Ocorreu um erro neste dispositivo

Brandus dream list

Mensagens populares

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

O saber não ocupa lugar - 318


A Guerra Anglo-Zanzibari foi a guerra mais curta da história, durando apenas 40 minutos.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Homem mal diagnosticado com 'coma' passa 23 anos consciente


Um erro de diagnóstico fez com que um homem passasse 23 anos consciente e «amarrado» a uma cama, enquanto os médicos pensavam que estava em coma, na Bélgica.
Rom Houben, que tinha 23 anos quando sofreu um acidente de carro que o deixou completamente paralisado, foi submetido a vários exames para diagnosticar o coma, baseados em respostas motoras, verbais e oculares. Houben, no entanto, ouvia e via tudo o que acontecia à sua volta, sem conseguir comunicar com os médicos, familiares e amigos. Há apenas alguns meses atrás, exames com aparelhos de tomografia de última geração mostraram que o seu cérebro estava a funcionar de maneira praticamente normal. Houben foi então submetido a várias sessões de fisioterapia e agora consegue digitar mensagens num computador. Um aparelho especial colocado sobre a cama permite-lhe ler livros enquanto está deitado. «Nunca vou me esquecer do dia em que descobriram qual era o meu verdadeiro problema. Foi um segundo nascimento», disse. «Durante este tempo todo, tentava gritar mas não saía nada para as pessoas ouvirem». «Frustração é uma palavra muito pequena para descrever o que sentia», afirmou Houben, que deve permanecer internado numa clínica perto de Bruxelas. O neurologista Steven Laureys, que liderou a equipa que descobriu a situação de Houben, publicou um estudo há dois meses alertando que muitos pacientes avaliados em estado de coma na verdade podem estar conscientes. «Apenas na Alemanha, a cada ano, 100 mil pessoas sofrem de traumatismo cerebral grave. Estima-se que de 3 mil a 5 mil deles se mantêm presos num estágio intermediário entre o coma verdadeiro e a total recuperação dos sentidos e movimentos», disse Laureys, chefe do Grupo de Coma do Departamento de Neurologia da Universidade de Liège.


SOL com agências / estranhomasverdade.com


Bolas! E o homem não dar em doido foi uma sorte...

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Atracções do mundo submarino


ARMADOS com equipamento de “scuba” ou simplesmente com máscara e nadadeiras, os homens exploram agora as maravilhas do mundo submarino. Que outros vão à lua e planejem explorações adicionais do espaço; os entusiastas do mundo submarino sentem-se felizes de explorar algumas destas regiões pouco conhecidas de nosso planeta. A vida e as atividades sob o mar oferecem seu fascínio particular. O mundo silencioso oferece refrescante contraste ao tumulto e correria da vida na superfície.
A aventura submarina não precisa necessariamente envolver a matança desenfreada dos habitantes do mar. Há nela finalidades boas e práticas, também. Os oceanógrafos que estão cônscios do grande potencial da lavoura submarina sugerem isso como solução parcial para o problema alimentar do mundo. Os estudantes de botânica e biologia estão vividamente interessados na flora e fauna marítimas. Muitos outros sentem-se atraídos pela beleza e colorido e pelas miríades de formas de arte que afundam nos mares.
O local preferível para tal aventura sob as ondas se acha nos mares tropicais, onde a temperatura da água não é tão fria, permitindo demoradas visitas submarinas. As águas claras e límpidas dos mares de corais convidam os aventureiros aos melhores lugares.


O Banco de Coral


Por que os mares de corais deveriam constituir atração especial? Porque os corais pululam em águas suficientemente agitadas de forma a permitir a substituição segura da água e da reserva conseqüentemente fresca de plancton microscópico, e em torno do crescimento de corais se pode encontrar a maior variedade de vida submarina. As menores criaturas procuram o banco de coral protetor com sua multidão de cavidades e fendas, ao passo que as maiores cruzam constantemente a vizinhança na expectativa de interceptar alguma criaturinha descuidada que se tenha afastado demais.
O que é este banco de coral! Talvez se pareça bem à rocha perfurada. No entanto, sua formação não é de jeito nenhum semelhante à da rocha. A formação de coral, com efeito, é o resultado dos esforços arquitetônicos de muitas gerações de diminutas criaturas marítimas — criaturas que estão aparentadas à familiar medusa e à anêmona do mar. Tais criaturas, chamadas pólipos, são como a geleia, maleáveis’ tendo forma cilíndrica. Um extremo se fixa na colônia de coral, os lares abandonados de uma prévia geração. O outro extremo é a boca da criatura, que se abre à noite numa coroa de pequenos tentáculos que se estendem e se alimentam do plancton que se ergue nas águas superficiais. Cada pólipo cria uma cobertura protetora ao redor de si, uma espécie de apartamento individual formado de carbonato de cálcio segregado pela sua própria pele externa. Durante o dia, tais pólipos se retiram para dentro de seus refúgios.
Havendo infinitos números destes diminutos arquitetos que trabalham lado a lado, construindo em direção ao sol, ano após ano, século após século, o recife assumiu seu atual aspecto. As plantas marinhas se arraigaram, ás plantas marinhas se alojaram ali, as esponjas e algas — todas compartilharam em algum grau para a cimentarão da estrutura. O resultado — o recife coralíneo, que com freqüência foi chamado de “bloco de apartamentos submarino”.
Em geral, o recife ocorre em águas rasas costeiras em que a luz e o calor do sol penetram bem profundamente. Uma razão disso parece ser que, dentro do corpo de cada pólipo há plantas microscópicas que fazem vital contribuição para seu processo digestivo e, como a maioria das plantas, dependem da fotossíntese. Sem a luz solar estas plantas morrem, e, por conseguinte, também morre o pólipo.
Embora a arquitetura do recife seja forte e duradoura, há forças de desintegração, também, não sendo a menor destas as poderosas tempestades que não raro soltam pedaços de rochas coralíneas que pesam diversas toneladas e os lançam como madeira de fósforo em cima do recife.


Variedades de Corais


Há outros corais, também, que não se juntam ao recife em si, embora sua presença aumente sua massa. Há o coral madrepérola, cujo crescimento se assemelha a ramos maciços de árvores, alguns deles tendo quatro metros e meio a seis metros de comprimento e sessenta centímetros de grossura na base. O coral maeandra assume a forma de grandes pedras com marcas bem similares às circunvoluções do cérebro. Estes crescem em marismas próximas ao recife.
Há o coral picante, que é o terror dos mergulhadores, pois pode infligir dolorosa ferida nas criaturas que se aventurem a chegar perto demais. Outro tipo de coral se parece muitíssimo com a forma da alface. Os corais moles, diferentes dos corais rochosos, incluem o coral estrela vividamente colorido, outros que são apenas uma massa flácida, com dedos macios e esponjosos que se abrem, e ainda outros que se parecem a grandes pratos, alguns com um metro e oitenta a dois e quarenta de diâmetro, tendo os pólipos distribuídos em círculos concêntricos.


Senhores do Recife


Embora os pólipos corais sejam arquitetos e mestres construtores, deve-se admitir que os peixes são verdadeiramente senhores do recife. Aqui se alimentam, passeiam e encontram refúgio das criaturas rapaces maiores do mar. A população dos recifes se apresenta em fantástica variedade de formas, tamanhos, cores e sinais esquisitos. Vistas contra o fundo dos muitos tons dos corais, fazem a pessoa lembrar-se das coloridas aves tropicais e borboletas que adejam num jardim florido. Há vermelhos, verdes, amarelos, azuis e toda tonalidade sutil intermediária. A atividade se compõe de rápidos inícios e curtas paradas no meio do coral irregular. A ligeireza e mobilidade são vitais. Por esta razão, a maioria dos habitantes do recife são de dimensões modestas.
Perto do recife, no chão arenoso, a pequena perca de cabeça amarela pode ser vista escavando seu abrigo com suas mandíbulas. Apenas a uns poucos centímetros de profundidade, seu buraco prove um refúgio em que entra de ré, com a cauda primeiro, sempre que ameaça o perigo. Tais tocas são usualmente revestidas de pedrinhas cuidadosamente selecionadas. Cardumes de peixes-anjos e cangulos, alguns deles belamente marcados, deslizarão ao lado. Na própria superfície do recife, o bodião, com bico de ave, estará quebrando pedaços de coral e alimentando-se dos saborosos pólipos dentro dele.
Bem dentro dos esconderijos e recessos do recife ou escondendo-se entre pilhas de antigas pedras de lastro de navios afundados vivem os mais formidáveis, talvez, de todos os habitantes dos recifes — a moréia verde de um metro e oitenta e sua prima, a moréia pintada de pouco mais de noventa centímetros. Trata-se de criaturas poderosas de presas afiadas que poderiam arrancar os dedos ou artelhos dum homem se não tivesse cuidado onde os punha. Além do recife, em águas mais profundas, espreitam os grandes saqueadores, sempre vigilantes, aguardando a oportunidade de uma boa refeição — o cação-martelo, o cação de pontas brancas, o cação amarelo e a grande barracuda de um metro e oitenta
A barracuda, feita para ser veloz e ter poder de ataque, é uma comilona muito seletiva. Alguns dos raros ataques aos humanos por parte de tais criaturas, segundo se crê, foram erros de sua parte. Em geral, só matam aquilo que irão comer, e parece não haver nem desperdício nem crueldade deliberada em sua matança.
Ao passo que estes peixes de maior porte que ficam pouco além do recife apresentam alguns problemas para os visitantes humanos do mundo submarino, há outro perigo mais imediato a evitar. Tome, por exemplo, o comum ouriço do mar. Trata-se duma criatura que se atocaia, espinhosa, dotada de espinhos aguçados e quebradiços. Quando a pessoa roça nele, os espinhos penetram na carne e se quebram. São extremamente difíceis de remover e podem produzir rápida infecção.
Outro perigo é a medusa urticante. Como que para desarmar o visitante, padronizam-se nas cores azul-escuro, marrom e amarelo. Mas, muitas delas podem dar uma picada chocante. Uma das mais perigosas delas é a urtiga-do-mar. Flutua na superfície, balançando seus longos filamentos venenosos. Envolver-se com uma delas pode significar uma picada bem ruim, em alguns casos raros até mesmo provocando a morte.
Não é fora de propósito sublinharmos aqui um perigo para os pólipos, estes diminutos arquitetos do recife. A espinhosa estrela-do-mar ordinariamente busca e digere tantos pólipos quantos possa encontrar. No entanto, na área do Pacífico, parece que as estrelas-do-mar estão experimentando uma explosão demográfica, tanto assim que os pólipos estão sendo arrancados de um recife após outro, transformando-os em cemitérios revestidos de algas ou blocos de apartamentos sem vida e condenados.
O mundo submarino certamente tem sua variedade, seus perigos, e suas atrações, assim como o mundo na superfície.


in Despertai de 8/5/1971 pp. 13-15

Provérbio da semana (16:22)

Para os seus donos, a perspicácia é fonte de vida; e a disciplina dos tolos é tolice.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Jovem prova inocência através do Facebook


A polícia nova-iorquina soltou um jovem de 19 anos, acusado de assalto à mão armada, que justificou a sua ausência do local do crime por ter estado numa outra ponta da cidade a actualizar o seu perfil no Facebook. O caso teve lugar no mês passado, quando duas pessoas ligadas a Rodney Bradford, o jovem acusado, foram assaltadas à mão armada em Brooklyn. Na altura o jovem foi acusado pelas autoridades de ser responsável pelo assalto e acabou preso durante 12 dias. Como álibi o jovem sempre afirmou que na altura do crime tinha estado em Manhattan, no escritório do pai. Para provar a sua presença naquele local, Rodney Bradford alegou que estava a actualizar o seu perfil do Facebook, algo que foi depois confirmado pelos procuradores que acabaram por libertá-lo. Para justificar a medida, os procuradores de Brooklyn revelaram à imprensa local que o Facebook teve um papel muito importante na resolução do caso.


SOL / estranhomasverdade.com


Afinal as redes sociais podem ser úteis... ;-)

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Preso por ligar para o «112» a pedir sexo


O norte-americano Joshua Basso foi preso na quarta-feira, em Tampa, no estado da Flórida, EUA, depois de ligar para o serviço de emergência americano, 911, ou seja, o 112 português, e perguntar à telefonista se ela teria relações sexuais com ele, noticia o jornal St. Petersburg Times. De acordo com o relatório policial, disponível na Internet, Basso, de 29 anos, ligou quatro vezes para o serviço de emergência e acabou por ser detido 15 minutos depois da última ligação, sob a acusação de chamada falsa para o 911. O suspeito terá pedido à telefonista para ir a casa dele, mas ela desligou o telefone. Basso voltou a ligar, mas não teve sorte. A polícia acabou por o deter. A polícia declarou que o suspeito não confessou se estava a masturbar-se quando conversava com a telefonista, como terá declarado durante o telefonema. Basso está agora preso e só poderá sair da prisão se pagar uma caução de 300 euros. À polícia, o suspeito afirmou que ligou para o serviço de emergência por que não tinha dinheiro no telemóvel para ligar para os serviços de sexo por telefone.


TVI24 / estranhomasverdade.com


-Olhe que este número é só para urgências!

-Mas é que eu estou mesmo com urgência para fazer sexo!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Estômago... pesado!


Uma equipa médica do Peru encontrou um quilograma de pregos, moedas e metal no estômago de um paciente, na sequência de uma intervenção cirúrgica de emergência, noticia a «AFP». Requelme Abanto Alvarado, de 34 anos, que sofre de problemas mentais, deu entrada, sexta-feira passada, no hospital de Cajamarca, acompanhado de familiares, queixando-se de fortes dores abdominais. «Nunca tinha visto nada assim», afirmou o cirurgião Carlos Delgado. «O paciente encontra-se em situação estável. Agora, a equipa médica avaliará a sua saúde mental», para encaminhá-lo para os cuidados necessários, rematou.


PD / estranhomasverdade.com


Alimentação rica em ferro...

O saber não ocupa lugar - 317


Os peixes da espécie Garra rufa são utilizados na limpeza dos pés.

Fazendo sua carta chegar a seu destino


SUA carta está fechada em seu envelope, põe-lhe um selo e a lança na caixa de correio mais próxima. Dificilmente pensa mais no assunto. Está confiante de que sua mensagem chegará até a pessoa mencionada no envelope.
Mas, por que tem tal certeza? Já pensou alguma vez na organização exigida para levar sua carta e milhares de outras de um ponto da terra a outro, às vezes a milhares de quilômetros de distância? Como é que pequenino selo, custando apenas algumas moedas, talvez apenas uma, pode realizar tal notável proeza — levar sua mensagem aos próprios confins da terra? E quem recebe o dinheiro representado pelo selo, visto que a carta talvez atravesse várias terras até alcançar seu destino?
Talvez aprecie ver esclarecidas tais perguntas, bem como outras, tais como: Como foi que o atual sistema postal internacional veio a existir? Que passos estão sendo dados para melhorar e ampliar sua utilidade para a humanidade?


Os Primeiros Estágios


A história primitiva fala dos sistemas de correios entre os persas, os romanos, e os incas da América do Sul, organizados com o único fim de comunicações governamentais. Não havia então nenhum arranjo para o cidadão comum. E, ademais, bem poucos cidadãos sabiam sequer ler e escrever, de modo a tirar proveito de tal meio de comunicação.
Alguns fatores que operaram juntos para produzir súbito aumento na demanda de comunicações foram: a descoberta do hemisfério ocidental, com sua conseqüente difusão populacional; o advento da imprensa; e a grande ampliação das oportunidades educacionais. Para satisfazer tal demanda, Franz von Taxis introduziu um serviço postal internacional no século dezesseis. Operava entre limitado número de estados europeus. Este intercâmbio de correspondência foi governado por acordos internacionais — não uma convenção geral, mas, antes, vários tratados bilaterais.
A era dos navios a vapor e das ferrovias trouxe o transporte a baixo custo de correspondência particular, e grandemente estimulou o aumento das comunicações por carta. As administrações postais se tornaram cônscias da necessidade de padronizar seus métodos e tarifas e simplificar as formalidades envolvidas. A introdução do “selo de um pêni” na Grã-Bretanha em 1840 e a criação do selo postal, por Rowland Hill, foram passos dados na direção certa.
É estranho, não é, pensar que até os meados do século dezenove a correspondência dos Estados Unidos operava sem o benefício de selos ou envelopes como os conhecemos agora? A folha da carta era simplesmente dobrada seguramente e o endereço era escrito do lado de fora. Usualmente a última dobra era presa com cera lacradora. Pagava-se o custo de despacho na agência dos correios, e a quantia era carimbada do lado exterior da carta.
Outro passo à frente surgiu em 1863, quando, por iniciativa de Montgomery Blair, o diretor dos correios dos EUA, quinze países europeus e americanos reuniram seus representantes em Paris, visando ampliar o escopo dos arranjos postais internacionais.


Fundando a União Postal


A grande necessidade, então, era de um congresso ou acordo internacional geral. Alto funcionário da administração postal da Confederação do Norte da Alemanha traçou o esboço para tal união postal com atribuições plenipotenciárias. A convite da Suíça, realizou-se uma conferência em Berna em 1874. Delegados de vinte e dois Estados chegaram rapidamente a um acordo que foi desde então conhecido como Tratado de Berna.
Assim nasceu a União Postal Geral, entrando em vigor em 1.° de julho de 1875. O acesso de muitos novos estados-membros sugeriu um nome mais apropriado, que foi adotado três anos depois, a saber, União Postal Universal.
O vigésimo quinto aniversário da fundação da União foi devidamente comemorado na Suíça por se erguer imponente monumento — um globo erguido em granito toscamente esculpido, com figuras graciosas, representando as comunicações internacionais, rodeando o globo e passando cartas de mão em mão. Milhares de pessoas visitam este local todo ano.
Por cerca de setenta anos, a admissão de novos membros na União foi feita por declaração unilateral, mas, no Congresso de Paris de 1947, este arranjo sofreu emenda. Dali por diante, os pedidos seriam examinados pelo governo suíço, e então apresentados aos membros. A aprovação de pelo menos dois terços era exigida antes de um peticionário ser admitido. O Congresso de Viena, em 1964, determinou que qualquer membro das Nações Unidas poderia ter acesso à União simplesmente por uma declaração formal feita ao governo suíço, e sem precisar dos dois terços de votos de aprovação.
(...)

Entre numa moderna Agência dos correios e observe o grande número de serviços disponíveis ao cidadão comum. Podem-se comprar vales postais quer com destinação doméstica quer para o exterior. Daí, há as encomendas postais e os arranjos de reembolso postal. Também, pode-se registrar e segurar cartas e encomendas de modo a garantir sua entrega — modalidade importantíssima quando o item de correspondência é valioso ou urgente.
A maioria dos centros urbanos ao redor do mundo, e muitas cidades menores, gozam pelo menos de duas entregas por dia — entregas feitas bem na casa ou no local de negócios. Apenas em tempos comparativamente recentes o transporte aéreo de correspondência ajudou a apressar a entrega de cartas e pequenos pacotes em fantástico grau. Agora já se pode receber uma carta enviada de um ponto a uns três ou cinco mil quilômetros de distância em quarenta e oito horas a partir do tempo de expedição!
Já por muitos anos as ferrovias têm contribuído para acelerar e tornar eficientes os correios. Vagões especiais permitem a separação de correspondência a medida que o trem percorre velozmente seu caminho, dia e noite, até algum ponto distante.’ Em algumas pequenas estações à margem da estrada lança-se a correspondência de primeira classe sem parar. Mais do que isso, com ajuda de engenhoso dispositivo, malas postais também podem ser recolhidas pelo trem em movimento.
Assim, há muito mais envolvido na entrega de sua carta do que aquilo que pode ver na sua Agência local dos correios. Apanhar a correspondência, separar e ensacar a mesma e estabelecer o roteiro das mais postais para pronta entrega, são apenas questões de rotina envolvidas na rede mundial dos correios. Não é notável que se’ possa sentar e escrever uma carta a alguém do outro lado do planeta, com razoável expectativa de que sua carta chegará ao destinatário, mesmo se ele ou ela for um prisioneiro de guerra ou um internado civil? E, falando-se em geral, sua carta será inviolável. Muitos poucos países dispõem de pessoal ou da inclinação de censurar os grandes volumes de correspondência que chegam de dia em dia.
Por motivo das operações da União, as tarifas postais se acham ao alcance da maioria das pessoas. E, embora as limitações políticas e econômicas impeçam sua visita a algum parente ou amigo numa terra muito distante, calorosa correspondência pessoal pode ajudar a manter os vínculos familiares ou de amizade.
A velocidade e a eficiência do correio bem montado da Pérsia provocou a admiração de Heródoto, o historiador grego. Sua expressão incluía as seguintes palavras, agora inscritas por cima da entrada’ do Correio Geral da cidade de Nova Iorque: “Nem a neve, nem a chuva, nem o calor, nem as trevas da noite impedem estes correios da execução rápida de suas rondas designadas.” Mesmo enquanto dorme, sua correspondência se apressa a chegar a seu destino.


in Despertai de 8/5/1971 pp. 9-12

Provérbio da semana (16:21)

Ao sábio no coração chamar-se-á de entendido, e aquele que é doce de lábios acrescenta persuasão.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Uma piscina para pobres


Aluno come mosca morta para ter «A» num teste


Um aluno de uma escola da Califórnia, nos Estados Unidos, comeu uma mosca morta para ter um «A» num teste, depois de um desafio lançado pelo professor de Álgebra. O docente terá prometido dar nota «A» a quem engolisse o insecto, mas Stephen Zeldag alega que o professor não cumpriu a promessa. A notícia é avançada pela estação de televisão norte-americana CBS. Stephen Zeldag, que estuda no colégio Oak Ridge em El Dorado Hills, na Califórnia, conta que, em Outubro, o professor de álgebra II matou uma mosca com as mãos durante uma aula e desafiou um dos alunos a comê-la. «Se alguém comer esta mosca, dou-lhe um A na prova», terá dito o professor. Stephen Zeldag não pensou duas vezes: aceitou o desafio e comeu o insecto. O estudante e o docente selaram o acordo com um aperto de mão. Para surpresa de Stephen, o professor não respeitou o acordo: quando o resultado do teste chegou a nota era «F». Em 46 perguntas, o aluno apenas tinha acertado em nove. Num canto da prova, o mestre colocou um «A», com o texto: «aqui está o teu A no teste», mas na pauta o estudante levou um «F». Só nessa altura, Stephen percebeu que tudo não tinha passado de uma brincadeira. Contactado pela CBS, o director da escola afirmou não ter conhecimento do caso, mas garantiu que vai abrir uma investigação. Stephen Zeldag conta agora que não comunicou o caso ao director da escola, com medo de represálias do professor. Triste por ter sido enganado, o aluno diz que ainda reclamou junto do docente, mas sem sucesso. Stephen Zeldag pediu ao professor para repetir a prova, mas o docente recusou.

in http://www.tvi24.iol.pt/ / estranhomasverdade.com


Só digo o seguinte: tanta burrice merece mesmo um "F"...

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Burros espertos "resgatam" mulher enterrada viva


Dois burros salvaram sua dona no vilarejo de Wartga, nos arredores de Sidi Bouzid, a 300 km de Tunis, capital da Tunísia. A mulher tinha sido enterrada viva, depois de entrar em coma profundo. Os médicos informaram que a paciente tinha morrido.Os familiares preparam então os rituais fúnebres, seguindo a tradição muçulmana do país. Houve o cerimonial e a moça – que não teve o nome divulgado e é casada e tem dois filhos – foi enterrada.A sepultura ficava na propriedade onde ela morava, um pequeno sítio. Segundo a TV local Al Arabiya, os burros ficaram desolados com a morte da dona, que, contaram parentes e amigos, “eram os bichos de estimação dela”.Pois parece que eles sentiram o baque mesmo. Plantaram-se sobre a tumba da dona e não saíram mais de lá. Ficaram horas sobre o túmulo. Uma amiga da mulher enterrada percebeu algo estranho com os animais, que ficavam cheirando o local.A moça foi até a sepultura e se assustou com os gritos vindos de lá.
- Ela está viva, minha amiga está viva! - berrou a mulher.Familiares chamaram coveiros, que desenterraram a ex-defunta. Ela passou duas horas dentro do túmulo, de acordo com a reportagem da TV.


R7.com / portaldascuriosidades.com
Nem sei o que é passível de ser comentado: se a postura inteligente dos burros ou a postura burra dos inteligentes que enterraram a senhora viva...

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Homem preso por estar nu na própria cozinha


Eric Williamson, de 29 anos, vive em Springfield, na Virginia, e insiste que «não fez nada de mal». Garante mesmo que qualquer «exposição das suas partes íntimas foi puramente acidental». Num determinado dia, foi colocar o café a fazer pouco depois às 05h30 na sua cozinha, quando uma mulher passou na rua com o seu filho de sete anos e o viu nu. De imediato chamou a polícia que o deteve. A notícia é avançada pela «Skynews». A porta-voz da polícia de Fairfax County, Mary Ann Jennings, explicou que a mulher se queixou que ele «se exibiu várias vezes através da grande janela da cozinha». Mas Williamson justifica: «Estou sozinho em casa. Todos os meus colegas saíram para trabalhar e eu venho, à cozinha da minha casa, fazer o café». «Não falei com ninguém, não vi ninguém. Nem sequer pensei que estava nu. Simplesmente vim pôr o café a fazer e se parecia "confortável" é normal, já que estou dentro da minha casa», acrescenta. Pai de uma menina de cinco anos garante: «Nunca faria isso de propósito frente a uma criança. Sou um pai responsável e quem me conhece sabe isso». Em declarações à «Skynews», um advogado não directamente relacionado com o caso, explicou que «para ser considerado crime é preciso que se prove que ele sabia da presença das pessoas na rua, enquanto estava nu na cozinha. É preciso que haja um comportamento exibicionista intencional». Ainda de acordo com o causídico se «a exposição não foi intencional, se foi acidental ou inadvertidamente, não é crime». A provar-se que foi acidental a porta-voz da polícia garantiu que não avançará com o caso.


PD / estranhomasverdade.com


Isto é o que dá beber café! Que droga horrível! :-p

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Negócio dos preservativos na China atrai falsificadores


A China vende anualmente mais de 2000 milhões de preservativos, um negócio de centenas de milhões de euros que já alastrou à Internet e atraiu também alguns falsificadores, revelou hoje um jornal oficial. A polícia chinesa descobriu no Verão passado na província de Hunan, sul da China, uma fábrica clandestina que terá produzido cerca de 2,1 milhões de preservativos não esterilizados, metade dos quais já foram vendidos. Num caso idêntico, ocorrido em Junho de 2008, em Ningbo, na costa leste, a polícia apreendeu cerca de meio milhão de preservativos falsos. A China é o quarto mercado de preservativos do mundo, a seguir ao Reino Unido, Estados Unidos e Japão, refere o mesmo jornal. É um negócio que factura por ano o equivalente a 365 milhões de euros e já é feito, também, através da Internet. O Global Times, um jornal do grupo Diário do Povo, o órgão central do Partido Comunista Chinês, adverte, contudo, que "muitas lojas online oferecem preservativos baratos e sem indicação do local de produção. Segundo o jornal, a falsificação afecta também as marcas estrangeiras mais conhecidas. Nestes casos, uma caixa com doze preservativos é vendida por 15 yuan (1 euro e meio), um terço do preço legal. O ano passado, um jornal de Wuhan, no centro da China, disse que um terço dos preservativos à venda na cidade eram falsos.


Lusa / estranhomasverdade.com


Tenham cuidado, muitooooooo cuidado! Ou medo, muitoooooo medo!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Sai mais barato pagar à vista


“COMPRE AGORA — PAGUE DEPOIS!” Essa idéia bombardeia constantemente as pessoas em muitos países hoje. Estão sendo persuadidas a crer que a coisa a fazer é comprar um produto anunciado, daí, pagar mais tarde, por um período de tempo. Isto se chama ‘comprar a prazo’, ou comprar a crédito.
No entanto, comprar agora para só pagar depois realmente significa endividar-se. E cada vez mais pessoas fazem isso. Como declarou o economista John Kenneth Glalbralth: “As pessoas mudaram seu conceito sobre as dívidas. Assim, tem havido um inexplicável mas bem real recuo do cânone puritano que exigia que a pessoa economizasse primeiro para gozar depois.
Comentando esta tendência, um economista do Instituto de Pesquisa de Motivação, disse: “Em geral, estamo-nos desviando cada vez mais duma cultura puritana para uma hedonística . . . O cartão de crédito é um símbolo desta era hedonística. Obtemos nossos prazeres, nossas compras, nossa diversão, antes de realmente os termos ganhado pelo trabalho.”
Nos EUA, tantas são as pessoas agora endividadas que Hillel Black, em seu livro Buy Now, Pay Later (Compre Agora, Pague Depois), declarou: "O resultado tem sido uma explosão no crédito ao consumidor que torna a explosão demográfica pequenina, em comparação. . . . A dívida particular total é certamente maior do que a dívida particular combinada do homem através da história. Jamais tantos deveram tanto.”


Como É Pago


Como é pago todo este débito? Sai dos proventos futuros da pessoa, dinheiro que não possui agora, mas que espera ganhar.
Eis onde surge o problema. Números, avolumantes de pessoas verificam agora que não conseguem pagar todas as suas compras a crédito. Como declarou um porta-voz da Associação Estadunidense de Cobradores: “As pessoas saem e usam o crédito sem realmente saberem de que se trata. A pessoa mediana não conhece a responsabilidade que assume quando abre uma conta. Fica chocada no fim do mês quando descobre que tem gasto mais dinheiro do que ganha.”
Por algum tempo, os financistas se quedaram pensativos sobre o que aconteceria com toda a dívida se a nação sofresse qualquer retrocesso econômico prolongado. O que fazer se os trabalhadores não ganhassem tanto, ou perdessem por completo o emprego? — perguntaram. Os peritos não mais têm de se quedar pensativos. Agora sabem, pois os EUA estão sentindo uma recessão econômica, mesmo com os preços continuando em escalada.
Como resultado, muitos trabalhadores perderam seus empregos, ou sofreram redução salarial. Isto tem feito com que mais pessoas fiquem em dificuldades econômicas do que em qualquer tempo desde os anos da depressão. Estão endividadas, mas agora não podem pagar as dívidas. Por isso, crescente número estão abrindo falência, as coisas que compraram retornando aos credores.
Até mesmo muitos que têm empregos sofrem dificuldades por causa de demasiadas dívidas. Em Atlanta, EUA, certo banqueiro disse: “Quase todo mundo vive além de suas posses nos níveis de renda médio e baixo. A família típica conseguia manter-se até recentemente por poder fazer mais empréstimos, mas o crédito restrito acabou com isso e agora muitas pessoas não conseguem ‘fazer empréstimos para liquidar suas dívidas’.”
A situação é justamente como observou Newsweek: “Deveras, a queda já atingiu amplos números de estadunidenses de uma forma ou de outra.”


Vale a Pena Pagar à Vista


Não só o ‘crédito fácil’ induziu muitos a comprar coisas que não estão a seu alcance real, mas, ao assim fazer, perdem dinheiro. Têm de pagar mais pelo produto por causa dos juros cobrados.
Deve-se lembrar que emprestar dinheiro é enorme negócio porque é proveitoso para quem empresta. Com efeito, muitas companhias não desejam que os fregueses paguem à esta, por causa do enorme lucro obtido de juros nos pagamentos a prazo. Alguns lucram mais nos juros do que lucrariam com o próprio item se tivesse sido pago à vista!
Nos EUA, cerca de 25 centavos de cada dólar no pagamento de dívidas atualmente vai para o pagamento de juros. Isto significa que as pessoas que dependem do crédito não obtêm o pleno valor de seu dinheiro. Estão, em realidade, desperdiçando muito dinheiro arduamente ganho. Se comprassem itens à vista, teriam mais para gastar.
Um exemplo do que pode ser economizado quando se compra à vista; é observado em Buy Now, Pay Later: “Um loja vende um refrigerador por US$ 329.95. Num contrato de vinte e quatro meses, com uma entrada de US$ 10, o Sr. Consumidor paga à loja US$ 66 extras para o crédito.” Pense em quantos litros de leite esses US$ 66 teriam comprado! Quanta carne poderiam ter comprado, quanta roupa para a família? Comprar tal item a crédito foi como rasgar e jogar fora US$ 66 .
Não, o crédito não é barato, de forma nenhuma. Os pagamentos de juros reais podem variar de 12 por cento até o dobro ou mais do custo original.


O Proceder Sábio


As dificuldades econômicas não desaparecerão no futuro. O proceder sábio é manter equilibrado o conceito da pessoa sobre as coisas materiais.
Compre apenas o que estiver a seu alcance. Sempre que possível, pague à vista para evitar pagar juros. Se desejar um item que não precisa agora, comece a economizar para comprá-lo. Ponha o dinheiro no banco ou empregue-o para obter dividendos. Daí, quando tiver o dinheiro de que precisa, compre tal item à vista.
Quando fizer quaisquer compras, pague-as prontamente. As vezes as firmas dão descontos para pagamentos à vista, o que lhe economizará dinheiro. Se tiver de usar crédito, certifique-se de que é apenas para algo indispensável. Use o crédito mui esparsamente, e leia as partes impressas em letrinhas miúdas dos contratos para saber exatamente quanto está pagando além do preço à vista.
Outra sugestão prática: Visto que já se provou que as pessoas com cartões de crédito usualmente compram mais do que quando, compram à vista, uma boa idéia qual o vai fazer compras e deixar seus cartões de crédito em casa!
Jamais permita que um vendedor o encha de dívidas por lhe falar do ‘crédito fácil’. Não existe tal coisa. Todo o crédito é difícil. Pergunte a alguém que agora não consegue efetuar os pagamentos ou que tem de se declarar falido. Sim, sai mais barato pagar à vista. É mais fácil não só para a carteira, mas para o sistema nervoso também, pois pode poupar-lhe de muita angústia.


in Despertai de 8/5/1971 pp. 7-8

Provérbio da semana (16:19)

Melhor é ser humilde em espírito com os mansos, do que repartir despojo com os que se enaltecem.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

O terror dos restaurantes

Um homem entra numa tasquinha e pede uma sopa do dia. Quando o empregado vinha a servi-la o homem diz:
- Não se importa de aquecer a sopa um pouco mais?
O empregado levou a sopa para dentro da copa e, quando voltou com ela já aquecida, o homem voltou a pedir-lhe:
- Não se importa de aquecer a sopa um pouco mais ainda?
Quando o empregado voltou para servir a sopa pela terceira vez, disse para o homem:
- Espero que agora já esteja suficientemente quente!
Ao que o homem lhe respondeu:
- Não, enquanto você trouxer os dedos dentro da sopa, é porque ela não está suficientemente quente!!

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Amante fotografado a fugir pela janela


Um homem fugiu pela janela de casa da amante quando foi descoberto pelo marido da senhora. A fotografia, tirada na China, corre o Mundo. É um clássico do cinema: marido entra em casa, anuncia-se com um “querida, cheguei” e o amante salta da cama à procura de refúgio. Apressa-se, indeciso entre o clássico armário ou a janela, enquanto a mulher se recompõe.
Na vida real, Sun Meng optou pela janela. Ainda estão por esclarecer as circunstâncias que o denunciaram, mas as imagens, a circular na Internet, mostram um amante encolhido ao frio, a temer pela vida em cima de um aparelho de ar condicionado, do lado de fora de um prédio. À janela, o marido enganado."As pessoas riem-se ao ver-me nu, mas devo lembrar que estava muito frio", disse Sun Meng. O susto, de morte, também deve ter contribuído para esfriar o ânimo do amante. "Sei que o que fiz foi errado, mas tinha medo que ele me matasse", acrescentou, em declarações recortadas do "The Daily Telegraph".O insólito aconteceu em Chengdu, capital da província de Sichuan, no centro da China e corre o Mundo. As imagens foram captadas por um vizinho. "A minha família está envergonhada e não me fala", lamentou Sun Meng, de 25 anos.


in JN / estranhomasverdade.com
Pensava que isto só acontecia nos filmes!!! LOL

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Ponto de vista interessante...

O Joãozinho estava batendo a um menino que deveria ter metade da sua idade no meio da rua. Um senhor que passava por eles aproximou-se e separou-os, dizendo ao Joãozinho:
- Não tens vergonha? Bater num menino bem menor do que tu? És um cobarde!
- O senhor queria o quê? - Respondeu ele. - Que eu ficasse à espera que ele crescesse?

Iguarias nas Filipinas


MANILA, cidade internacional em sua composição e gosto, é um lugar onde se pode obter quase qualquer tipo de prato estrangeiro que se possa imaginar. A população aqui se compõe de muitas raças, sendo produto de diversas culturas. A raça malaio-polinésia foram acrescentadas generosas porções de variedades chinesas, espanholas e estadunidenses, bem como de outras raças. Em resultado, somos orientais com apelidos estadunidenses, nomes de família espanhóis, e falamos tegalo, inglês e um pouco de espanhol, para não mencionar os mais de oitenta dialetos locais.
Com esta mistura de fundo e cultura, seria apenas de esperar que os paladares variassem. Dos chineses, por exemplo, temos escabeche ou peixe agridoce; dos espanhóis, bife mechado ou sauté; o nosso nilagang manok, ou galinha cozida, faz lembrar o francês pot-au-feu; e simplesmente prezamos cachorros quentes e hamburgos.
Embora muitos destes pratos estrangeiros tenham sido confortavelmente naturalizados, os pratos simples nativos ainda retêm seus atrativos. Um destes, o adobo, é quase colocado como nosso prato nacional. O que é? É uma combinação de galinha e fatias de carne de porco bem temperadas com grãos de pimenta e dentes de alhos esmagados brandamente para ressaltar o aroma. Adiciona-se também o vinagre nativo. Quando lhe for oferecido este prato pela primeira vez, talvez ache que o cheiro pungente é uma barreira grande demais. Mas, simplesmente poderia surpreender suas papilas gustativas.
Do norte do país vem o papait ou pinapaitan. Realmente tem melhor gosto do que talvez pareça quando o não iniciado lê a nossa receita: Tome um cabrito, alimente-o com bastantes folhas de tamarindo para limpar seu estômago, mate-o e então chamusque-o no fogo ardente até que a superfície fique preta. Raspe-a e limpe a pele. Corte a pele em pedaços junto com as partes limpas da carne, esprema a bílis, tempere com condimentos e sirva com basi, um licor ardente nativo que é feito de suco fermentado de cana de açúcar.
No sul poderá verificar que o kinilaw tem lugar honroso a mesa. Trata-se de peixe cru cortado em cubinhos do tamanho desejado e lavado com vinagre duas ou três vezes. Cebola, gengibre, vagens ardidas nativas e alho picado são então acrescentados. Suco de limão e vinagre são derramados na mistura. Leite de coco pode ser acrescentado, também, bem como sal.
Um símbolo da hospitalidade filipina é o lechon ou leitão assado por inteiro. Seja qual for o motivo para uma refeição comunal, a festa não é considerada completa sem o leitãozinho assado enfeitando o centro da mesa festiva, com suas folhas verdes de bananeira.
A dona de casa de Luzon Central é conhecida por seu engenho e por ser cheia de recursos. Pode preparar pratos que agradem o coração do homem e ao mesmo tempo estejam ao alcance de seu orçamento. Há, por exemplo, a humilde camote ou batata doce. As raízes são usadas da mesma maneira que a batata inglesa. As folhas, também, são usadas como legume ou transformadas em salada. Não raro são cozidas junto com peixe ou outra carne. Daí, junto com fatias de tomate, cebolas, ovos cozidos e vinagre, a camote se transforma em deliciosa refeição.
A banana é outro favorito. Quando madura, torna-se excelente sobremesa. Caso contrário, pode ser cozida, fritada, tostada, adoçada ou cozida junto com leite de coco.
Quanto ao método de cozinhar, dispomos de grande variedade. Muitos afirmam que os pratos cozidos em vasos de barro têm melhor sabor. Em Iloilo, vão um passo adiante. Para cozinhar a galinha binakol, usa-se um tubo de bambu verde. Depois de todos os ingredientes terem sido colocados lá dentro, sela-se a abertura com capim-limão, e estes receptáculos são colocados diagonalmente sobre brasas vivas, com a extremidade para cima, para impedir que o conteúdo escorregue para baixo.
Onde há abundante feno seco, como em Bulacan, a cozinheira traspassara estacas de bambu pontiagudas pelos pedaços de galinha, dum modo bem parecido ao de se fazer churrasco na brasa. Mas, ao invés, ela enterra as pontas e então as cobre com uma caçamba ou lata grande. Empilha-se feno seco por cima e por toda a volta da caçamba e então põe-se fogo. Em dez minutos está tostadinha.
É interessante experiência familiarizar-se com os alimentos de outros povos, e é ainda mais deleitoso chegar a conhecer as próprias pessoas. Há pessoas de outras nacionalidades em sua comunidade? Por que não faz o esforço de conhecê-las?


in Despertai de 8/4/1971 pp. 28-29

Provérbio da semana (16:18)

O orgulho vem antes da derrocada e o espírito soberbo antes do tropeço.

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.