National Geographic POD

Brandus dream list

Mensagens populares

sábado, 22 de novembro de 2014

A música conVIDA... ao relacionamento

Por vezes julgamos que estamos sós neste mundo, abandonados ao nosso destino. Por muita gente que nos rodeie, este sentimento pode ser muito comum. A sensação de abandono é muito estranha, especialmente quando temos pessoas à nossa volta.
Mas, muitas vezes, a esperança é renovada. Os relacionamentos humanos tornam-se mais palpáveis, mais consistentes, e, em alguns casos, quase sem darmos por isso, como se alguém nos surpreendesse, alguém inesperado. São assim os humanos, tão distantes quanto tão presentes.

For a while I thought I fell asleep
Lying motionless inside a dream
Then rising suddenly I felt a chilling breath upon me
She softly whispered in my ear

sábado, 8 de novembro de 2014

Pink Floyd



The Endless River. Um álbum histórico, o último da maior banda rock de sempre. O que dizer? Resumindo, é o regresso às origens. Músicas instrumentais, com um ambiente psicadélico e espacial, embora com o toque de modernidade que nos afasta dos anos 70. Faixas curtas, para não cansarem, mas que devem ser ouvidas de seguida, tal como aconteceu com The Wall. Também este álbum conta uma história, a história dos Pink Floyd, basta estarem atentos à letra da música final, "Louder than words". O legado da banda é bem expresso com a frase "It's louder than words, This thing that we do" - "Fala mais alto que palavras, o que nós fazemos". É isso mesmo. A sua obra dispensa palavras para descrever o que significa o trabalho dos Pink Floyd no contexto da música. A coerência deste álbum final está na ligação que se faz entre a 1ª música "It's what we do" e a última "Louder than words".
Para os poucos que não entendem a música dos PF, até aposto que a expressão favorita vai ser: "Ah, isto é música de elevador!".
Mas para os milhões que apreciam a arte musical dos PF, este álbum representa uma "never ending story", ou, por outras palavras, um "endless river". Obrigado, Pink Floyd. Semper fi!

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Palavra da semana ( 58 )

re·si·li·ên·ci·a

(inglês resilience)

substantivo feminino

1. [Física]  Propriedade de um corpo de recuperar a sua forma original após sofrer choque ou deformação.

2. [Figurado]  Capacidade de superar, de recuperar de adversidades.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

O saber não ocupa lugar ( 380 )




Os camarões possuem o coração localizado na cabeça.

( é o que se chama pensar com o coração! Literalmente... )

domingo, 7 de setembro de 2014

Raridades e Recordações ( 112 )

O amor é o mais importante...

You say
Love is a temple
Love a higher law
Love is a temple
Love the higher law
You ask me to enter
But then you make me crawl
And I can't be holding on
To what you got
When all you got is hurt

One love

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Examinando mais de perto a língua




‘ESTIQUE a língua e diga Aahh!’ Nem é possível imaginar o número de vezes que os médicos repetiram isso com o passar dos anos. Os médicos há muito avaliam a importância da aparência da língua ao examinarem um doente. Em especial, no passado, os médicos tinham de confiar mais em suas próprias faculdades de observação do que nos testes de laboratório.
Ao passo que a língua deveras reflecte certas mudanças ou doenças em outras partes do corpo, verificou-se que raramente pode ser usada para diagnosticar uma doença específica. No entanto, a escarlatina é uma das doenças em que a condição da língua é de importância no diagnóstico, a pessoa que tem esta doença ficando com o que se chama de “língua amorangada”.

A Língua e Sua Superfície

Um órgão ímpar, a língua é um maço bem móvel de músculos recobertos de uma superfície extremamente sensível.
Os músculos na língua podem achatá-la, enrolar sua ponta e até as extremidades quando assobia. Tais movimentos tornam-se possíveis graças a os músculos da língua serem entretecidos e correrem em várias direcções. Há músculos que começam na ponta da língua e se estendem para trás. Há músculos que vão em geral de um lado para o outro. E há os que sobem e descem. Todos eles permitem à língua seus variados movimentos.
A superfície da língua é constituída de numerosas projecções pequenas que dão a ela a sensação um tanto aveludada. (Na família dos gatos, as saliências da língua são bastante grandes e bastante duras para dar à língua a sensação duma grosa.) Estas pequenas saliências (chamadas “papilas”) podem ser facilmente vistas por colocar a língua para fora e secá-la numa pequena área com um pano macio e limpo. Se fizer isso, notará que há tipos diferentes de saliências.
As mais numerosas são as papilas rosas, delgadas, filiformes, uniformemente distribuídas por toda a superfície da língua. São usualmente as primeiras a desaparecer em algumas doenças, inclusive certas desordens nutritivas.
Outro tipo de pequena saliência é parecida a pequenos galos arredondados na superfície da língua. Há menos destas papilas fungiformes, e são em geral um pouco mais vermelhas do que as outras. Também desaparecem às vezes.
Se esticar a língua o bastante, poderá ver um tipo maior de pequenas papilas bem na parte de trás de sua língua, perto da garganta. São como torres baixinhas e achatadas cercadas de um fosso. Há de sete a onze destas papilas caliciformes que formam um “V” na parte de trás de sua língua.
Ainda outras saliências têm a aparência de dobras nos lados da língua, perto da parte de trás.

Revestimento da Língua

A superfície da língua às vezes se torna “ensaburrada” ou recoberta. Na realidade, a formação duma camada sobre a língua é um processo natural e contínuo. No entanto, esta camada é usualmente removida pelo fluxo de saliva, pela mastigação dos alimentos, pela fala e pelo engolir. A camada geralmente se compõe de pequenas partículas de comida, pelas bactérias e células que descamam da superfície da língua duma forma similar em que a pele elimina as células mortas. A quantidade de revestimento que se desenvolve, naturalmente, varia com cada pessoa e também com as ocasiões diferentes do dia.
Qualquer condição que interfira na limpeza normal da língua poderá produzir uma língua com revestimento anormal. Entre os factores que podem contribuir para isso se acham a dieta macia, a respiração pela boca de alguns, a falta de atenção à higiene bucal, fumar a desidratação durante as febres, e a falta dum fluxo normal de saliva. Falando-se de modo geral, a língua ensaburrada ou recoberta indica uma condição um tanto reduzida de saúde. Quando a pessoa tem uma perturbação digestiva, prejudica-se o processo de renovação da camada superficial de células da língua, e elas se acumulam, resultando na língua “ensaburrada”. Em muitos casos, um revestimento pode ser removido da língua por meio duma escova de dentes na ocasião em que se escovam os dentes.

Outras Mudanças e Condições

As mudanças da textura da superfície e na cor da língua são provavelmente de muito mais significado do que o seu revestimento. Mesmo nesse caso, contudo, o médico precisa saber mais sobre a pessoa antes de diagnosticar uma doença específica. A língua deveras reflecte mudanças em outras partes do corpo, mas não é decisiva. A condição da língua poderá indicar a necessidade de o médico fazer outros exames para localizar a causa.
Há doenças que podem afectar especificamente a língua, tais como o câncer e a sífilis. No entanto, a língua, mais frequentemente, apresentar mudanças e condições que não são realmente prejudiciais. Os nomes às vezes são mais atemorizantes do que as próprias doenças — nomes tais como língua pilosa, ou língua negra, ou língua geográfica descrevem condições que são geralmente inofensivas.
Assim, não tire conclusões injustificadas se a sua língua parece ter aparência estranha. A causa poderia ser tão pequena quanto a ponta aguçada dum dente ou duma obturação, que pode causar uma irritação de sua língua. Naturalmente, isto deveria ser removido, de modo a não causar mais dano.
Uma das causas mais comuns de uma condição indesejável da língua, segundo se afirma, se deve à deficiência de Vitamina B. Sulcos e arestas na língua têm sido atribuídos a uma falta prolongada da Vitamina B. Tem-se verificado que uma língua colorida e purpurina poderá ser o resultado da carência de Vitamina B2. Na anemia perniciosa, a língua tem uma aparência vermelha carnuda, sendo suave e brilhante, indicando a carência da Vitamina B12. Uma língua vermelha brilhante poderá ser causada por uma deficiência de niacinamida (nicotinamida). E, alguns crêem que uma grande língua carnosa poderá ser o resultado da carência de ácido pantotênico.

Vital Para a Fala Eficaz

Tão importante é a língua para a fala que a frase “língua estrangeira” também significa “idioma estrangeiro”. A fala é extremamente defeituosa nas pessoas cuja língua foi removida.
Ao falar, os movimentos da língua talvez sejam os mais precisos que tal órgão possa fazer. Por tocar e não tocar os dentes e o céu da boca, a língua ajuda na formação e na articulação de vários sons. Se pronunciar bem vagarosamente o alfabeto em sua língua, notará os muitos movimentos que sua língua tem de fazer. Observar outra pessoa falando é outro modo de avaliar seus movimentos rápidos. Alguns tentaram tornar-se destros no manejo da língua por dizerem rapidamente o que é conhecido como torcedores da língua, tais como ‘o rato roeu a roupa do rei de Roma’ e ‘sabia que o sabiá sabe assobiar?
Até mesmo algumas palavras bem simples mantém a língua bem ocupada. Tome-se a palavra “tema”, por exemplo. Por comprimir ligeiramente a língua contra a parte de trás dos dentes superiores, interfere-se na corrente respiratória e produz-se o impacto necessário. Daí, a língua se abaixa e recua para pronunciar o “ma”. Apenas para uma palavra pode haver bastante movimentação deste feixe de músculos. Multiplique isto por 150 a 200 palavras por minuto, e pode-se ver quão rápido a língua precisa movimentar-se para acompanhar o passo da mente.

Deleite do Paladar

Uma função muitíssimo deleitosa da língua é a de captar e transmitir a sensação do paladar. Esta sensação é captada por cerca de 3.000 papilas gustativas que se localizam entre as diminutas saliências que constituem a superfície da língua. Cada uma destas papilas só percebe a espécie de paladar para a qual foi destinada.
Há quatro paladares fundamentais que a língua percebe: o doce, o salgado, o ácido e o amargo. Cada um destes sabores básicos é percebido mais ou menos numa área específica da superfície da língua. As coisas doces podem ser percebidas na ponta da língua. Aquelas papilas gustativas nos lados, perto da ponta, percebem a sensação de salgado. Também, nos lados, em direcção à parte de trás, há papilas gustativas que transmitem as sensações do ácido. O amargo é percebido próximo da parte de trás da língua, junto à garganta. Uma área no centro da língua não tem papilas gustativas.
Que alegria estes diminutos receptores químicos podem trazer quando se ingere uma refeição bem temperada! E o Criador proveu tamanha variedade de alimentos deliciosos para o prazer e o deleite do homem. Contraste isto com a forma em que o alimento parece não ter sabor algum quando tem um grande resfriado na cabeça, e poderá sentir o valor duma língua saudável. Sua língua poderá dizer ao médico algumas coisas sobre sua saúde, mas, nos campos da fala e do paladar, ela lhe é de muito maior valor.

in Despertai de 22/7/1973 pp. 17-19

terça-feira, 15 de julho de 2014

sexta-feira, 27 de junho de 2014

A música conVIDA... à simplicidade

Quando somos jovens, tudo parece tão simples. Ao crescer entendemos que a vida é feita de dificuldades, muitas criadas por nós, muitas outras criadas por alheios, que também gostam de complicar o que é simples. A própria vida está carregada de atritos, é verdade, acho que faz parte, mas os problemas começam quando nos querem fazer crer que temos de complicar, quando nos ensinam que a simplicidade não resolve. Eu cá acho que a vida é mais simples do que parece...

When I was young, it seemed that life was so wonderful,
A miracle, oh it was beautiful, magical.
And all the birds in the trees, well they'd be singing so happily,
Joyfully, playfully watching me.
But then they send me away to teach me how to be sensible,
Logical, responsible, practical.
And they showed me a world where I could be so dependable,
Clinical, intellectual, cynical.

sábado, 31 de maio de 2014

Mar de paixão

Ondas revoltas percorrem o corpo
De quem procura vencer a tempestade
Complicado chegar a bom porto
Quando a paixão se torna ansiedade

Ventos percorrem o mar de paixão
Vagas altivas, muralhas de água
Que impedem a lei da razão
Transformam o amor em grande mágoa

Velas que orientam um destino incerto
Âncoras que suportam um suposto amor
Marinheiros orquestram um notável concerto
Entre vagas de paixão e ardor

A bússola aponta o caminho
Mas a penumbra não permite ver terra
Triste sina daquele a quem falta o carinho
Em vez de paixão, encontra guerra!

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Palavra da semana ( 57 )

es·co·po |ô|

(latim scopus, -i, do grego skopós, -oú, observador, espião, vigilante)
substantivo masculino

1. Local bem determinado a que se aponta para atingir. = ALVO, MIRA
2. Objectivo que se pretende atingir. = DESÍGNIO, FIM, INTUITO, PROPÓSITO
3. Limite ou abrangência de uma operação (ex.: ainda não definiram o escopo da campanha).

sexta-feira, 16 de maio de 2014

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Raridades e Recordações ( 111 )

Por vezes basta estar dois passos atrás...

(Whatever you do)
I'll be two steps behind you
(Wherever you go)
And I'll be there to remind you
That it only takes a minute of your precious time
To turn around and I'll be two steps behind


segunda-feira, 28 de abril de 2014

Solidão

Percorrendo vielas obscuras
A solidão invade e destrói
Vidas confusas, cheias de loucuras
Não é quem procuras, não é o teu herói

Tristezas que impedem a emoção
Desgosto por ser o que não sou
Vivendo uma vida sem paixão
Solidão de quem nunca amou

Estranho viver de quem não está só
Rodeado de humanidade vazia
Procurando quem transmita conforto, oh!
Tarefa impossível, sem consequência!

Quando procuras a tua solidão
Buscas quem te faça companhia
Encontras o caos, anarquia e confusão
Sozinho ficas na falta de simpatia

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Frutas incomuns dos trópicos




QUANDO nós, recém-chegados, pisamos pela primeira vez no solo da América do Sul, no país tropical do Equador, era um dia quente do verão meridional de Dezembro. A súbita mudança do tempo congelante que acabáramos de deixar no hemisfério norte foi bastante sentida, mas nos deu tremenda sede. Como apreciamos quando Carlos, nosso, anfitrião, nos serviu um geladinho refresco de frutas.
U-m-m! Que delícia! Mas, de que era? Jamais tínhamos provado nada semelhante. Nosso anfitrião explicou que era suco de naranjillas. Naranjilla, nome espanhol, significa laranjinha. Tinha um sabor delicado que nos fazia lembrar uma mistura de abacaxi, laranja e maçã, talvez com uma pitada de suco de tomate. A fim de fazer este refresco, Carlos explicou como primeiro descascou a fruta, colocou-a num liquidificador, adicionou água e adoçou com um pouco de açúcar.
Alguns dias depois, vimos algumas naranjillas numa banca do mercado. Tinham sido trazidas de seu lar nas selvas, sob as altaneiras montanhas dos Andes. A distância, pareciam deveras pequenas laranjas, tendo cerca do tamanho de tangerinas. Mas, ao chegarmos perto, a aparência mudou de laranjas para tomates de casca brilhante. No entanto, quando apanhamos uma, ficamos surpresos de descobrir que tinha diminuta penugem, um tanto como o pêssego, mas penugem dura e quebradiça. Que fruta estranha é esta laranja penugenta, parecida a um tomate!
Bem alto nos Andes, os habitantes da serra têm àquilo que chamam de tomate de árbol, que cresce em seus quintais junto com uma variedade de flores tropicais. As plantas têm uns dois metros e setenta e dão frutos multicoloridos, que variam do laranja’ brilhante ao púrpura forte. O fruto não é redondo como um tomate, mas é oblongo e nos extremos tem a forma de uma pequena bola ,de futebol americano. E o gosto? Bem, é um tanto parecido com o suco de tomate, apenas que é mais doce. Não só constitui uma deliciosa bebida, mas também serve para conservas deliciosas.

Apresentando Outras Frutas Estranhas

Pouco tempo depois, tivemos outra experiência agradável quando nos serviram pela primeira vez a badea. A badea cresce numa trepadeira e assemelha-se a pequena melancia, com casca tão brilhante que parece que acabou de ser encerada. Constitui também deliciosa bebida que sabe ao suco de abacaxi, mas sem a acidez do abacaxi. Nossa grande surpresa, contudo, surgiu quando verificamos que tal bebida estava cheia de sementes e nos mandaram engoli-las, assegurando-nos de que era a melhor parte. Mastigar tais sementes (cerca do tamanho das da melancia) dava à bebida um sabor completamente diferente, fazendo-nos lembrar certas uvas produzidas no hemisfério setentrional.
Em contraste com a naranjilla e a badea, a aparência exterior da chirimoya certamente não é atractiva. Tem cerca do tamanho e a forma duma bola de softball, dum verde embotado, e tem pele escamosa como a dum réptil. Assim, pode imaginar a surpresa que tivemos quando enfiamos pela primeira vez os dentes numa chirimoya e verificamos que tinha o sabor como de pêras maduras misturadas com creme e açúcar, apenas que eram mais macias! Muitos gostam de comer esta fruta fresca, mas outros preferem transformá-la em sorvete. De qualquer jeito, é preciso admitir que não se pode julgar a chirimoya despretensiosa por sua casca, assim como não se pode julgar um livro pela sua capa
Certo dia, quando passávamos pelo carrinho dum vendedor, um amigo nosso parou e comprou o que se chama de guabas. São compridas, verdes e achatadas, e são tão curvas como a bainha dum sabre. Tomando a guaba em sua mão, nosso amigo deu com ela contra a parede do prédio a fim de romper sua casca dura. E, eis que lá dentro havia uns doze ou vinte glóbulos de algodão branco como a neve, cada glóbulo contendo uma grande e brilhante semente preta. O agradável sabor doce da guaba é bastante convincente: esta deve ser a original bala de algodão dos trópicos!
Provavelmente, o tratamento mais popular para pequenos males do fígado aqui no Equador seja uma bebida feita da fruta chamada tamarindo. E, caso procure o tamarindo no mercado, procure o que se parece a grandes feijões em vagens marrons com de 15 a 20 centímetros. Daí, lá dentro, ao invés de feijões, conforme esperava, a vagem está cheia duma substância pegajosa que se parece muito com a polpa das ameixas, e, naturalmente, há caroços. A bebida feita desta fruta é bastante agradável, um tanto parecida com a cidra de maçã. Mas, lembre-se, é um laxativo brando. No entanto, se for isso que desejar, concordará que certamente é um remédio de óptimo sabor!

A Mais Popular de Todas

O mamão, que também é encontrado nos subtrópicos, é provavelmente a fruta mais comum da mesa equatoriana. Embora alguns, por engano, talvez pensem que é um melão, não cresce em trepadeiras. Antes, cresce em grupos, no alto de árvores semelhantes às palmeiras. Os mamões variam de tamanho, os grandes chegando a pesar quase sete quilos ou mais.
Do lado de fora, a fruta tem cor verde-escura que gradualmente se transforma em amarela, em certas manchas, ao amadurecer. Lá dentro, a polpa é dum amarelo forte, ou às vezes, de cor laranja brilhante ou avermelhada. Diferente de muitas outras frutas, o mamão tem fruto oco, em que uma porção de sementes pretas estão presas à polpa, mas são facilmente retiradas. A polpa é doce e suculenta e mui deliciosa, a menos que aconteça pegar um ruim, com gosto forte e um tanto desagradável. Usualmente os menores tendem a ter sabor bem forte; os maiores têm melhor sabor.
As pessoas neste país comem bastante mamão, não apenas pelo simples prazer de comer a fruta, mas também por questões de saúde. Nos trópicos, o corpo da pessoa precisa de bastante líquido necessário duma forma mui pura e deleitosa. Daí, também, é excelente ajuda para o sistema digestivo. Pode-se facilmente provar isto pela simples ingestão de uma fatia ou duas de mamão depois de uma refeição pesada, e assim evitar os; desconfortos comuns sentidos depois da ingestão de muito alimento rico. Há razoável explicação médica para isto, também. As autoridades em nutrição verificaram que o mamão e rico numa enzima chamada “papaína”, que ajuda na digestão das proteínas.
Neste respeito, uma amiga nossa descreveu como ela faz bom uso desta propriedade do mamão de outra forma. Ela mergulha a carne no suco de mamão por algumas horas, preferivelmente a noite toda, e verifica que é excelente amaciador da carne. Isto também se deve à enzima presente nesta fruta tropical.
Bem, não somos mais recém-chegados a este lindo país tropical, que possui uma variedade de aves, de flores e de frutas. O que parecia no início serem frutas um tanto esquisitas e incomuns são agora grandes conhecidos nossos — velhos amigos cuja companhia apreciamos em sentido muito especial. Se quiser familiarizar-se mais com elas, por que não vem visitar-nos?

in Despertai de 22/7/1973 pp. 13-15

terça-feira, 15 de abril de 2014

terça-feira, 8 de abril de 2014

A música conVIDA... a ter objectivos

Uma vida sem objectivos? Há quem pense que o nosso objectivo é morrer um dia. Objectivo pouco audaz, confesso. E depois há quem pense que o objectivo da sua vida é quebrar todas as regras, liberdades e vontades. E também chatear os outros.
Sejam quais forem, acredito que uma vida sem objectivos não faz sentido. Há quem não queira perceber quais os seus objectivos, há quem não queira saber.
Mas a nossa vida tem sentido, tem objectivo. De outra forma, que sentido faria continuar a respirar?

We get some rules to follow
That and this
These and those
No one knows

segunda-feira, 31 de março de 2014

Silêncio

Ruído perturbador na mente
Gritos silenciosos
Desejo ardente de ouvir o som
Palavras ausentes
Ecoando no vale de árvores frondosas
Letras por escrever
Vontade de gritar ao vento
Boca fechada
O que sentes quando falas para o vazio?
Silêncio preenchido

Palavras cheias de sentimento
Sem sentido
Livros vazios de letras
Papel silencioso
Nas ruínas da escrita
Muros caiados
Enorme vontade de soltar um som
Afonia presente
Consegues ouvir o que não te dizem?
É isto o silêncio

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Palavra da semana ( 56 )

di·sor·to·gra·fi·a

(dis- + ortografia)
substantivo feminino
1. [Medicina]  Dificuldade na aprendizagem da ortografia.
2. [Medicina]  O mesmo que disgrafia.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

O saber não ocupa lugar ( 378 )




Actualmente não existem fármacos ou medicamentos eficazes na redução da duração de uma constipação.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Raridades e Recordações ( 110 )

Para os dias de chuva, que parecem nunca mais acabar...

And when it rains, you're shining down for me
And I just can't get enough, I just can't get enough
Just like a rainbow you know you set me free
And I just can't get enough, I just can't get enough


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

O crepúsculo da vida — anos que podem ser úteis




A CADA dia que passa, ficamos mais velhos. Não há nada que possamos fazer para impedir o processo de envelhecimento. Mas, assim como o crepúsculo é uma ocasião pacífica e útil do dia, assim o crepúsculo da vida também o pode ser.
Considera apenas o cabelo grisalho, às rugas, o passo mais vagaroso, e a perda dos entes queridos? Ou sente-se grato pelas muitas experiências ricas e a maturidade de ideias que acompanham a velhice? Acha que as consecuções e a habilidade atingem um auge nos anos iniciais da vida e então declinam rapidamente?

A Produtividade nos Anos Avançados

Reader’s Digest, utilizando extensamente matéria editada pelos médicos E. W. Busse e E. Pfeiffer, comentou: “O auge da produtividade criativa permanece elevado nos anos avançados, em especial em campos tais como a matemática, a invenção, a botânica, as humanidades. No estadismo, a habilidade tende a aumentar com a idade, e, nas áreas de pensamento abstracto, tal como a lógica e a filosofia, os anos de auge potencial ocorrem entre os 45 e 83 anos. A habilidade mental deteriorante não é inevitável na velhice.”
O Professor N. J. Berrill concordou. “Aos 80, o padrão mental ainda é tão bom quanto era aos 35”, escreveu. “Ao passo que a mente jovem tende a criar novas concepções e ideias, a mente mais velha . . . possui maior constância, meticulosidade e riqueza de experiência.”
A evidência comprova que a habilidade mental não se deteriora na proporção da habilidade física. Num grupo de quatrocentos famosos estadistas, pintores, guerreiros, poetas e escritores, verificou-se que 35 por cento de suas grandes consecuções foram realizadas entre as idades de sessenta e setenta anos; 23 por cento foram realizadas entre setenta e oitenta anos e 8 por cento quando tais pessoas já haviam passado dos oitenta anos! Juntando-se tudo, dois terços delas foram realizadas depois dos sessenta anos.

Usufruindo a Vida Longa

Há muito já se observou que alguns vivem muito além da vida média, e mantêm notável habilidade física e mental.
Actualmente, há pessoas que vivem mais de cem anos. Não faz muito tempo, o correspondente de Washington, Bruce Biossat, escreveu: “Uns 15.000 estadunidenses, um número surpreendente, têm 100 anos ou mais. . . . Cerca de um terço dos actuais centenários se acham nas listas do Seguro Social.” Biossat disse que há cerca de 250.000 estadunidenses com mais de noventa anos, ou cerca de um em cada 800.
Outros lugares têm maior percentual de pessoas mais velhas, em especial a República da Geórgia nas Montanhas do Cáucaso, que se aninha na parte sudoeste da União Soviética. Em 1971, Sula Benet, professora de antropologia na Faculdade Hunter, na cidade de Nova Iorque, visitou o povoado de Dzhgerda naquela área. Disse ela: “Havia 71 homens e 110 mulheres entre 81 e 90 anos e 19 pessoas com mais de 91 anos — 15 por cento da população do povoado, de 1.200 pessoas.”
Daí, há o Vale de Vilcabamba no Equador, que se rivaliza com o registro de longevidade da parte sul da União Soviética. O Brasil, também, jacta-se de possuir seus centenários. No planalto do Estado de Goiás vive Delfina da Costa Freitas, que se diz ter 155 anos. Ela ainda acolhe os visitantes com o proverbial cafezinho, símbolo da hospitalidade brasileira.
Alguns estadunidenses, também, surpreendem pela vida longa. Charlie Smith celebrou seu 125.° aniversário em 4 de Julho de 1967. Comentando isto, a revista Time observou: “A afirmação da grande idade de Smith dispõe de mais apoio documentário do que a maioria delas, mas não é suficiente. Nenhuma da ‘evidência’ o menciona especificamente, ou prova que ele nasceu onde e quando ele diz que nasceu. . . . Até agora, nenhum destes registos documentou a sobrevivência de um cidadão dos EUA com mais de 111 anos.”
Mas, apesar da falta de documentação sólida para idades extremamente avançadas, torna-se óbvio que algumas pessoas, especialmente em certos lugares, gozam duma vida mais longa e mais saudável. Por quê?

Segredo da Vida Mais Longa

O bom ar da altitude mais elevada, alimento simples, porém nutritivo, e abundância de trabalho físico árduo são responsáveis pela excepcional longevidade dos que vivem no sul da União Soviética. “Os idosos jamais ficam sentados em cadeiras por longos períodos”, relatou Sula Benet. Consideram os gordos como doentes e, quando vêem tal pessoa, perguntam como vai de saúde.
Outro factor importante é que os idosos se sentem úteis. Escreveu o Doutor Albert Parry, russo, a respeito da vida rural nas Montanhas do Cáucaso: “A família e a comunidade fazem com que as pessoas idosas se sintam importantes, ou, pelo menos, necessárias, por irem a elas em busca de conselhos.”
Assim, os idosos ficam optimistas e encontram prazer na perspectiva de vida contínua. Conforme se expressou certo senhor de noventa e nove anos do povoado de Achandara: “Meus filhos e netos precisam de mim, e viver nesse mundo não é ruim — excepto que não consigo mais remexer o solo e se tornou difícil subir nas árvores.”
Que o trabalho satisfatório e sentir-se útil são importantes para longevidade tem sido documentado. Exemplificando, nos EUA, os pesquisadores do Centro de Estudo do Envelhecimento e do Desenvolvimento Humano da Universidade de Duke recentemente relataram que as pessoas satisfeitas com seu quinhão na vida e que se sentem felizes com seu trabalho vivem mais. Também se observou que a longevidade amiúde se dá em famílias, assim, a hereditariedade também é importante factor na vida mais longa.

Envelhecimento e Suas Causas

Todavia, apesar do que faça o homem, ele envelhece e morre. Com efeito, é a pessoa excepcional que consegue viver muito depois dos oitenta ou noventa anos. Conforme observado pelo jornal brasileiro O Globo: “Mesmo que a Medicina e a Cirurgia realizassem todos os milagres que delas esperamos, não haveria nenhuma perspectiva de alongar muito a vida humana. . . . Isto significa que, protegendo o homem contra todos os acidentes e contra todas as doenças possíveis e imagináveis, nosso tempo de vida não excederia a uma média de 80 anos.”
Por que isto? Por que a sequóia vive milhares de anos e mantém seu vigor ao passo que o corpo humano se enfraquece, encolhe e geralmente desaparece em menos de um século?
A ciência nos conta que a continuação da vida depende da capacidade do corpo de reconstituir as células. No entanto, em certa idade, as células deixam de renovar-se devidamente. Assim, resulta uma freagem do organismo e, por fim, chega a uma parada completa. Concluiu o Dr. Isaac Asimov: “Nossas células parecem ‘programadas’ pelos seus genes para sofrerem gradualmente tais mudanças com o tempo, a que chamemos de envelhecimento.”
A ciência moderna não proveu resposta satisfatória quanto a por que ocorrem tais mudanças nas células, resultando no envelhecimento e na morte, por fim. Crêem muitos médicos que o próprio envelhecimento não é uma doença; não mata os humanos. Explicou o Dr. Moisés Barnak, de São Paulo: “A ‘causa mortis’, senilidade, tantas vezes assinalada em atestados de óbito, não existe. Ninguém morre de velhice.” Isso é um fato prontamente observável: todos os homens são imperfeitos, e todos morrem.

Ajudar os Idosos a Usufruir os Anos Avançados

A satisfação que os mais idosos têm na vida depende, em grande medida, deles próprios. Também é influenciada pela atitude de seus filhos.
Se a pessoa tiver verdadeiro propósito na vida, cada dia lhe traz satisfação, muito embora sofra dores ou fraquezas.
( E todos ) precisam dum lugar para viver. Alguns deles preferem ter sua própria casa — talvez perto dos filhos, mas com a liberdade de entrarem e saírem sem perturbar os planos dos outros.
Em muitos casos, acidentes ou doenças tornam impossível que a mãe viúva ou pai viúvo que vive sozinho cuide de si mesmo nos seus anos avançados. O que fazer então? Alguns filhos, com calorosa apreciação pelo que seus pais fizeram, levam-nos para suas próprias casas, e os mais velhos, por sua vez, contribuem com os benefícios de sua experiência na vida para a família. Em outros casos, arranjos foram feitos de ficarem em casas de saúde, a fim de receberem os cuidados necessários. Às vezes tal arranjo é feito com genuíno interesse em todos os envolvidos. Em outros casos, é feito, não por ser o melhor arranjo, nem por que os filhos gostariam que lhes fizessem isso em seus anos avançados, mas porque parece ser a coisa mais conveniente.
Casas de convalescência e casas de saúde surgiram em crescentes números, havendo umas 25.000 delas nos EUA apenas. Todavia, pouco menos da metade delas oferecem cuidados peritos. Alguns destes lugares parecem mais interessados em obter lucro financeiro do que em fornecer bons cuidados. Outros, contudo, fazem verdadeiro empenho em ajudar as pessoas idosas a usufruir seus últimos anos.
A cidade de São Paulo tem cerca de 100.000 pessoas com mais de setenta anos, e tem dado passos para melhorar as condições dos idosos. A cerca de meia hora de carro do centro da cidade há verdadeiro jardim. Situado num lindo ambiente há uma instituição para os idosos que tenham necessidade de tal abrigo. Há cerca de 900 internados ali.
Há alojamentos em separado para homens e para mulheres, todos asseados, bem arejados e bem iluminados. Cerca de 65 por cento dos internados não podem pagar seu internamento e o obtêm de graça; os outros pagam quantias variáveis. Os que pagam os preços mínimos moram em enfermarias com trinta leitos; os que pagam preços mais altos têm seu quarto particular.
Médicos, assistentes sociais e enfermeiras se acham todos disponíveis. A sauna e os banhos a vapor são parte do equipamento de saúde. E uma horta fornece legumes frescos e frutas para a mesa.
Para ajudar a tornar significativa a sua vida, provê-se trabalhos para os idosos, e recebem pelo que produzem. Fazem sacolas, consertam sapatos e criam coelhos. Também, os internos podem sair e fazer compras no bazar do asilo.
Em outras partes da terra, os governos fornecem apartamentos modestos a preço bem baixo. Estes talvez forneçam maior privacidade, mas também exigem que a pessoa possa cuidar mais de si mesma.
É verdade que a idade avançada é acompanhada por reduzido vigor e pela deterioração do corpo. Todavia, a capacidade mental, a experiência, a sabedoria, a capacidade para o trabalho e a criatividade ainda se acham presentes e, em alguns casos, são até mesmo superiores. Por se manter activo, exercitando-se com regularidade, e participando em trabalho construtivo, o crepúsculo de sua vida pode ser deveras constituído de anos úteis.

in Despertai de 22/7/1973 pp. 9-13

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Provérbio da semana ( 23:6 )

Não te alimentes do alimento de alguém de olho não generoso, nem te mostres almejante dos seus pratos gostosos.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A música conVIDA... a ter coragem

O dicionário define coragem como firmeza de ânimo ante o perigo, os reveses, os sofrimentos. E também constância, perseverança (com que se prossegue no que é difícil de conseguir).
Para viver é preciso ter coragem. A vida é uma aventura, por vezes épica, noutras alturas uma comédia, também várias vezes um drama, e, porque não, com algumas cenas policiais pelo meio. Mas diferente de um filme, a vida de cada um é bem real. E a coragem não se compara com a dos heróis dos filmes. Há dias em que a coragem começa logo ao acordar, coragem para levantar da cama quando lá fora o frio aperta e a chuva não convida. Mas é preciso mostrar muitas vezes coragem para enfrentar os familiares, os amigos, os colegas, os patrões. Mas a coragem maior parte de nos enfrentarmos. E, curiosamente, é em nós que falta demasiadas vezes coragem. Enfrentamos medos e pessoas, mas falta-nos a coragem maior, aquela que nos permitiria tomar decisões importantes e radicais, mas ao mesmo tempo que façam a nossa vida mudar. Já alguma vez ficaram a pensar que se fossem corajosos poderiam ter tomado decisões significativas na vossa vida?
Por outro lado, coragem também significa persistência. Em algo que decidimos ou em algo que queremos alcançar. Perante as dificuldades, precisamos mostrar coragem. E lutar pelo que queremos ou pelo que conseguimos. É fácil? Claro que não, de outra forma não seria preciso ter coragem.


Battles are fought by those with the courage to believe
They are won by those who find the heart
Find a heart to share
This heart that fills the soul will point the way to victory
If there's a fight then I'll be there, I'll be there

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Palavra da semana ( 55 )

ca·bo·ti·no

(francês cabotin, comediante ambulante)

substantivo masculino

1. Comediante ambulante.
2. Mau actor.

adjectivo e substantivo masculino

3. [Figurado]  Que ou aquele que presume ser importante ou se exibe pretensiosamente para se impor. = PRESUMIDO, PRESUNÇOSO, PRETENSIOSO

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

OBRIGADO RUI COSTA!

AMOR MEU, DOR MINHA

DOR MINHA QUE BATES NO CORAÇÃO,
OLHOS TEUS QUE CRUZAM COM A PAIXÃO;

PARA ONDE FORES CONTIGO IREI,
ONDE ESTIVERES AÍ FICAREI;

NA ROTA DO AMOR BUSCAMOS SINTONIA,
SENDO O MAIS IMPORTANTE A COMPANHIA;

FELIZ AQUELE QUE TE AMA,
E QUE PODE ALIMENTAR A CHAMA;

FICAREI. FELIZ. SINTO O TEU ABRAÇO FORTE,
SINTO QUE O AMOR NÃO ALIMENTA A MORTE;

POR TUDO ISTO UM ADEUS NÃO PERMITO,
NO NOSSO CORAÇÃO O AMOR NÃO É MALDITO.