelas colinas.

22/01/70-25

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.